Faltando um mês para o Natal, a Netflix já encheu seu catálogo de diversas produções para serem conferidas neste fim de ano. Nos longas-metragens, a grande maioria é apenas uma cópia natalina de outros longas do streaming, entretanto, a animação ‘Klaus’ mostra que é possível encontrar um bonito e delicado filme com toques de originalidade. Apesar de ser digno de elogios em diversos elementos, para mim, o principal feito da produção é possuir uma narrativa voltada ao Natal que ainda assim é relevante para qualquer outra época do ano. 

Desafiando essa grande dificuldade dos filmes inspirados no Natal, ‘Klaus’ adota uma narrativa simples e linear ao apresentar o protagonista Jesper (dublado por Rodrigo Santoro) sendo desafiado por seu pai a tornar a gélida Smeerensburg um exemplo no setor postal. Entretanto, os moradores da remota cidade possuem uma grande rivalidade entre clãs, o que dificulta o trabalho do carteiro, o qual cria uma saída criativa ao motivar o carpinteiro Klaus (Daniel Boaventura) a responder cartas de crianças com brinquedos. 

Sim, a história de Jesper é o famoso arquétipo de personagem que realiza um bem comum para seu próprio benefício e, ao final, as coisas mudam de figura. Neste campo de desenvolvimento de personagens, o melhor exemplo é realmente Klaus, pois, é interessante descobrir quais motivações pessoais leva o sujeito a abarcar na proposta de Jesper. Além disso, o carpinteiro também apresenta a parte mais fantasiosa da história, a qual não se distancia totalmente da realidade de pessoas que sentem a presença de um ente querido mesmo em sua ausência. 

Fechando o trio protagonista, a professora Alva (Fernanda Vasconcellos) apesar de ser restrita a uma pequena participação, também possui uma grande e simbólica história. Mesmo com a ótima participação de J.K. Simmons na dublagem original, ressalto o grande trabalho do elenco brasileiro, o qual consegue ser até mais divertido e criativo que o americano em diversos momentos do longa. 

Além dos personagens, a simplicidade também é levada por todo roteiro: os 90 minutos são bem distribuídos entre apresentação de trama, desenvolvimento do enredo, problemática, parte melancólica, plot twist e desfecho feliz. Aqui, o grande diferencial é realmente a história criada e como ela insere aos poucos os elementos voltados para a temática natalina. 

“Um ato gentil de verdade sempre gera mais gentileza” 

 

Mesmo se sustentando com uma bela técnica de animação 2D e uma boa proposta de enredo, ‘Klaus’ não esquece seu propósito natalino. A inserção dos elementos que criam a mitologia em torno do Papai Noel é feita de forma paciente e até um pouco óbvia, permitindo seu público revisitar lembranças pessoais sobre a data comemorativa a medida que a trama avança. 

A grande beleza do ato de bondade de Klaus e Jesper é seu resultado em toda cidade com a diminuição de rivalidades e a reativação da escola. Novamente, em tempos de extremismo político e ideológico por tantos países, uma animação que dialoga bem com o público infantil mostra alternativas a tais embates. Tudo isto é representado a partir de uma belíssima estética, que verdadeiramente marca uma carreira promissora para Sergio Pablos como diretor após tantos anos trabalhando com animações. 

Em linhas gerais, ‘Klaus’ é um grande filme e ótima escolha de primeiro longa original de animação da Netflix, inclusive, uma produção como este vale muito mais que a trilogia ‘Príncipe do Natal’ e mostra onde o streaming realmente deveria apostar para se manter à frente da concorrência. Assim, seja por sua grande história ou pela inovadora abordagem do Natal eu repito: ‘Klaus’ é um filme natalino para ser assistido o ano todo. 

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...