No filme Loop, do diretor Bruno Bini, o tempo é a principal preocupação. Personagens falam sobre ele, agem sobre ele, e o filme faz referência a outros que abordaram esse tema. Trata-se de um divertido e interessante longa que combina trama policial, romance e viagem no tempo, e mesmo que essa combinação não se sustente por inteiro ao longo da trama, a experiência resulta, em geral, num filme legal e inventivo. Talvez inventivo até demais, para o bem da história…

Em Loop, Bruno Gagliasso vive Daniel, um jovem cientista obcecado pelo tempo e que acredita estar perto de comprovar a possibilidade de viagem ao passado. Quando sua namorada Maria Luiza (Bia Arantes) é assassinada por um atacante desconhecido, um assassino serial apelidado de “carteiro” pela polícia, a obsessão de Daniel se aprofunda a ponto de ele testar suas teorias por si mesmo, contando com a ajuda da irmã Simone (Branca Messina). A cada nova intervenção temporal, ele descobre fatos e luta para salvar sua amada, sempre complicando a situação cada vez mais.

Percebe-se que Bini, também autor do roteiro e montador do filme, basicamente quis fazer a versão brasileira de O Predestinado (2014), a criativa pérola dos irmãos Spierig sobre viagem no tempo que acaba dando um nó na cabeça de quem assiste. Efeito Borboleta (2004), Donnie Darko (2001), De Volta para o Futuro (1985) e O Exterminador do Futuro (1984) são fortes referências também. Loop tem uma energia jovem, de realizadores que estão se divertindo com o cinema e explorando as possibilidades de uma história que presta homenagem a vários outros filmes queridos do roteirista e dos produtores. Mas Bini, de modo inteligente, inclui nas viagens no tempo do protagonista sacadas do contexto tipicamente brasileiro: há piadas bem engraçadas sobre Michel Temer presidente e o 7 a 1, e uma cena coloca os personagens nas passeatas de 2013.

O filme possui momentos muito interessantes do ponto de vista visual, como a cena do espelho que promove a “troca” de protagonista, e outra que revela ao espectador a fachada de uma pet shop. Não há grandes efeitos visuais nem muitas invencionices, mas “Loop” sustenta a atenção graças à trama criativa e ao núcleo emocional da história, bem retratado pelos atores. Gagliasso, Arantes e Messina estão todos bem em seus papéis, assim como Nikolas Antunes e Zé Carlos Machado. Claro, nenhum dos personagens é lá muito aprofundado, nem a relação de amor entre Daniel e Maria Luiza parece assim tão intensa para despertar tal obsessão no protagonista, mas os atores fazem funcionar com o que têm.

 INVENTIVO E COMPETENTE

“Loop” acaba sofrendo, porém, pelo excesso, pela vontade de colocar muita coisa na história e, ao mesmo tempo, sem conseguir desenvolver a contento tais elementos, o que leva a um terceiro ato problemático. A subtrama do assassino em série e seu encaminhamento acaba sendo tratada de maneira rápida demais no desfecho do filme, e se torna pouco convincente.  E o pior dos pecados, ela acaba destruindo a empatia pelo protagonista e o nosso interesse no final da história. O excesso de ideias atrapalha o filme, que acaba se concluindo de maneira previsível e anticlimática.

Vivemos um momento interessante da produção cinematográfica brasileira, com um grande volume de produções de gênero surgindo. O terror já vem se estabelecendo; Loop é uma tentativa de explorar a ficção-científica, algo mais complicado, mas como a própria obra revela, passível de ser trabalhada num contexto nacional. Como é um filme jovem feito por jovens, há muita empolgação e ela acaba prejudicando o longa no seu encerramento. Mas até ali, Loop era um inventivo e competente exemplar do gênero e com uma história bem amarrada, boa direção e um espírito criativo.

A parte mais complicada de qualquer viagem no tempo é a volta, ao que parece… Loop não acerta a volta para escapar do seu próprio círculo narrativo, e poderia ter escapado. Mesmo assim, desperta curiosidade para o que seus realizadores podem fazer a seguir. No futuro.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...