Assistir ao novo “Ghostbusters – Mais Além” é uma experiência, no mínimo, nostálgica para quem viu os outros dois filmes da franquia. O longa se relaciona diretamente com as produções de 1984 e 1989, deixando de lado o longa de 2016 dirigido por Paul Feig e estrelado por um time feminino.

Jason Reitman (“Juno” e “Tully”) ocupa o lugar de direção que nos filmes anteriores foi de seu pai Ivan, então como ele mesmo diz “é um filme para família, feito em família”. Talvez por isso também seja notória a apropriação das piadas e a fácil conexão da narrativa com os filmes passados.

Em “Ghostbusters – Mais Além”, Callie Spengler (Carrie Coon) se muda para uma fazenda em uma cidade distante com os filhos Trevor (Finn Wolfhard) e Phoebe (McKenna Grace). Lá, eles começam a perceber que há algo estranho com o solo e vão em busca de pistas que acabam por revelar o legado e o misterioso segredo de Egon Spengler, personagem de Harold Ramis nos filmes dos anos 1980.

CONQUISTA DA GERAÇÃO ‘STRANGER THINGS’

Se os filmes originais investiam em um elenco mais adulto formado por Bill Murray, Dan Aykroyd, Ernie Hudson e Ramis, aqui, o predomina um time mais jovem com destaque para Mckenna Grace: intérprete de Phoebe, ela brilha como a neta de Spengler e consegue arrastar toda a família de volta ao mundo fantástico e assombroso do seu avô.

Junto com Poscast (Logan Kin), ela consegue trazer alívios cômicos para o longa, tornando “Ghostbusters – Mais Além” uma divertida comédia para toda a família. Completa o time dos novos caças-fantasmas Finn Wolfhard, conhecido por “Stranger Things”. A presença de Paul Rudd é outro acerto no elenco: ele consegue embarcar na aventura e deixar o filme engraçado e leve.

Mas o trinfo está mesmo em trazer de volta a presença de Bill Murray, relembrando o quarteto que atuou contra os fantasmas na década de 80. O respeito à memória do Dr. Egon Spengler (Harold Ramis) também é comovente. O filme traz várias referências que emocionam o público ao lembrar as atuações do quarteto e criar surpresas que comovem os fãs.

BOLA DENTRO DE REITMAN

“Ghostbusters – Mais Além” mergulha muito no universo da ciência e traz de volta as lutas com raios, maletas, mochilas de prótons e até mesmo a presença nonsense de fantasmas é capaz de nos fazer rir e sentir conectado com as produções anteriores. É possível que cheguem a virar o rosto, mas quem não gosta de um bom filme nostálgico?

Para quem chega agora, é uma experiência muito boa e agradável, mas para quem acompanha a franquia, certamente foi uma grande bola dentro de Jason Reitman.

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...