Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e homossexual, prestigiado por presidentes como Juscelino Kubitschek e Getúlio Vargas e a Rainha Elizabeth, nunca deixou de ser quem era e, sem temor de retaliações, tinha verdadeiro amor ao carnaval (chegou a se fantasiar de mulher para desfilar em 1956) e indumentárias de extrema beleza.

Selecionado para a mostra competitiva do Festival de Gramado 2020 entre os curtas-metragens nacionais, o documentário “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé”, dirigido por Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra, mostra a mesma ousadia e provocação do seu personagem principal, aqui, presente como narrador da própria história em um resgate histórico de uma pesquisa brilhante feita por Uilton Dutra, Tais Noronha junto com os dois cineastas. Longe da tradicional linha de filme biográfico – já vista, inclusive, no evento gaúcho deste ano com “O Samba é Primo do Jazz” – a produção utiliza a trajetória do babalorixá para fazer paralelos pertinentes entre aquele Brasil e o desta era distópica através do corpo preto, do constante reacionarismo hipócrita e da necessidade de resistência para seguir existindo.

A construção visual do documentário é um show à parte, pois, coloca grande parte da força nas performances de Átila Bezerra. Da sequência inicial no antigo local onde Joãozinho da Goméa tinha seu terreiro como ao desfilar por uma feira no Rio de Janeiro ao lado de feirantes e compradores, a existência daquele corpo ali, destacado em planos detalhes, é fundamental não apenas para ajudar o espectador em uma identificação mais imediata do personagem, mas, também por continuar sendo um ato transgressor uma pessoa preta ocupar espaços, sendo o que ela é e o que quer ser. Isso se completa com a riqueza do material de acervo com as indumentárias utilizadas por Joãozinho, gerando momentos belíssimos. 

Paralelo a isso, “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé” deixa claro como os discursos conservadores de 60, 70 anos atrás repetem-se à exaustão para tentar calar a cultura e religião afro no Brasil e, consequentemente, os pretos e pretas. O editorial de uma rádio da época se opondo ao babalorixá com frases de efeito, levantando um falso alerta sobre os riscos da degradação da família, dos lares, da moral e, claro, da Pátria soam tão familiares aos feitos por pastores neopentecostais donos de extensos horários na televisão e no discurso do governo federal através da ministra Damares Alves, da pasta da Mulher, Família (sempre ela) e Direitos Humanos.

No fim das contas, Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra fazem de “Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé” um projeto tão rico que tornam os 14 minutos de duração do documentário muito pouco para o tanto que tinham à disposição. Quem sabe um longa não seja o próximo passo?

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...