Os ricos realmente vivem num mundo à parte… E parece que o filme French Exit também veio de um mundo à parte. O longa dirigido por Azazel Jacobs e roteirizado por Patrick deWitt – baseado em seu próprio romance – traz Michelle Pfeiffer e Lucas Hedges como mãe e filho ricaços às voltas com pessoas estranhas e um gato que pode ou não ter algo de sobrenatural a seu respeito. É um filme esquisitinho e que se deleita na própria esquisitice, mas que também traz um trabalho de personagem interessante o suficiente para manter o espectador com um sorrisinho de canto de rosto por uma parte da sua duração.

Pfeiffer vive uma socialite de Nova York chamada Frances Price. Um dia, ela descobre que está falida: as contas bancárias secaram após a morte do seu marido, alguns anos antes, e ela pensava que morreria antes do dinheiro acabar. Mas a falência dos ricaços é diferente da do resto de nós, mortais: Frances aceita a oferta muito legal de uma amiga generosa para ficar num apartamento em Paris. Sem pagar aluguel. Ela então pega seu filho, um jovem sem rumo chamado Malcolm (Hedges, coitado, só faz papel de desanimado) e viaja para a capital francesa, com um gato a tiracolo… No caminho, encontram uma vidente, uma senhora que mantém um interessante objeto congelado em seu freezer, um detetive… E o tal gato se perde… E tem a noiva de Malcolm, Susan (Imogen Poots)… E só de tentar rememorar um pouco da trama já me vejo de volta àquele mundo estranho do 1%, seus problemas emocionais e seus bichos de estimação sobrenaturais.

Se há um motivo para se assistir a French Exit, é Michelle Pfeiffer.  A atriz aqui é dona do filme, de todas as cenas em que aparece. Ela consegue dotar a Frances de uma humanidade até comovente que vai emergindo aos poucos durante a trama, e ainda por cima está bem engraçada. É realmente um trabalho completo de atuação, que diverte e até comove, mesmo que o filme ao redor dela nunca se arrisque muito além da vibe melancólica “Wes Anderson light, sem a simetria”. Pfeiffer é vivaz, mesmo gelada, e torna o filme mais vivo. Como, por exemplo, na ótima cena em que Frances coloca um garçom francês metido no seu devido lugar, começando um pequeno fogo na sua mesa… É uma das melhores cenas do filme, e uma que ressalta o quanto aquela personagem e o seu mundo estão distantes da realidade, e o quanto a performance da atriz é essencial em fundamentá-la, não deixá-la virar uma simples caricatura.

OS ESQUISITOS SÃO OS MAIS MARCANTES

Além de Pfeiffer, também merecem destaque no elenco Danielle Macdonald como a vidente que forma uma estranha relação com aquela mãe e filho, e Valerie Mahaffrey como a impagável madame Reynard, outra personagem que não parece viver no planeta Terra.  Completando o elenco, o dramaturgo, ator e roteirista Tracy Letts dubla o gato em algumas cenas – não perguntem… Hedges é o elo fraco, mais pelo personagem do que pelo desempenho do ator – mas não faz mal ele pensar, sim, em dar uma sacudida na carreira, mudar de agente, ou ambos, porque seus papeis repetitivos já estão começando a cansar. Enfim, Malcolm é concebido de modo tão inexpressivo que acaba sendo um nada pela maior parte da história, e quando a noiva dele aparece em Paris o espectador até se pergunta “uai, por quê?”. Se a intenção do roteiro era dotar esse personagem de um arco ou de usar seu crescimento como a força emocional do filme, então falhou terrivelmente.

É curiosa a experiência de se assistir a French Exit, porque ele alternadamente mostra ou apresenta personagens estranhos, para depois querer encontrar humanidade neles além da esquisitice. Às vezes o filme alcança esse objetivo, às vezes falha. E ele acaba se concluindo de uma forma também esquisita, demonstrando que a condução da história se perde perto do desfecho. Ainda assim, finda a sessão, fica-se com o belo trabalho de Pfeiffer e a sua interessante personagem, uma figura que consegue transcender – um pouco – o próprio subgênero “filme de problemas de gente rica”, e não se engane, esse subgênero existe, sim. Às vezes, as pessoas mais esquisitas são mesmo as mais marcantes.

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...