Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. Memória dos Pássaros. Viva – A Vida é uma Festa.

Esses são alguns exemplos de como o cinema aborda a questão da memória. O assunto desperta curiosidade pelo seu teor de desconhecimento, afeto e cientificidade; fatores que salientam também a criatividade dos cineastas quanto ao tema. Esse é o caso de “Fruto da Memória”, longa-metragem de estreia do grego Christos Nikou.

O diretor, que tem no currículo a assistência de direção de “Antes da Meia-Noite”, de Richard Linklater, e “Dentes Caninos”, nos mergulha mais uma vez no pensamento fora da caixa do cinema grego, popularizado nos últimos anos por Yorgos Lanthimos. Nessa produção em específico, somos ambientados a um mundo acometido por uma pandemia de amnésia. Assim como em “Ensaio sobre a Cegueira”, ninguém sabe como ela é transmitida e nem como curá-la; acompanhamos, então, a jornada de Aris (Aris Servetalis) para se adaptar à nova realidade.

Desaparecer de Si

A cinematografia de Bartosz Swiniarski alinhada ao design de produção nos coloca em um mundo frio, pintado de tons pastéis e impessoal. Com exceção das maçãs – que dão nome ao filme em grego -, nenhum outro objeto ou local cria conexão entre o protagonista e sua jornada. Até porque isso é uma característica da personalidade da obra. Estamos diante de um filme que mostra de forma clara como a perda da memória nos faz desaparecer.

Em sua obra “Desaparecer de Si”, o antropólogo francês Le Breton mostra formas diferentes de como nos desvencilhamos de nós mesmos e criarmos uma cultura de apagamento e como, em certos casos, isso se torna uma libertação do esforço de ser si mesmo e de responsabilidades incômodas. Esse desaparecimento não cria laços, conexões ou empatia.  Aris parece se encaixar dentro dessa categoria.

Apatia generalizada

Sem ligações com o seu passado, o protagonista se inscreve no Programa “Aprendendo a Viver”, onde ganha uma nova identidade e passa a seguir recomendações médicas restritas de como recomeçar. O personagem é extremamente apático e isso prejudica de certa forma sua trajetória, visto que, em sua busca por entender os prazeres humanos e compreender os relacionamentos para, enfim, avançar na nova vida, Aris soa robótico e preso ao automático.

Para falar a verdade, essa apatia é a característica que dá o tom de “Fruto da Memória” e nos faz pensar sobre a nossa atual conjectura, além da discussão em torno do momento sociopolítico que passa a Grécia. Dentro desse contexto, a arte assume um papel crucial: o roteiro evidencia muitas vezes o quanto a arte é importante nesse período de perda de memória e de reafirmação cultural. Ela é utilizada como um refúgio e alicerce para a renovação de memórias.

A fotografia, por exemplo, ao mesmo tempo em que é posta como um tratamento também é uma maneira do protagonista buscar encontrar sua forma de expressão. Algo que apenas enfatiza seu desinteresse e indiferença. Tais elementos, contudo, reforçam a indagação em torno da maneira que enxergamos e levamos a vida e como o esquecimento nos atinge em esferas diferentes.

“Fruto da Memória“ é um filme lento e um tanto esquisito para quem está acostumado com o cinema europeu, no entanto, representa bem a atual produção grega, fato que saliente a necessidade de apreciá-lo enquanto uma reflexão das nossas vidas e o rastro que podemos deixar. Afinal, memória é sobre afeto, permanência e importância.

Um ótimo começo para Christos Nikou.

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...