Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas ainda mantém seu status. Dizem ser a validação do talento dos atores e atrizes. Claro, uma atriz do seu porte não precisa de Oscar para validar seu talento gigantesco.

Indicada em oito ocasiões, perdendo a última este ano, o clamor do público e crítica para ganhar o Oscar tomou uma grande proporção. Particularmente, penso que é até interessante o público jovem reconhecer o seu talento magnânimo e os fãs antigos de cinema e da atriz reafirmarem este talento.

Com tanta comoção, lógico, papéis estão chegando, ainda que seja de gosto duvidoso como em Era Uma Vez Um Sonho (2020), película pretensiosa de Ron Howard. E agora Four Good Days, de Rodrigo García.

O drama familiar baseado em uma história real narra a história de Deb (Close), uma senhora que vive tranquilamente com seu marido até que sua filha, Molly (Mila Kunis), uma viciada em drogas, bate à sua porta pedindo abrigo. A contragosto, ela resgata a filha e, na reabilitação pela 15ª vez, descobrem um tratamento novo e intensivo de cura. Molly precisa de apenas quatro dias para estar limpa e iniciar este tratamento.

OSCAR BAIT NOVAMENTE

Filmes que trata de viciados são uma cilada, afinal, nem sempre teremos uma tempestade complexa e atordoante como Réquiem Para Um Sonho (2000), de Darren Aronofsky. Ainda que o contexto e ocasião sejam outros, tornou-se referência. Aqui, García esbarra em todos os tropeços básicos e piegas para contar a história dessas duas personas. Os diálogos são previsíveis, a trilha sonora penosa e as cenas de embate entre as duas são cansativas estando ali como uma espécie de filler (basicamente “encher linguiça”). É tudo muito calculado, um Oscar Bait (um termo que particularmente não gosto que significa produções que buscam a aceitação da Academia. Mas nem tudo é sobre Oscar!). Neste sentido, “Four Good Days” perde muito do seu encanto quando se acha mais sério do que realmente é e almejando prêmios, isso compromete o seu desenrolar.

Falando em Glenn, esta dispensa apresentações: um trabalho acima da média em um filme mediano. Seus artifícios como atriz são ilimitados. Inteligente, constrói a sua personagem de uma mulher comum que segue a sua vida apesar do peso dos anos e de sua constante preocupação com a filha – percebam que a casa toda é acionada por alarmes. A doçura e tensão em seu olhar dizem muito sobre essa mulher aflita, porém, convicta. Não é um dos seus mais memoráveis papéis, mas certamente é uma oportunidade máxima em vê-la brilhar. Mila Kunis, uma atriz mediana cumpre bem o seu papel, ainda que falte algo na construção de sua personagem.

Mas nem tudo é bomba. A (re)construção da relação dessas duas mulheres, mãe e filha, totalmente feridas pela vida e pelas suas próprias ações do passado é bonita. Uma reconexão do amor entre elas e de si mesmas, do perdão e, acima de tudo, o vínculo maternal que está acima de quaisquer eventualidades. E a vida é isso, sempre estar em um eterno recomeço para quem tem e pode ter essa oportunidade. Rodrigo García mirou na aclamação, mas acertou em mais um típico novelão das 18h.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...