Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de “Fantasma Neon”, uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por Leonardo Martinelli figurou na seção internacional da Leopardos do Amanhã – principal mostra competitiva de curtas do evento – e venceu seu prêmio máximo.

João (Dennis Pereira, em sua estreia no cinema) faz entregas para um aplicativo na selvageria cotidiana do Rio de Janeiro. Ele sonha em ter uma moto – mas, por enquanto, trabalha de bicicleta – e divide com vários jovens uma extenuante jornada laboral, a vontade de uma vida melhor e o sonho de transcender sua dura situação.

REALISMO E TEATRALIDADE SIMULTANEAMENTE

Na lógica neoliberal das relações flexibilizadas de trabalho, ser o próprio patrão e dono do próprio destino deveria fazer a vida de qualquer um parecer um filme. Sua realidade, no entanto, é mais similar à de um servo sem senhorio – então, a mente de João toma para si a missão de dar ares de cinema ao seu dia-a-dia, imaginando números musicais que tocam nas feridas dos contratos “zero horas”.

Martinelli acerta em cheio ao conciliar o realismo das cenas faladas com a teatralidade das sequências musicais. Com o auxílio do diretor de fotografia Felipe Quintelas e do montador Lobo Mauro, ele consegue extrair imagens contundentes e vibrantes, como as danças com as mochilas de entrega e o plano em que um grupo de entregadores segura instrumentos de sopro como se fossem armas. O roteiro, também assinado por Martinelli, diz muito com pouco. A cena em que João tem que lidar com um cliente super mala expõe a fragilidade de seu status em poucos minutos, por exemplo.

INVISIBILIZAÇÃO TOTAL

Com apenas 20 minutos e tanto a ser explorado, há belas tangentes capazes de deixar os espectadores desejosos em ver uma versão longa-metragem do projeto. A mais notória delas é uma trama paralela envolvendo outro entregador, Felipe (Silvero Pereira, o Lunga de “Bacurau”). O ator rouba a cena em um diálogo que sugere várias coisas – inclusive algo homoafetivo entre João e Felipe – e indica uma história pregressa que gera curiosidade. Ele também entrega a fala que talvez seja a síntese do filme: “entregar comida com fome é foda”.

Mesmo enxuto (ou talvez justamente por isso), “Fantasma Neon” é preciso em balancear crítica social e energia visual e não foi premiado em Locarno à toa. No mundo de João, tudo está em movimento, menos a sua invisibilidade. Para além das músicas e refeições, ele sabe a verdade embutida nesta linha de diálogo: “nem de neon, eles enxergam a gente”.

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...

‘Stillwater’: Matt Damon brilha em suspense repleto de indecisão

Baseado no caso real de Amanda Knox, "Stillwater" traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter...

‘Annette’: Leos Carax instiga público em musical subversivo

*AVISO: o texto contém SPOILERS -- Eu não costumo criar expectativas para filmes. Não costumo assistir trailers e nem mesmo ler sinopses e, embora tenha alguns artistas favoritos e outros nem tanto, assim como todo mundo, sempre assisto qualquer filme partindo do...

‘Caminhos da Memória’: você certamente já viu esse filme antes

É curioso que, para um filme tão interessado em memórias, lembranças e a forma como os seres humanos lidam com elas, Caminhos da Memória seja tão... imemorável.  É a estreia de Lisa Joy na direção, e para quem conhece o trabalho dela como produtora e co-criadora da...