Amor, tesão e tragédia dão a tônica de “Great Freedom”, o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de época tem uma história pesada, mas, tocante e é ancorado na performance sublime de Franz Rogowski (“Victoria”, “Em Trânsito”), que o confirma como um dos melhores atores alemães em atividade.

Rogowski estrela o filme na pele de Hans, um homem preso repetidas vezes por manter relações sexuais com outros homens, durante a época em que a homossexualidade era ilegal na Alemanha. Indo e voltando no tempo, a produção o acompanha de 1945 (quando ele é transferido de um campo de concentração nazista para uma prisão civil) até 1969 (quando a lei que criminaliza sua orientação sexual é revogada). Entre suas várias passagens na cadeia, o que sobrevive é sua completa obstinação em viver a vida nos seus termos.

VERVE ÉPICA


Maise e seu colaborador habitual Thomas Raider escrevem uma história de resistência diante de um sistema desumano. O roteiro argumenta que pessoas como Hans andaram para que os gays das futuras gerações pudessem correr. Seu afeto era limitado a encontros furtivos, que aconteciam até ele ser flagrado e preso. Transas – ou até mesmo beijos – vinham com um alto custo e risco. Mesmo quando ele se apaixona, é tratado da mesma forma pelo aparato legal.

Rogowski o interpreta bravamente como um homem andando em uma corda-bamba. Por um lado, há uma calma no protagonista que vem da completa falta de culpa por seus atos. Por outro, há uma impotência irada diante dos maus-tratos a que ele e seus pares são submetidos. Quando dá vazão a ela, como na cena em que tem que lidar com um fato terrível envolvendo um prisioneiro que ele amava, por exemplo, é de partir o coração.

Através de coadjuvantes memoráveis, o longa explora facetas diferentes da homossexualidade – como o gay de ocasião, o gay atormentado, o gay negacionista, etc – mas seu foco é na jornada de Hans. Com 116 minutos, é certo que essa jornada poderia ter sido um pouco mais enxuta. Porém, o tempo extra acaba dando uma verve épica ao longa, com as várias fases da história da Alemanha compondo um complexo pano de fundo que comenta sobre a saga do protagonista.

INQUIETANTE SENTENÇA


Há o paralelo de que tanto a Alemanha nazista quanto a pós-guerra reservavam tratamento similar para gays (detenção). Há a mudança do comportamento dos parceiros de Hans, mais novos e logo criados com diferentes visões de mundo. E finalmente há um ponto incômodo sobre descriminalização da homossexualidade: com o sexo liberado, amor se torna um bem ainda mais escasso.

O título, tanto em alemão quanto em inglês, traduz-se como “Grande Liberdade”, algo que reverbera em vários níveis no filme de Maise. A grande liberdade para Hans, para além das paredes e da violência que o aprisiona, está em abraçar a dor e a delícia de ser o que se é independente das consequências. O desafio para ele, uma vez fora das grades, é conciliar esta liberdade com outras. Para quem só conhece a prisão, o lado de fora pode ser a mais inquietante sentença.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...