James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu toque e sua visão a histórias com formatos já consagrados no cinema, como o filme de serial killer com o primeiro Jogos Mortais (2004), o longa que o revelou; ou o filme de casa mal assombrada com Sobrenatural (2011) e os dois primeiros filmes Invocação do Mal, lançados em 2013 e 2016. Invocação do Mal foi tão bem sucedido que virou um fenômeno, ancorado por dois ótimos atores em papeis carismáticos e retomando a sensação gostosa de ser aterrorizado na sala escura com demônios e aparições, naquele estilo clássico da várias obras dos anos 1970.

E com o tempo, o filme originou até seu próprio “universo cinematográfico”, com diversos filmes derivados lançados nestes últimos anos. O “Conjuringverse”, como é chamado em inglês, com certeza funciona melhor dentro do estúdio Warner do que o universo dos super-heróis DC. Mesmo assim… Na hora de fazer o terceiro Invocação do Mal, Wan cedeu o posto de diretor, embora ainda permaneça no filme como produtor e autor do argumento. Talvez o medo da “maldição do terceiro filme”, de lançar um longa abaixo do nível dos dois primeiros, como tão frequentemente ocorre em Hollywood, tenha assustado Wan mais do que qualquer demônio.

Enfim, em Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio, retomamos o casal Warren, os demonologistas mais famosos do cinema, em mais uma história de arrepiar os cabelos “baseada em uma história real” com muitas aspas. É 1981 e a trama do filme se baseia no caso verídico de Arne Johnson, que cometeu um assassinato e alegou no tribunal, em sua defesa, que estava possuído por um demônio. Afinal, como o próprio Ed Warren (Patrick Wilson) afirma, se o tribunal reconhece Deus quando pede a alguém para jurar dizer a verdade sobre uma Bíblia, por que não reconheceria o demônio? Há uma certa lógica aí…

O longa já começa com o pé no acelerador enquanto acompanhamos Ed e Lorraine Warren (novamente, Wilson e Vera Farmiga) realizando o exorcismo de um garotinho. Porém, durante o violento ritual a entidade assume o corpo do jovem Arne (Ruairi O’Connor). Para evitar que Arne receba a pena de morte pelo seu crime posterior, os Warren começam uma investigação para salvá-lo, descobrindo com o tempo que uma maldição pode ter sido “plantada” de propósito sobre a família.

Bem, é preciso reconhecer que Invocação do Mal 3 tenta. É um filme esforçado. Ele tenta variar um pouco a fórmula dos dois primeiros, que se concentravam em casas assombradas e eram mais confinados. Nele, vemos o casal protagonista investigando e juntando as peças de um mistério, o que traz uma nova dinâmica e evita o filme se tornar uma mera repetição dos anteriores. E embora, claro, haja as tradicionais aparições demoníacas e jump scares na história, a produção tem também um antagonista mais pé no chão – bem, tanto quanto esse tipo de filme permite.

‘O PODER DO AMOR’ DE NOVO

Porém… Michael Chaves, o diretor da vez, não é nenhum James Wan. Chaves, realizador do pior filme do “Conjuringverse” até hoje, A Maldição da Chorona (2019), simplesmente não consegue orquestrar a tensão de modo tão hábil quanto Wan. Apesar de até extrair boas atuações do elenco, é um daqueles realizadores que se apega muito à computação gráfica, usando pixels e computadores para mostrar o que Wan provavelmente faria de modo mais simples e efetivo. Ainda assim, é preciso reconhecer que de Chorona para Invocação 3, Chaves avançou bastante.

O diretor também é sabotado um pouco pelo roteiro que se mostra inconsistente, principalmente, ao se aproximar do final. No último ato, a trama de Invocação do Mal 3 se revela bem boba, com as motivações da antagonista sendo mal explicadas, e toda a “parte real” da história, ambientada nos tribunais, sendo contada às pressas, talvez por receio de que o espectador quisesse questionar alguma coisa. O final do filme é bem fraco e apressado, repleto de jump scares e de cenas do reforço do amor entre o casal protagonista – sim, pela terceira vez o “poder do amor” faz diferença na trama.

As razões para o espectador continuar assistindo são, novamente, Wilson e Farmiga. A essa altura os dois já estão íntimos dos seus personagens, gostam de voltar a eles, e a química entre ambos já se encontra tão refinada que acaba sendo prazeroso apenas passar mais um tempo com o Ed e a Lorraine da ficção, e vê-los rir de uma piadinha sobre Elvis ou cuidar um do outro nos momentos de dificuldades. No cinema, às vezes se subestima a contribuição de atores e atrizes. Ora, se o “Conjuringverse” virou uma franquia de cinema sem data para acabar, isso se deve em grande parte a Wilson e Farmiga.

O que nos traz de volta a Wan. O DNA dele está no filme e ,talvez com ele no comando, a sua visão pudesse ter superado os problemas do roteiro. Talvez. Mas no fim das contas, é preciso julgar o filme que existe e não o que gostaríamos que tivesse existido, não é? Dentro do “Conjuringverse”, este Invocação do Mal 3 está longe de ser o pior exemplar, pois as presenças de Wilson e Farmiga fazem diferença. Ainda assim, ele é mais uma demonstração de que a franquia como um todo vem perdendo o gás há algum tempo. E não se pode negar que é um filme assombrado… pelo diretor que virou fantasma.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...