Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e homossexual, prestigiado por presidentes como Juscelino Kubitschek e Getúlio Vargas e a Rainha Elizabeth, nunca deixou de ser quem era e, sem temor de retaliações, tinha verdadeiro amor ao carnaval (chegou a se fantasiar de mulher para desfilar em 1956) e indumentárias de extrema beleza.

Selecionado para a mostra competitiva do Festival de Gramado 2020 entre os curtas-metragens nacionais, o documentário “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé”, dirigido por Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra, mostra a mesma ousadia e provocação do seu personagem principal, aqui, presente como narrador da própria história em um resgate histórico de uma pesquisa brilhante feita por Uilton Dutra, Tais Noronha junto com os dois cineastas. Longe da tradicional linha de filme biográfico – já vista, inclusive, no evento gaúcho deste ano com “O Samba é Primo do Jazz” – a produção utiliza a trajetória do babalorixá para fazer paralelos pertinentes entre aquele Brasil e o desta era distópica através do corpo preto, do constante reacionarismo hipócrita e da necessidade de resistência para seguir existindo.

A construção visual do documentário é um show à parte, pois, coloca grande parte da força nas performances de Átila Bezerra. Da sequência inicial no antigo local onde Joãozinho da Goméa tinha seu terreiro como ao desfilar por uma feira no Rio de Janeiro ao lado de feirantes e compradores, a existência daquele corpo ali, destacado em planos detalhes, é fundamental não apenas para ajudar o espectador em uma identificação mais imediata do personagem, mas, também por continuar sendo um ato transgressor uma pessoa preta ocupar espaços, sendo o que ela é e o que quer ser. Isso se completa com a riqueza do material de acervo com as indumentárias utilizadas por Joãozinho, gerando momentos belíssimos. 

Paralelo a isso, “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé” deixa claro como os discursos conservadores de 60, 70 anos atrás repetem-se à exaustão para tentar calar a cultura e religião afro no Brasil e, consequentemente, os pretos e pretas. O editorial de uma rádio da época se opondo ao babalorixá com frases de efeito, levantando um falso alerta sobre os riscos da degradação da família, dos lares, da moral e, claro, da Pátria soam tão familiares aos feitos por pastores neopentecostais donos de extensos horários na televisão e no discurso do governo federal através da ministra Damares Alves, da pasta da Mulher, Família (sempre ela) e Direitos Humanos.

No fim das contas, Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra fazem de “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé” um projeto tão rico que tornam os 14 minutos de duração do documentário muito pouco para o tanto que tinham à disposição. Quem sabe um longa não seja o próximo passo?

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...

‘The Humans’: um jantar de Ação de Graças sobre ausências

“The Humans” é a adaptação da peça de teatro homônima de Stephen Karam, premiada com o Tony de melhor peça em 2016. A história serve de début para o dramaturgo como diretor de filmes. Nela acompanhamos o jantar de Ação de Graças de uma família no novo apartamento da...