Não é muito comum vermos filmes norte-americanos mostrando a pobreza nos Estados Unidos – e não se engane, ela existe. Indústria Americana se inicia com cenas de inverno e uma paisagem desolada. Uma legenda nos informa que estamos em 2008, ano em eclodiu a maior crise do capitalismo desde a quebra da bolsa de Nova York em 1929. Vemos uma fábrica da General Motors sendo fechada na cidade de Dayton, no Estado de Ohio, levando milhares de pessoas da região ao desemprego imediato.

Este documentário, dirigido por Steven Bognar e Julia Reichert e realizado pela produtora do casal Barack e Michelle Obama para a Netflix, acompanha a retomada da fábrica alguns anos depois, entre 2015 e 2017, quando ela foi reaberta e assumida por investidores chineses da empresa Fuyao. Vemos o anúncio e a abertura da fábrica, dedicada à produção de vidros para automóveis, cercados de pompa e entusiasmo. Porém, logo começam a surgir os entraves, digamos, culturais, entre os povos.

Os norte-americanos passam a se admirar com a disciplina e o amor quase religioso (e exagerado) dos chineses pela empresa em que trabalham. Já os chineses não se preocupam muito com segurança no trabalho, o impacto ambiental da fábrica, e acham que os norte-americanos trabalham pouco e ainda por cima não fazem hora extra. Numa cena engraçada, vemos alguns supervisores norte-americanos da fábrica indo à China fazer um treinamento: enquanto os chineses se apresentam sempre arrumados, de terno, e comedidos, os americanos estão acima do peso (claro), com barba por fazer e até usando camisetas, uma delas do filme Tubarão (1975).

Os chineses também não querem nem saber de sindicato por perto – e a luta dos trabalhadores e do sindicato por melhores condições no terço final do filme conduz a narrativa. O tema é interessante e a abordagem do documentário também. Bognar e Reichert se esforçam para dar voz aos dois lados da situação, e conseguem, fazendo de Indústria Americana um olhar equilibrado sobre o tema. O filme não tem uma veia irônica, estilo Michael Moore. Os chineses, apesar da sua gana capitalista, não são mostrados como vilões; nem o sindicato é mostrado como a “última esperança” dos trabalhadores.

TRISTE RELATO DO CAPITALISMO

Os diretores fixam o olhar num interessante “outro lado da moeda” proporcionado pela globalização: durante muito, tempo indústrias norte-americanas se estabeleceram em outros países e impuseram, às vezes com arrogância, a sua visão capitalista e de produção – nós, brasileiros, bem sabemos disso. Agora é a vez de eles experimentarem esse processo, e no seu próprio território. E Riechert e Bognar deixam as imagens e as pessoas em foco contarem essa história. Não há narração e a montagem é fluida, quase sempre, o que mantém nosso envolvimento – embora o filme gaste um tantinho razoável de tempo mostrando as tradições chinesas, algumas meio bizarras, na viagem ao país.

No geral, Indústria Americana é um documentário muito bem produzido, com um trabalho muito inteligente de montagem, e também de trilha sonora, que ajudam a manter a atenção do espectador. Aborda com inteligência o tema da divisão: no fundo, os povos não são tão diferentes assim, e o capitalismo os aproxima e os afasta ao mesmo tempo. O fato dos Obama estarem envolvidos na produção não influencia no resultado final, que se mostra bastante equilibrado – e o filme não deixa de servir como um pequeno ponto de reflexão para quem achou o governo Obama decepcionante

Ao final, o que fica é uma ponta de tristeza pelo estado atual do capitalismo, no qual trabalhadores ganham pouco, trabalham em condições problemáticas e são vistos como meras ferramentas de produção, enquanto empresas e países colhem os frutos. Trata-se da mesma velha história, agora em escala amplamente globalizada. Ao que parece, nem os EUA estão mais imunes a isso.

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Viola Davis e Renée Zellweger

De "O Diário de Bridget Jones" a "A Voz Suprema do Blues", Caio Pimenta analisa da pior à melhor indicação da carreira de Viola Davis e Renée Zellweger. https://youtu.be/nRan4CesJTQ 4. JUDY  A indicação mais fraca da carreira de Renée Zellweger foi justamente a que...

Oscar 2022: O Impacto do Globo de Ouro e das indicações ao SAG

Caio Pimenta analisa como fica a corrida do Oscar 2022 com os resultados do Globo de Ouro, as indicações ao SAG e a revelação das pré-listas do Bafta. https://www.youtube.com/watch?v=gBdDE53f-HY GLOBO DE OURO  O prêmio da Associação de Imprensa Estrangeira em...

SAG 2022: Previsões Finais dos Indicados

Caio Pimenta traz as previsões para as indicações ao SAG 2022, o prêmio do Sindicato dos Atores dos EUA; divulgação será no dia 12 de janeiro. https://youtu.be/VqeURXvkXRg MELHOR ATRIZ COADJUVANTE  A corrida por Melhor Atriz Coadjuvante traz quatro nomes definidos e...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de John Ford

De "O Delator" a "Depois do Vendaval", Caio Pimenta analisa da pior à melhor indicação da carreira de John Ford. 5. DEPOIS DO VENDAVAL  “Depois do Vendaval” foi a última indicação da carreira do Ford e rendeu a ele o recorde de vitórias da categoria.  A quarta...

Oscar 2022: Previsões das Indicações – Virada do Ano

Caio Pimenta aponta quais serão os indicados ao Oscar 2022 em Melhor Filme, Direção, Ator, Atriz, Coadjuvantes, Roteiros Adaptado e Original, Animação e Filme Internacional. https://www.youtube.com/watch?v=ai0PLy0HXeE ROTEIROS  Começamos com Roteiro Adaptado, onde...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de James Stewart

De "A Mulher Faz o Homem" a "Anatomia de um Crime", Caio Pimenta analisa da pior à melhor indicação da carreira de James Stewart. https://www.youtube.com/watch?v=ZmSCAyOB_x4 5. MEU AMIGO HARVEY  A indicação mais fraca da carreira de James Stewart ao Oscar veio em...

Oscar: Os Filmes Natalinos que Disputaram o Prêmio

De ”A Felicidade Não se Compra” a “Klaus”, Caio Pimenta apresenta a lista dos filmes natalinos indicados na história do Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=mah6cVwm2kc O término da Segunda Guerra Mundial fez o Oscar se voltar para os esperançosos filmes natalinos...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Glenn Close

De "O Mundo Segundo Garp" a "Era uma vez um Sonho", Caio Pimenta analisa da pior à melhor indicação da carreira de Glenn Close. https://youtu.be/RMbZHUMUnU8 8. UM HOMEM FORA DE SÉRIE  Em 1985, a Glenn Close foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por “Um...

Oscar 2022: Previsões Finais para a Shortlist

Caio Pimenta faz as apostas de quais produções devem aparecer na aguardada shortlist do Oscar nas categorias de Melhor Filme Internacional, Documentário, Efeitos Visuais, Maquiagem e Penteado, Canção Original e Trilha Sonora....

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Amy Adams

De "Retrato de Família" a "Vice", Caio Pimenta analisa da pior a melhor indicação de Amy Adams ao Oscar, além da maior esnobada. https://www.youtube.com/watch?v=1lCZYK3nvFM 6. VICE  A última nomeação da Amy Adams é justamente a pior da carreira dela.  Em “Vice”, ela...