Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas ainda mantém seu status. Dizem ser a validação do talento dos atores e atrizes. Claro, uma atriz do seu porte não precisa de Oscar para validar seu talento gigantesco.

Indicada em oito ocasiões, perdendo a última este ano, o clamor do público e crítica para ganhar o Oscar tomou uma grande proporção. Particularmente, penso que é até interessante o público jovem reconhecer o seu talento magnânimo e os fãs antigos de cinema e da atriz reafirmarem este talento.

Com tanta comoção, lógico, papéis estão chegando, ainda que seja de gosto duvidoso como em Era Uma Vez Um Sonho (2020), película pretensiosa de Ron Howard. E agora Four Good Days, de Rodrigo García.

O drama familiar baseado em uma história real narra a história de Deb (Close), uma senhora que vive tranquilamente com seu marido até que sua filha, Molly (Mila Kunis), uma viciada em drogas, bate à sua porta pedindo abrigo. A contragosto, ela resgata a filha e, na reabilitação pela 15ª vez, descobrem um tratamento novo e intensivo de cura. Molly precisa de apenas quatro dias para estar limpa e iniciar este tratamento.

OSCAR BAIT NOVAMENTE

Filmes que trata de viciados são uma cilada, afinal, nem sempre teremos uma tempestade complexa e atordoante como Réquiem Para Um Sonho (2000), de Darren Aronofsky. Ainda que o contexto e ocasião sejam outros, tornou-se referência. Aqui, García esbarra em todos os tropeços básicos e piegas para contar a história dessas duas personas. Os diálogos são previsíveis, a trilha sonora penosa e as cenas de embate entre as duas são cansativas estando ali como uma espécie de filler (basicamente “encher linguiça”). É tudo muito calculado, um Oscar Bait (um termo que particularmente não gosto que significa produções que buscam a aceitação da Academia. Mas nem tudo é sobre Oscar!). Neste sentido, “Four Good Days” perde muito do seu encanto quando se acha mais sério do que realmente é e almejando prêmios, isso compromete o seu desenrolar.

Falando em Glenn, esta dispensa apresentações: um trabalho acima da média em um filme mediano. Seus artifícios como atriz são ilimitados. Inteligente, constrói a sua personagem de uma mulher comum que segue a sua vida apesar do peso dos anos e de sua constante preocupação com a filha – percebam que a casa toda é acionada por alarmes. A doçura e tensão em seu olhar dizem muito sobre essa mulher aflita, porém, convicta. Não é um dos seus mais memoráveis papéis, mas certamente é uma oportunidade máxima em vê-la brilhar. Mila Kunis, uma atriz mediana cumpre bem o seu papel, ainda que falte algo na construção de sua personagem.

Mas nem tudo é bomba. A (re)construção da relação dessas duas mulheres, mãe e filha, totalmente feridas pela vida e pelas suas próprias ações do passado é bonita. Uma reconexão do amor entre elas e de si mesmas, do perdão e, acima de tudo, o vínculo maternal que está acima de quaisquer eventualidades. E a vida é isso, sempre estar em um eterno recomeço para quem tem e pode ter essa oportunidade. Rodrigo García mirou na aclamação, mas acertou em mais um típico novelão das 18h.

Crítica | ‘Copa 71: A História que não foi Contada’: documentário abaixo da grandeza do evento

Com a narração da tenista norte-americana Serena Williams, “Copa 71: A História que não foi Contada” apresenta cronologicamente a história da primeira grande competição mundial de futebol feminino, realizada no México. Embora não tenha sido o pioneiro, o torneio foi o...

Crítica | ‘Às Vezes Quero Sumir’: estética deprê-chic em filme simpático

O título de “Às Vezes Quero Sumir” em inglês é mais cáustico: “Às Vezes Penso em Morrer” em tradução aproximada. Mas um título tão direto raramente vem acompanhado de um soco no estômago genuíno – é mais o caso de trazer à tona um distanciamento irônico que torne a...

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...