Crescer é difícil e ainda mais quando se está no showbiz… O ator Shia LeBeouf se destacou e ficou famoso muito cedo, trabalhando em seriados da Disney que levaram a papéis no cinema. Então vieram os três primeiros filmes da franquia Transformers, dirigidos por Michael Bay, que o transformaram em astro internacional, e a sua participação no aguardado quarto filme de Indiana Jones, dirigido por Steven Spielberg.  Depois, o cara começou a ficar estranho, aparecendo com um saco de papel na cabeça no Festival de Berlim em 2014 – ele chamou isso de “arte performática”. Um curta que fez foi acusado de plagiar uma HQ do famoso autor Daniel Clowes. Boatos sobre uso de drogas e problemas de relacionamento com colegas de cena começaram a acompanhar o ator.

Justamente nesse período, LaBeouf meio que se reinventou, se distanciando dos blockbusters e se mostrando um ator bem interessante com bons trabalhos em filmes desafiadores como Ninfomaníaca (2013), de Lars von Trier, e Docinho da América (2016), de Andrea Arnold. Porém, em 2017, ele foi preso por embriaguez e desordem pública. Foi condenado a um ano de condicional e obrigado a fazer terapia, onde foi diagnosticado com Transtorno de Stress Pós-Traumático.

Agora, em Honey Boy: O Preço do Talento, LaBeouf se expõe como artista ao roteirizar uma dramatização da sua vida e seus problemas, com a ajuda da diretora Alma Har’el. Honey Boy se inicia com efeitos sonoros bem parecidos com aqueles dos robôs Transformers enquanto os créditos de abertura aparecem. E então conhecemos Otis, interpretado por Lucas Hedges, de Manchester à Beira-Mar (2016). Ele trabalha num filme cheio de explosões e o vemos suspenso por cabos, usando drogas com a namorada e causando um acidente de carro. É enviado para reabilitação e terapia, na qual relembra a problemática relação com seu pai, que tomou conta dele praticamente sozinho durante a infância de Otis.

NOSTALGIA E OS SEUS FANTASMAS

Nas cenas do passado, o próprio LaBeouf interpreta a versão de seu pai, James. A sua versão infantil, o pequeno Otis, é vivido por Noah Jupe, revelado pelo muito bom Anos 90 (2018), dirigido por Jonah Hill.  As cenas entre LaBeouf e Jupe, convivendo num motel decrépito de beira de estrada, são a alma do filme. A câmera de Har’el filma esses momentos de maneira inquieta, sempre em movimento, ressaltando a tensão do relacionamento entre os dois. Jupe, de novo, entrega uma ótima atuação – o garoto é um nome para se ficar de olho no futuro. E LaBeouf canaliza o próprio pai com assombro e nervosismo – há uma cena no meio do filme, durante uma reunião de James no AA, na qual LaBeouf emociona com um tocante discurso. Num filme tão pessoal para ele, o ator entrega provavelmente a sua melhor atuação até o momento.

Essas cenas são tão boas que “Honey Boy” sofre uma queda sempre que retorna para o tempo presente. As cenas com o Otis adulto, na terapia, são clichês e sem força, apesar dos esforços de Hedges e de Laura San Giacomo (andava sumida!), que faz a terapeuta. Aqui é onde também começam a aparecer uns floreios meio “poéticos” e tiques que já viraram comuns em dramas indies do cinema norte-americano – em dado momento, Otis segue uma galinha até o seu velho motel, e com certeza a galinha representa um simbolismo, embora um não tão efetivo ou profundo quanto os realizadores do filme pensam…

Honey Boy poderia descambar para um ato de autocomiseração ou, o que seria até pior, um tipo de pedido de desculpas velado – o show de um babaca de Hollywood se desculpando por suas babaquices porque teve um pai ruim e uma infância problemática. Mas, graças à condução de Har’el e à visão do roteirista LaBeouf, Honey Boy escapa disso.

Ao final, percebemos até que, apesar de tudo, o roteirista ainda tem carinho por seu pai, e que LaBeouf de certa forma exorciza alguns demônios com esse filme. Não chega a ser um grande filme, mas sempre que LaBeouf e Jupe dividem a cena, ele alça voo.  É graças a eles que temos no filme uma história humana, contada por alguém sem medo de expor, ou às suas feridas. E isso, muitas vezes, gera arte que vale a pena apreciar.

‘Depois a Louca Sou Eu’: divertido estudo sobre a saúde mental

Poderia classificar “Depois a louca sou eu” como um retrato da geração contemporânea: volúvel, angustiada e buscando formas de conviver com seus próprios traumas. A produção dirigida por Julia Rezende ("Coisa Mais Linda", "Ponte Aérea"), inspirada no livro homônimo de...

‘Ski’: manifesto social fragmentado e irreverente

"Ski", de Manque La Banca ("T.R.A.P" e "Grr"), é uma viagem ao coração obscuro que existe por trás das empreitadas remotas e luxuosas. A co-produção Argentina-Brasil, que estreou na mostra Forum da Berlinale deste ano, mistura as estéticas de documentários, vídeos...

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...