Amor, tesão e tragédia dão a tônica de “Great Freedom”, o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de época tem uma história pesada, mas, tocante e é ancorado na performance sublime de Franz Rogowski (“Victoria”, “Em Trânsito”), que o confirma como um dos melhores atores alemães em atividade.

Rogowski estrela o filme na pele de Hans, um homem preso repetidas vezes por manter relações sexuais com outros homens, durante a época em que a homossexualidade era ilegal na Alemanha. Indo e voltando no tempo, a produção o acompanha de 1945 (quando ele é transferido de um campo de concentração nazista para uma prisão civil) até 1969 (quando a lei que criminaliza sua orientação sexual é revogada). Entre suas várias passagens na cadeia, o que sobrevive é sua completa obstinação em viver a vida nos seus termos.

VERVE ÉPICA


Maise e seu colaborador habitual Thomas Raider escrevem uma história de resistência diante de um sistema desumano. O roteiro argumenta que pessoas como Hans andaram para que os gays das futuras gerações pudessem correr. Seu afeto era limitado a encontros furtivos, que aconteciam até ele ser flagrado e preso. Transas – ou até mesmo beijos – vinham com um alto custo e risco. Mesmo quando ele se apaixona, é tratado da mesma forma pelo aparato legal.

Rogowski o interpreta bravamente como um homem andando em uma corda-bamba. Por um lado, há uma calma no protagonista que vem da completa falta de culpa por seus atos. Por outro, há uma impotência irada diante dos maus-tratos a que ele e seus pares são submetidos. Quando dá vazão a ela, como na cena em que tem que lidar com um fato terrível envolvendo um prisioneiro que ele amava, por exemplo, é de partir o coração.

Através de coadjuvantes memoráveis, o longa explora facetas diferentes da homossexualidade – como o gay de ocasião, o gay atormentado, o gay negacionista, etc – mas seu foco é na jornada de Hans. Com 116 minutos, é certo que essa jornada poderia ter sido um pouco mais enxuta. Porém, o tempo extra acaba dando uma verve épica ao longa, com as várias fases da história da Alemanha compondo um complexo pano de fundo que comenta sobre a saga do protagonista.

INQUIETANTE SENTENÇA


Há o paralelo de que tanto a Alemanha nazista quanto a pós-guerra reservavam tratamento similar para gays (detenção). Há a mudança do comportamento dos parceiros de Hans, mais novos e logo criados com diferentes visões de mundo. E finalmente há um ponto incômodo sobre descriminalização da homossexualidade: com o sexo liberado, amor se torna um bem ainda mais escasso.

O título, tanto em alemão quanto em inglês, traduz-se como “Grande Liberdade”, algo que reverbera em vários níveis no filme de Maise. A grande liberdade para Hans, para além das paredes e da violência que o aprisiona, está em abraçar a dor e a delícia de ser o que se é independente das consequências. O desafio para ele, uma vez fora das grades, é conciliar esta liberdade com outras. Para quem só conhece a prisão, o lado de fora pode ser a mais inquietante sentença.

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...