O prolífico cineasta alemão Werner Herzog retorna construindo um filme surpreendentemente tocante em cima de uma premissa absurda: “Family Romance, LCC” estreou fora da competição em Cannes e, agora, foi exibido no Festival de Londres. A obra é uma análise imperfeita das necessidades humanas em estilo que lembra o francês Michel Gondry, diretor de “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”.

No filme, um empresário japonês (Ishii Yuichi) é contratado para fingir ser o pai de uma garota (Mahiro Tanimoto). Aos poucos, o roteiro ­­– também escrito por Herzog – revela que o empresário dono de um negócio que consiste no aluguel de pessoas para promover experiências. Cenas do cotidiano de seu trabalho são alternadas com suas interações com a garota, que começa a se afeiçoar demais a ele e, com isso, gerar um problema.

A princípio, a estética sem orçamento do longa incomoda: a falta de resolução do vídeo digital é perceptível, a luz estoura em vários momentos e uma música onipresente chateia depois dos primeiros 10 minutos. O diretor, que tem uma longa carreira em documentários, até pega emprestada uma das pragas atuais do gênero: as longas tomadas aéreas feitas por drones, usadas sem nenhum propósito.

Entre ficção e realidade

Os espectadores que passarem por cima das limitações do projeto encontrarão um filme sobre as medidas extremas que pessoas tomam na busca de sentir algo ou proporcionar algo a alguém. O fato de que, na vida real, Yuichi realmente trabalha para uma empresa similar e, assim, interpreta uma versão ficcional dele mesmo dá um tom quase surreal ao filme.

O emprego de Yuichi não é muito diferente do Mr. Oscar – o protagonista de “Holy Motors”, de Leos Carax: ele vai de lugar a lugar, interpretando papéis para pessoas dispostas a acreditar em sua atuação. Pegando a empresa real como ponto de partida, Herzog quer olhar para essa auto-ilusão de frente e perguntar o que ela diz sobre a condição humana.

Nesse intuito, o diretor não faz julgamentos e reconhece o valor tanto das pessoas que fornecem essas ilusões quanto das pessoas que as pedem. Como não sentir empatia, por exemplo, da dona de casa que contrata a empresa para, regularmente, bater à sua porta e fingir que ela ganhou na loteria? Em uma vida ditada pelo ordinário, um pouco de extraordinariedade é o bem mais cobiçado.

O “conforto” do faz-de-conta

Mais pungente, no entanto, é o peso emocional de viver em um mundo de faz-de-conta. Yuichi fica encantado com a possibilidade de fingir seu próprio funeral, pois, na morte, ele encontra uma paz que sua série de papéis não lhe proporciona. Como nada a sua volta é real, ele questiona a realidade e chega a pensar que, talvez, sua própria família seja formada por atores – algo que o atormenta e expõe uma humanidade que ele não pode mostrar aos clientes.

É na habilidade de tocar grandes questões de forma quase improvisada que o talento de Herzog fica claro. Com apenas 89 minutos, “Family Romance, LLC” não tem a profundidade dos melhores do diretor, mas é um projeto cuja fascinante ideia mostra o poder que a ficção exerce na vida contemporânea.

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Sundown’: apatia generalizada em filme monótono

“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres...

‘A Crônica Francesa’: Wes Anderson joga para torcida ao celebrar o jornalismo

Descrito como uma "carta de amor aos jornalistas", "A Crônica Francesa" é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme...

‘Great Freedom’: a luta para ser quem se é independente das consequências

Amor, tesão e tragédia dão a tônica de "Great Freedom", o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de...

‘The Souvenir Parte II’: Joanna Hogg muda tom e cria sequência metalinguística

A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em "The Souvenir Parte II", sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor...

‘Titane’: Julia Ducournau arrisca tudo com horror no limite

Dependendo da forma como você o vê, "Titane" é um horror porrada no estômago, uma hilária comédia de humor negro ou um drama sobre pessoas muito, mas muito quebradas. O filme ganhador da cobiçada Palma de Ouro - prêmio máximo do Festival de Cannes - deste ano e...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...