No filme Loop, do diretor Bruno Bini, o tempo é a principal preocupação. Personagens falam sobre ele, agem sobre ele, e o filme faz referência a outros que abordaram esse tema. Trata-se de um divertido e interessante longa que combina trama policial, romance e viagem no tempo, e mesmo que essa combinação não se sustente por inteiro ao longo da trama, a experiência resulta, em geral, num filme legal e inventivo. Talvez inventivo até demais, para o bem da história…

Em Loop, Bruno Gagliasso vive Daniel, um jovem cientista obcecado pelo tempo e que acredita estar perto de comprovar a possibilidade de viagem ao passado. Quando sua namorada Maria Luiza (Bia Arantes) é assassinada por um atacante desconhecido, um assassino serial apelidado de “carteiro” pela polícia, a obsessão de Daniel se aprofunda a ponto de ele testar suas teorias por si mesmo, contando com a ajuda da irmã Simone (Branca Messina). A cada nova intervenção temporal, ele descobre fatos e luta para salvar sua amada, sempre complicando a situação cada vez mais.

Percebe-se que Bini, também autor do roteiro e montador do filme, basicamente quis fazer a versão brasileira de O Predestinado (2014), a criativa pérola dos irmãos Spierig sobre viagem no tempo que acaba dando um nó na cabeça de quem assiste. Efeito Borboleta (2004), Donnie Darko (2001), De Volta para o Futuro (1985) e O Exterminador do Futuro (1984) são fortes referências também. Loop tem uma energia jovem, de realizadores que estão se divertindo com o cinema e explorando as possibilidades de uma história que presta homenagem a vários outros filmes queridos do roteirista e dos produtores. Mas Bini, de modo inteligente, inclui nas viagens no tempo do protagonista sacadas do contexto tipicamente brasileiro: há piadas bem engraçadas sobre Michel Temer presidente e o 7 a 1, e uma cena coloca os personagens nas passeatas de 2013.

O filme possui momentos muito interessantes do ponto de vista visual, como a cena do espelho que promove a “troca” de protagonista, e outra que revela ao espectador a fachada de uma pet shop. Não há grandes efeitos visuais nem muitas invencionices, mas “Loop” sustenta a atenção graças à trama criativa e ao núcleo emocional da história, bem retratado pelos atores. Gagliasso, Arantes e Messina estão todos bem em seus papéis, assim como Nikolas Antunes e Zé Carlos Machado. Claro, nenhum dos personagens é lá muito aprofundado, nem a relação de amor entre Daniel e Maria Luiza parece assim tão intensa para despertar tal obsessão no protagonista, mas os atores fazem funcionar com o que têm.

 INVENTIVO E COMPETENTE

“Loop” acaba sofrendo, porém, pelo excesso, pela vontade de colocar muita coisa na história e, ao mesmo tempo, sem conseguir desenvolver a contento tais elementos, o que leva a um terceiro ato problemático. A subtrama do assassino em série e seu encaminhamento acaba sendo tratada de maneira rápida demais no desfecho do filme, e se torna pouco convincente.  E o pior dos pecados, ela acaba destruindo a empatia pelo protagonista e o nosso interesse no final da história. O excesso de ideias atrapalha o filme, que acaba se concluindo de maneira previsível e anticlimática.

Vivemos um momento interessante da produção cinematográfica brasileira, com um grande volume de produções de gênero surgindo. O terror já vem se estabelecendo; Loop é uma tentativa de explorar a ficção-científica, algo mais complicado, mas como a própria obra revela, passível de ser trabalhada num contexto nacional. Como é um filme jovem feito por jovens, há muita empolgação e ela acaba prejudicando o longa no seu encerramento. Mas até ali, Loop era um inventivo e competente exemplar do gênero e com uma história bem amarrada, boa direção e um espírito criativo.

A parte mais complicada de qualquer viagem no tempo é a volta, ao que parece… Loop não acerta a volta para escapar do seu próprio círculo narrativo, e poderia ter escapado. Mesmo assim, desperta curiosidade para o que seus realizadores podem fazer a seguir. No futuro.

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...