‘La Casa de Papel’ é um grande sucesso de público na Netflix pelo quarto ano seguido e, assim como anteriormente, continua a apresentar múltiplos problemas estruturais. Confirmando tudo que eu já falei sobre a produção aqui no Cine Set, a quarta temporada repete a bagunça nos roteiros, a dificuldade em estabelecer narrativas a longo prazo e continua a se apoiar na dinâmica entre seus personagens como principal argumento. Ainda assim, é preciso admitir: o que falta em coesão sobra em criatividade.

LEIA TAMBÉM: Crítica: “La Casa de Papel” – Primeira e Segunda Temporada

Desta vez, “La Casa de Papel” volta com o assalto ao Banco da Espanha em um momento em que tudo está dando errado para os anti-heróis. Professor (Álvaro Morte), como líder do grupo, precisa lidar com a suposta morte de Lisboa (Itziar Ituño) e a possível perda de Nairóbi (Alba Flores) durante o roubo. Como se isso não bastasse, a liderança de Tóquio (Úrsula Corberó) sobre Palermo (Rodrigo De la Serna) gera conflitos pessoais entre o grupo e revela o refém Gandía (José Manuel Poga) como grande rival dos atracadores.

Neste rápido apanhado da temporada, já é possível perceber que há muitas histórias sendo contadas dentro dos escassos oito episódios. Assim, quando a narrativa começa a perder fôlego ou precisa dar uma explicação mais concreta, a trama avança sem que o espectador perceba todos os furos deixados pelos roteiros.

PEQUENOS ACERTOS

Até aqui não temos nenhuma novidade do que foi visto nas temporadas anteriores. Partindo deste princípio, a grande mudança positiva é o maior desenvolvimento de personagens secundários. Como a terceira e quarta parte foram feitas após a renovação da série pela Netflix, é possível aprofundar Gandía, Bogotá (Hovik Keuchkerian) e Marselha (Luka Peros), os quais haviam aparecido de forma inexpressiva anteriormente.

De forma surpreendente, os insistentes flashbacks passam a funcionar na narrativa. Se antes eles eram incansavelmente repetidos, agora são milimetricamente planejados para combinar com a trama do presente. Assim, além de mostrar mais sobre os personagens, o recurso também convenientemente dá respostas para as confusões do roteiro.

LEIA TAMBÉM: Crítica: “La Casa de Papel” – Terceira Temporada

Por fim, é preciso destacar a direção de fotografia mais contemplativa e atenciosa nesta temporada. Apesar de ainda existir uma grande urgência de takes mais curtos para as cenas de ação, quando a relação entre os assaltantes invade a tela, alguns segundos a mais podem ser contemplados como uma forma da fotografia eternizar tais acontecimentos.

NARRATIVAS MAIS RELEVANTES

Se por um lado os roteiros exigem um grande desprendimento da realidade do público, por outro, eles inserem mais temáticas atuais como forma de compensação. Assim, narrativas sobre estupro e personagens transsexuais são inseridas.

Isto é resultado, principalmente, da maior atenção aos reféns do assalto. Manila (Belén Cuesta), é uma assaltante inserida no grupo para evitar qualquer tipo de rebeldia. Sua função assim como o fato de ser uma mulher trans é restrita a poucos diálogos no seriado. Do mesmo jeito, um estupro ocorre entre os reféns sem grandes consequências para a trama ou para os personagens envolvidos até então. Apesar destas duas histórias serem formas da série adotar narrativas mais relevantes, é preciso antes de tudo considerar a responsabilidade em tratar sobre temas tão delicados e, ainda mais, levá-los adiante numa próxima temporada.

Com diversas escolhas questionáveis e roteiros totalmente bagunçados, ‘La Casa de Papel’ prova mais um ano que possui criatividade o suficiente para manter o público interessado em sua trama. Apesar de oferecer poucas novidades, a fórmula adotada pela produção deixa de lado indícios de cansaço ou desapego por parte do público. 

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...

‘Pacificador’: James Gunn mostra a chave do sucesso para a DC

Às vezes, a sensação que Pacificador desperta é de ver alguém brincando com bonecos – ou melhor, action figures, como eles são conhecidos hoje. Esse alguém é o criador, produtor-executivo e diretor de quase todos os episódios, James Gunn. E ele brinca enquanto ouve...

‘The Beatles: Get Back’: entre o fascinante e o interminável

Em janeiro de 1969, os Beatles se reuniram para gravar uma apresentação que seria televisionada e também para trabalhar em músicas para esse show que virariam um novo álbum. Todo esse processo foi acompanhado pelas câmeras do cineasta Michael Lindsay-Hogg, com...