Os ricos realmente vivem num mundo à parte… E parece que o filme French Exit também veio de um mundo à parte. O longa dirigido por Azazel Jacobs e roteirizado por Patrick deWitt – baseado em seu próprio romance – traz Michelle Pfeiffer e Lucas Hedges como mãe e filho ricaços às voltas com pessoas estranhas e um gato que pode ou não ter algo de sobrenatural a seu respeito. É um filme esquisitinho e que se deleita na própria esquisitice, mas que também traz um trabalho de personagem interessante o suficiente para manter o espectador com um sorrisinho de canto de rosto por uma parte da sua duração.

Pfeiffer vive uma socialite de Nova York chamada Frances Price. Um dia, ela descobre que está falida: as contas bancárias secaram após a morte do seu marido, alguns anos antes, e ela pensava que morreria antes do dinheiro acabar. Mas a falência dos ricaços é diferente da do resto de nós, mortais: Frances aceita a oferta muito legal de uma amiga generosa para ficar num apartamento em Paris. Sem pagar aluguel. Ela então pega seu filho, um jovem sem rumo chamado Malcolm (Hedges, coitado, só faz papel de desanimado) e viaja para a capital francesa, com um gato a tiracolo… No caminho, encontram uma vidente, uma senhora que mantém um interessante objeto congelado em seu freezer, um detetive… E o tal gato se perde… E tem a noiva de Malcolm, Susan (Imogen Poots)… E só de tentar rememorar um pouco da trama já me vejo de volta àquele mundo estranho do 1%, seus problemas emocionais e seus bichos de estimação sobrenaturais.

Se há um motivo para se assistir a French Exit, é Michelle Pfeiffer.  A atriz aqui é dona do filme, de todas as cenas em que aparece. Ela consegue dotar a Frances de uma humanidade até comovente que vai emergindo aos poucos durante a trama, e ainda por cima está bem engraçada. É realmente um trabalho completo de atuação, que diverte e até comove, mesmo que o filme ao redor dela nunca se arrisque muito além da vibe melancólica “Wes Anderson light, sem a simetria”. Pfeiffer é vivaz, mesmo gelada, e torna o filme mais vivo. Como, por exemplo, na ótima cena em que Frances coloca um garçom francês metido no seu devido lugar, começando um pequeno fogo na sua mesa… É uma das melhores cenas do filme, e uma que ressalta o quanto aquela personagem e o seu mundo estão distantes da realidade, e o quanto a performance da atriz é essencial em fundamentá-la, não deixá-la virar uma simples caricatura.

OS ESQUISITOS SÃO OS MAIS MARCANTES

Além de Pfeiffer, também merecem destaque no elenco Danielle Macdonald como a vidente que forma uma estranha relação com aquela mãe e filho, e Valerie Mahaffrey como a impagável madame Reynard, outra personagem que não parece viver no planeta Terra.  Completando o elenco, o dramaturgo, ator e roteirista Tracy Letts dubla o gato em algumas cenas – não perguntem… Hedges é o elo fraco, mais pelo personagem do que pelo desempenho do ator – mas não faz mal ele pensar, sim, em dar uma sacudida na carreira, mudar de agente, ou ambos, porque seus papeis repetitivos já estão começando a cansar. Enfim, Malcolm é concebido de modo tão inexpressivo que acaba sendo um nada pela maior parte da história, e quando a noiva dele aparece em Paris o espectador até se pergunta “uai, por quê?”. Se a intenção do roteiro era dotar esse personagem de um arco ou de usar seu crescimento como a força emocional do filme, então falhou terrivelmente.

É curiosa a experiência de se assistir a French Exit, porque ele alternadamente mostra ou apresenta personagens estranhos, para depois querer encontrar humanidade neles além da esquisitice. Às vezes o filme alcança esse objetivo, às vezes falha. E ele acaba se concluindo de uma forma também esquisita, demonstrando que a condução da história se perde perto do desfecho. Ainda assim, finda a sessão, fica-se com o belo trabalho de Pfeiffer e a sua interessante personagem, uma figura que consegue transcender – um pouco – o próprio subgênero “filme de problemas de gente rica”, e não se engane, esse subgênero existe, sim. Às vezes, as pessoas mais esquisitas são mesmo as mais marcantes.

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...