De duas coisas Jon Stewart entende: política norte-americana e comédia. Então, por que seu novo filme, “Irresistible”, é o autêntico pastel de vento cinematográfico, o tipo de filme que até tem potencial, mas você esquece cinco minutos depois dos créditos rolarem? Difícil compreender. O comediante, escritor e apresentador de TV, uma personalidade bastante admirada nos Estados Unidos por apresentar por anos o The Daily Show no qual debatia política com humor, estreou como diretor de cinema com o drama 118 Dias (2014), um filme que também tinha um enfoque político bastante forte. Com Irresistível, Stewart parecia estar em terreno mais confortável. Mesmo assim, seu filme falha tanto como sátira quanto como comédia.

Na história, Steve Carrell interpreta Gary, consultor político do partido Democrata que trabalhou na campanha de Hillary Clinton. “Irresistible” começa na eleição de 2016 e, de cara, Stewart nos mostra porque os democratas perderam: porque são elitistas, vivem em suas bolhas e perderam o contato com os eleitores. A rival de Gary é Faith (Rose Byrne), a sua arqui-inimiga republicana – a seu modo, tão surpresa com a vitória de Donald Trump quanto seu oponente… Um dia, Gary vê um vídeo viral de um sujeito na cidadezinha de Deerlaken, do Estado do Wyoming. Jack (Chris Cooper), fazendeiro, ex-militar e com a maior pinta de conservador, é filmado defendendo direitos de imigrantes na assembleia do município. Impressionado, Gary viaja até a cidade e decide coordenar a campanha dele para prefeito. O fato logo atrai a atenção dos republicanos, que enviam Faith para o lugar para trabalhar na campanha do candidato rival de Jack, e logo começa a disputa pela “alma da América”.

A ideia do filme é até interessante, mas, logo fica clara a condução preguiçosa da narrativa por Stewart – ele é também o roteirista. Todo mundo é caricatural e clichê: Gary é o típico estereótipo do elitista liberal, tornando possível a Carrell repetir alguns trejeitos de suas atuações anteriores – mesmo assim, sua atuação é responsável por algumas das risadas genuínas do filme. Aliás, é curioso como vários dos momentos cômicos não funcionam – oh, o café da cidadezinha não tem wi-fi! Que engraçado… E a cena do bilionário num traje quase robótico é tão constrangedora que poderia ter ficado no chão da sala de montagem. Além disso, a cidade é uma daquelas no estilo dos filmes de Frank Capra, onde todos são gente boa e adoravelmente ingênuos.

PROPOSITALMENTE RASO?

Mas mais do que caricatural, o filme parece acima de tudo… metafórico. A história de “Irresistible” não é só uma história, é uma metáfora para a confusão e a loucura do sistema eleitoral norte-americano, onde cada vez mais o que faz a diferença é o dinheiro, e menos as ideologias. Até aí, tudo bem, mas o diretor fica o tempo todo nos relembrando de que é uma metáfora, reforçando, como se fosse assim tão complicado para entender. Fica a impressão de que o tom do filme é raso de propósito, como se o diretor estivesse subestimando a inteligência do público, tratando-nos com a mesma condescendência com que vemos Gary e sua equipe tratando os habitantes da cidade.

Mas até aí o filme de Stewart ainda se segura, aos trancos e barrancos, como uma sátira política com algumas cenas engraçadas aqui e ali. E então chega uma reviravolta no terceiro ato que transforma “Irresistible” numa farsinha sem dentes, do tipo que não ofende ninguém, nem provoca indignação. É quase uma reviravolta estilo M. Night Shyamalan, que nos faz reavaliar toda a história, e de novo, percebe-se que foi concebida com boas intenções. Ela livra a cara de republicanos e democratas e coloca a culpa “no sistema” – pode até ser crível, mas é repisar o óbvio. É nesse final que o filme definitivamente desaba, com direito até, de novo, a volta da condescendência para com o público, com a personagem de Mackenzie Davis “explicando” a moral da história para nós.

Bem, em defesa de Jon Stewart, fazer comédia nunca é fácil, e combiná-la com sátira política é o tipo de coisa que já fez cineastas com mais experiência que ele tropeçarem e falharem. Ainda assim, não deixa de ser decepcionante perceber que o Jon Stewart cineasta ainda precisa comer muito arroz com feijão para se equiparar ao Jon Stewart debatedor político da TV.

‘O Diabo de Cada Dia’: quase um grande filme

Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de...

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...