No filme Loop, do diretor Bruno Bini, o tempo é a principal preocupação. Personagens falam sobre ele, agem sobre ele, e o filme faz referência a outros que abordaram esse tema. Trata-se de um divertido e interessante longa que combina trama policial, romance e viagem no tempo, e mesmo que essa combinação não se sustente por inteiro ao longo da trama, a experiência resulta, em geral, num filme legal e inventivo. Talvez inventivo até demais, para o bem da história…

Em Loop, Bruno Gagliasso vive Daniel, um jovem cientista obcecado pelo tempo e que acredita estar perto de comprovar a possibilidade de viagem ao passado. Quando sua namorada Maria Luiza (Bia Arantes) é assassinada por um atacante desconhecido, um assassino serial apelidado de “carteiro” pela polícia, a obsessão de Daniel se aprofunda a ponto de ele testar suas teorias por si mesmo, contando com a ajuda da irmã Simone (Branca Messina). A cada nova intervenção temporal, ele descobre fatos e luta para salvar sua amada, sempre complicando a situação cada vez mais.

Percebe-se que Bini, também autor do roteiro e montador do filme, basicamente quis fazer a versão brasileira de O Predestinado (2014), a criativa pérola dos irmãos Spierig sobre viagem no tempo que acaba dando um nó na cabeça de quem assiste. Efeito Borboleta (2004), Donnie Darko (2001), De Volta para o Futuro (1985) e O Exterminador do Futuro (1984) são fortes referências também. Loop tem uma energia jovem, de realizadores que estão se divertindo com o cinema e explorando as possibilidades de uma história que presta homenagem a vários outros filmes queridos do roteirista e dos produtores. Mas Bini, de modo inteligente, inclui nas viagens no tempo do protagonista sacadas do contexto tipicamente brasileiro: há piadas bem engraçadas sobre Michel Temer presidente e o 7 a 1, e uma cena coloca os personagens nas passeatas de 2013.

O filme possui momentos muito interessantes do ponto de vista visual, como a cena do espelho que promove a “troca” de protagonista, e outra que revela ao espectador a fachada de uma pet shop. Não há grandes efeitos visuais nem muitas invencionices, mas “Loop” sustenta a atenção graças à trama criativa e ao núcleo emocional da história, bem retratado pelos atores. Gagliasso, Arantes e Messina estão todos bem em seus papéis, assim como Nikolas Antunes e Zé Carlos Machado. Claro, nenhum dos personagens é lá muito aprofundado, nem a relação de amor entre Daniel e Maria Luiza parece assim tão intensa para despertar tal obsessão no protagonista, mas os atores fazem funcionar com o que têm.

 INVENTIVO E COMPETENTE

“Loop” acaba sofrendo, porém, pelo excesso, pela vontade de colocar muita coisa na história e, ao mesmo tempo, sem conseguir desenvolver a contento tais elementos, o que leva a um terceiro ato problemático. A subtrama do assassino em série e seu encaminhamento acaba sendo tratada de maneira rápida demais no desfecho do filme, e se torna pouco convincente.  E o pior dos pecados, ela acaba destruindo a empatia pelo protagonista e o nosso interesse no final da história. O excesso de ideias atrapalha o filme, que acaba se concluindo de maneira previsível e anticlimática.

Vivemos um momento interessante da produção cinematográfica brasileira, com um grande volume de produções de gênero surgindo. O terror já vem se estabelecendo; Loop é uma tentativa de explorar a ficção-científica, algo mais complicado, mas como a própria obra revela, passível de ser trabalhada num contexto nacional. Como é um filme jovem feito por jovens, há muita empolgação e ela acaba prejudicando o longa no seu encerramento. Mas até ali, Loop era um inventivo e competente exemplar do gênero e com uma história bem amarrada, boa direção e um espírito criativo.

A parte mais complicada de qualquer viagem no tempo é a volta, ao que parece… Loop não acerta a volta para escapar do seu próprio círculo narrativo, e poderia ter escapado. Mesmo assim, desperta curiosidade para o que seus realizadores podem fazer a seguir. No futuro.

‘Acqua Movie’: jornada das mudanças e permanências do sertão

Mais de uma década depois de Árido Movie (2006), o cineasta Lírio Ferreira retorna com Acqua Movie. Este novo trabalho não se trata realmente de uma sequência, embora traga de volta um ou outro personagem do longa anterior. Mas é, com certeza, uma companion piece, uma...

‘Luca’: Pixar aposta na inclusão em filme para cima

O mais recente lançamento da Pixar, “Luca” (2021), dirigido pelo cineasta e ilustrador italiano Enrico Casarosa em seu primeiro longa-metragem como diretor, é um belo filme sobre amadurecimento, superação do medo pelo desconhecido e aceitação das diferenças em vários...

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....