Os ricos realmente vivem num mundo à parte… E parece que o filme French Exit também veio de um mundo à parte. O longa dirigido por Azazel Jacobs e roteirizado por Patrick deWitt – baseado em seu próprio romance – traz Michelle Pfeiffer e Lucas Hedges como mãe e filho ricaços às voltas com pessoas estranhas e um gato que pode ou não ter algo de sobrenatural a seu respeito. É um filme esquisitinho e que se deleita na própria esquisitice, mas que também traz um trabalho de personagem interessante o suficiente para manter o espectador com um sorrisinho de canto de rosto por uma parte da sua duração.

Pfeiffer vive uma socialite de Nova York chamada Frances Price. Um dia, ela descobre que está falida: as contas bancárias secaram após a morte do seu marido, alguns anos antes, e ela pensava que morreria antes do dinheiro acabar. Mas a falência dos ricaços é diferente da do resto de nós, mortais: Frances aceita a oferta muito legal de uma amiga generosa para ficar num apartamento em Paris. Sem pagar aluguel. Ela então pega seu filho, um jovem sem rumo chamado Malcolm (Hedges, coitado, só faz papel de desanimado) e viaja para a capital francesa, com um gato a tiracolo… No caminho, encontram uma vidente, uma senhora que mantém um interessante objeto congelado em seu freezer, um detetive… E o tal gato se perde… E tem a noiva de Malcolm, Susan (Imogen Poots)… E só de tentar rememorar um pouco da trama já me vejo de volta àquele mundo estranho do 1%, seus problemas emocionais e seus bichos de estimação sobrenaturais.

Se há um motivo para se assistir a French Exit, é Michelle Pfeiffer.  A atriz aqui é dona do filme, de todas as cenas em que aparece. Ela consegue dotar a Frances de uma humanidade até comovente que vai emergindo aos poucos durante a trama, e ainda por cima está bem engraçada. É realmente um trabalho completo de atuação, que diverte e até comove, mesmo que o filme ao redor dela nunca se arrisque muito além da vibe melancólica “Wes Anderson light, sem a simetria”. Pfeiffer é vivaz, mesmo gelada, e torna o filme mais vivo. Como, por exemplo, na ótima cena em que Frances coloca um garçom francês metido no seu devido lugar, começando um pequeno fogo na sua mesa… É uma das melhores cenas do filme, e uma que ressalta o quanto aquela personagem e o seu mundo estão distantes da realidade, e o quanto a performance da atriz é essencial em fundamentá-la, não deixá-la virar uma simples caricatura.

OS ESQUISITOS SÃO OS MAIS MARCANTES

Além de Pfeiffer, também merecem destaque no elenco Danielle Macdonald como a vidente que forma uma estranha relação com aquela mãe e filho, e Valerie Mahaffrey como a impagável madame Reynard, outra personagem que não parece viver no planeta Terra.  Completando o elenco, o dramaturgo, ator e roteirista Tracy Letts dubla o gato em algumas cenas – não perguntem… Hedges é o elo fraco, mais pelo personagem do que pelo desempenho do ator – mas não faz mal ele pensar, sim, em dar uma sacudida na carreira, mudar de agente, ou ambos, porque seus papeis repetitivos já estão começando a cansar. Enfim, Malcolm é concebido de modo tão inexpressivo que acaba sendo um nada pela maior parte da história, e quando a noiva dele aparece em Paris o espectador até se pergunta “uai, por quê?”. Se a intenção do roteiro era dotar esse personagem de um arco ou de usar seu crescimento como a força emocional do filme, então falhou terrivelmente.

É curiosa a experiência de se assistir a French Exit, porque ele alternadamente mostra ou apresenta personagens estranhos, para depois querer encontrar humanidade neles além da esquisitice. Às vezes o filme alcança esse objetivo, às vezes falha. E ele acaba se concluindo de uma forma também esquisita, demonstrando que a condução da história se perde perto do desfecho. Ainda assim, finda a sessão, fica-se com o belo trabalho de Pfeiffer e a sua interessante personagem, uma figura que consegue transcender – um pouco – o próprio subgênero “filme de problemas de gente rica”, e não se engane, esse subgênero existe, sim. Às vezes, as pessoas mais esquisitas são mesmo as mais marcantes.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...