Aclamado pela crítica e público, Ryan Murphy provou ao longo de 10 anos que o sucesso de ‘Glee’ não foi ocasional. Além de colecionar Emmys e espectadores fiéis, o showrunner também deixou seu estilo de narrativa marcado nas séries e ‘Hollywood’ consolida este cenário ainda mais. Sendo uma verdadeira homenagem ao cinema americano na década de 1940, a produção em exibição na Netflix recria o visual da época com perfeição, porém, fantasia excessivamente nas histórias de seus personagens, o que nem sempre é negativo, mas, nesse caso, não é suficiente para manter a trama interessante. 

O ano é 1948 e diversos jovens estão desembarcando em Los Angeles na esperança de viver o sonho hollywoodiano. Entretanto, para se tornar alguém na indústria, os aspirantes precisam sobreviver na cidade e fazer bons contatos. É assim que o ex-soldado Jack Castello (David Corenswet) passa a se prostituir enquanto tenta estrear como ator. Pelo caminho ele conhece Archie Coleman (Jeremy Pope), um roteirista negro e gay, o diretor Raymond Ainsley (Darren Chris) e a influente Avis Amberg (Patti LuPone). 

Apesar de possuir uma grande quantidade de personagens, os roteiros conseguem aproximar todos na intenção de fazer o filme ‘Meg’ ser rodado com uma protagonista negra. Como principal linha condutora da narrativa, Castello é um galã tradicional: sobreviveu à guerra, trabalha para sustentar a família e seu sonho. Entretanto, mesmo o mais básico dos personagens consegue ter bons momentos como o diálogo com Avis no primeiro episódio, o qual mostra a grande homenagem ao cinema que “Hollywood” propõe. 

Nem drama, nem comédia 

Logo de cara, a produção nos apresenta esquemas verídicos de prostituição, tudo visto de forma cômica. Caso um tom dramático fosse explorado, suas tramas se tornariam bem mais convincentes. Um elemento que marca muito essa visão cotidiana sobre temáticas mais sérias é a trilha sonora, sempre remetendo à década de 1940 e dando uma leveza desnecessária para momentos mais tensos. 

Essa escolha pelo humor não apenas deixa diversas falhas no roteiro como também prejudica seus personagens. Um claro exemplo disto é a história de Rock Hudson: como uma das personalidades reais sendo retratada na série: a trajetória do astro de “Assim Caminha a Humanidade” não ganha a dramaticidade necessária apesar de existir um maior direcionamento para tal. Mesmo parecendo inocente, o humor como subterfúgio acaba sendo cansativo e não contribui para aumentar o carisma de seus personagens. 

A dificuldade dos personagens se relacionarem com o público é unicamente atribuída ao roteiro, pois o elenco selecionado se destaca positivamente. É claro que as veteranas LuPone, Queen Latifah e Holland Taylor dominam diversas cenas, mas a grande surpresa vai para o Henry Wilson, de Jim Parsons. Seu personagem se adequa bem tanto para o drama quanto a comédia e, mesmo sendo o vilão em diversos cenários, é fácil de entender sua importância para a trama, tornando suas cenas grandes momentos entre os episódios.   

Hollywood segundo Ryan Murphy 

Nos figurinos e cenários, “Hollywood” acerta perfeitamente. Desde os uniformes até as locações como cinemas da época, tudo remete ao brilhantismo de Hollywood como a terra das oportunidades. Aqui é possível dissociar do recente ‘Era Uma Vez em Hollywood’ na importância de fazer o público vivenciar seus acontecimentos. Assim como o longa de Tarantino, ‘Hollywood’ também apresenta seu final alternativo para muitas histórias conhecidas, porém, com muitos exageros. 

Ao escolher retratar algumas personalidades reais, Ryan Murphy comete excessos como um sonhador em uma Hollywood tão distante do ideal. Exemplo disto é a carreira de Rock Hudson, a qual sempre foi acompanhada de boatos sobre sua homossexualidade, o que existe na série, mas recebe um tratamento muito mais positivo. 

Apesar de contar com um desfecho muito distante da realidade, a série em nenhum momento esconde sua intenção de fantasiar sobre aspirantes oprimidos em Hollywood alcançando seus sonhos. O único problema disso é que somado a falta de dramaticidade, parece tudo muito fácil de ser alcançado, de forma quase superficial. É claro que as dificuldades estão ali, mas o foco da série vai justamente para o triunfo de negros, gays e mulheres, deixando claro a assinatura de seu showrunner. 

Ao abordar questões de gênero, raça e sexualidade, ‘Hollywood’, retrata o cinema americano de forma muito mais inclusiva e positiva. Se caso possuísse maior densidade, a série poderia chegar a ser uma ‘American Crime Story’ ou mesmo ‘Feud’, mas já podemos agradecer por não ser uma ‘Scream Queens’, ou seja, mesmo sem explorar devidamente seus personagens, a produção é mais um trabalho convencional de Ryan Murphy. 

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...