Nos últimos anos, temos visto na época de premiações do cinema, a condecoração de atores que interpretaram personagens históricos. Foi assim com Rami Malek, no último ano, por seu papel como Freddie Mercury (“Bohemian Rhapsody”); Eddie Redmayne e seu Stephen Hawking (“A Teoria de Tudo”) e até mesmo Meryl Streep que, entre tantas indicações, levou a estatueta na década passada por sua interpretação de Margaret Thatcher (“A Dama de Ferro”). Por que a Academia gosta tanto de cinebiografias? Ainda é uma pergunta que, para mim, precisa ser estudada.

Um lado positivo, no entanto, das apostas nesse gênero é a oportunidade de conhecermos novas narrativas e figuras emblemáticas. No Oscar de 2020, por exemplo, entre as indicadas a melhor atriz, tivemos Renée Zellweger como Judy Garland, Charlize Theron como a jornalista Megyn Kelly e, finalmente, Cyntia Erivo, intérprete de Harriet Tubman, personagem-titulo desta cinebiografia dirigida por Kasi Lemmons (“Amores Divididos”, “Visões de um Crime”).

A narrativa cobre uma parte da vida desta símbolo de resistência e heroísmo na história abolicionista norte-americana. Infelizmente, “Harriet” não consegue honrar sua figura icônica. Lemmons apela para elementos melodramáticos e clichês muito utilizados em outras produções do gênero quanto em obras sobre este período sombrio da história dos EUA – “12 Anos de Escravidão”, por exemplo, não sai da mente do público durante a 2h05 de duração.

Os caminhos equivocados de “Harriet”

Diálogos excessivamente dramáticos e artificiais, trilha sonora onipresente, um vilão caricatural vivido por oe Alwyn (“A Favorita”, “Duas Rainhas”) são algumas das armadilhas dos clichês de cinebiografias em que “Harriet” acaba por cair. Por conta dessas escolhas equivocadas de Kasi Lemmons, a discussão principal da história fica pelo caminho.

Toda a narrativa em torno da luta abolicionista, a crítica a escravidão e a liderança de Tubman na Guerra Civil – elementos importantíssimos na trajetória da figura real – ficam esquecidas em prol de uma trama que prefere manter-se na zona de conforto e utilizar seus três atos para mostrar uma mulher em processo de autodescobrimento – algo, aliás, infelizmente, comum nas cinebiografias de personagens femininas.

Desta forma, “Harriet” ganha contornos datados, envelhecendo precocemente em vez de gerar a emoção pretendida.

A força de Cyntia Erivo

Por isso, cabe a Cyntia Erivo ser o grande destaque de “Harriet”. Ela consegue fazer com eficácia a transição entre a jovem amedrontada e ingênua, apresentada no primeiro ato, para a mulher madura que impõe liderança e escolhe a liberdade acima de qualquer coisa. Por meio de seu olhar e postura, Erivo transmite do pânico à coragem, deixando nítido o processo de amadurecimento que passa a ativista. Com um rosto muito expressivo, seus silêncios falam muito mais do que os todos diálogos melodramáticos. E esses momentos são tão bons quanto o canto da atriz.

Em um dos poucos momentos criativos de Lemmons, as canções servem de comunicação entre Harriet e seu povo, sendo o elemento da conexão e empatia com o público. É válido lembrar que Erivo compôs as canções ao lado de Terence Blanchard, responsável pela trilha sonora. As letras mostram seus sentimentos e conseguem resumir a grande vida que Tubman teve. Ao unir seus dois talentos, a atriz consegue transformar Harriet na mulher admirável que Lemmons quis ressaltar, mas se perdeu pelo caminho.

Ao se pautar nas convenções já estabelecidas de cinebiografias, Kasi Lemmons perde a oportunidade de ter uma leitura mais profunda sobre o abolicionismo e, dessa forma, de apresentar nuances diferenciadas que pudessem destacar a força e importância de uma mulher como símbolo de liberdade. Ao menos, “Harriet” foi bem representada.

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Al Pacino

Al Pacino.   Só de falar esse nome dá vontade de fazer uma reverência, afinal, se trata de uma das maiores lendas da história do cinema. A Academia, entretanto, não teve a melhor das relações com o ator e, apesar das nove indicações, ele venceu apenas uma vez.  Neste...

Oscar 2022 de Melhor Direção: Previsões Iniciais

De Steven Spielberg a Kenneth Branagh, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Direção. https://www.youtube.com/watch?v=k7yCO2R6RIs CHANCES MÍNIMAS  Já que iniciei falando de mulheres na direção, algumas delas parecem bem distantes da...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Kate Winslet

De "Razão e Sensibilidade" a "Steve Jobs", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Kate Winslet no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=nfP509-GoY0&t=249s 7. IRIS  Em 2002, a Kate Winslet disputou melhor atriz coadjuvante por “Iris”.  No...

Oscar 2022 de Melhor Ator: Previsões Iniciais

De Clint Eastwood a Will Smith, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Ator.  https://www.youtube.com/watch?v=3R1FHc5qXlI CHANCES MÍNIMAS    Tem muita gente sem grandes chances no Oscar 2022 de Melhor Ator. Quatro...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Frances McDormand

A Katharine Hepburn pode ser a maior vencedora do Oscar de Melhor Atriz com quatro estatuetas, porém, a Frances McDormand detém um recorde incrível: 100% de aproveitamento na categoria com três indicações e três vitórias.   Ela ainda soma outras nomeações em atriz...

Oscar 2022 de Melhor Atriz: Previsões Iniciais

De Rachel Zegler a Lady Gaga e Kristen Stewart, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Atriz.  https://www.youtube.com/watch?v=IwUGzahLr6c CHANCES MÍNIMAS     Apesar dos muitos elogios a elas, três candidatas parecem...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Leonardo DiCaprio

De "Gilbert Grape" a "Era uma vez em Hollywood", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Leonardo DiCaprio no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=zjIqnog1h8Y 6. O REGRESSO  Igual fiz com o Martin Scorsese, começo com o desempenho que valeu o...

Museu da Academia em Los Angeles abre e promete passeio cinéfilo inesquecível

Chegou o dia: o Museu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas está aberto para todo o público em Los Angeles. A cerimônia de inauguração aconteceu nesta quinta-feira, 30 de setembro, na The Walt Disney Company Piazza. O passeio promete ser parada obrigatória...

Oscar 2022 de Melhor Filme: Previsões Iniciais – Parte II

Angelina Jolie, Clint Eastwood, Nicole Kidman, Paul Thomas Anderson, Guillermo del Toro e Lady Gaga estão na segunda parte das previsões iniciais do Cine Set para o Oscar 2022 de Melhor Filme.  https://www.youtube.com/watch?v=GIHfiW9th-A CHANCES MÍNIMAS  Três filmes...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Anthony Hopkins

De "O Silêncio dos Inocentes" a "Meu Pai", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Anthony Hopkins no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=02BMDi_x_3Y 6. AMISTAD  Em 1998, o Anthony Hopkins foi indicado a Melhor Ator Coadjuvante por “Amistad”. ...