Na literatura, chamam de precursora ou marco a obra que dá início a um movimento literário. Ela, geralmente, costuma conter características e temáticas que influenciarão as outras produções desse período. Foi assim com a “Divina Comédia” de Dante de Alighieri no Renascimento e “Prosopopéia” de Bento Teixeira no Barroco português, por exemplo. E é dessa forma que me senti ao assistir “Love Story” e pensar nas inúmeras vezes em que contemplei narrativas semelhantes.

O filme conta a história de Oliver Barret IV (Ryan O’Neal), um estudante de Harvard, e Jenny Cavilleri (Ali MacGraw), aluna de música de Radcliffe. Apesar de suas diferenças, os dois se apaixonam e vivem uma doce história de amor ao som da trilha sonora de Francis Lai, vencedor do Oscar e o Globo de Ouro pelo projeto. No entanto, o que atrai curiosidade no filme dirigido por Arthur Hiller é o quanto ele serviu de inspiração para produções de gênero romântico do Lifetime e na composição de personagens colegiais.

Introdução ao Romance

É inegável que a história de amor contada por Hiller tornou-se atemporal e introduziu elementos que se tornaram convencionais nos romances, principalmente, àqueles feitos diretamente para a TV. Entre as características que se tornariam frequentes no gênero cinematográfico a partir de “Love Stoy” estão a fotografia com pouca profundidade, a trilha sonora para embalar passagens de tempo e momentos reflexivos e a construção narrativa na qual a família é o principal opositor ao enlace e os amantes são capazes de fazer tudo para estarem juntos.

Em outras palavras, Hiller introduziu todo o melodrama que ficaria popular com os romances de Nicholas Sparks. O roteiro de Erich Seagal, que se tornaria um livro, logo após o lançamento de “Love Story”, investiu em uma narrativa linear na qual a prioridade é mostrar como o casal se conecta e está disposto a se amar para sempre.

Para essa construção, no entanto, percebe-se a ausência de personagens tridimensionais e até mesmo de maniqueísmo. O vilão nessa história de amor é a vida adulta ou a dois e as intempéries que as acompanham. Nem mesmo o drama familiar que tem peso na primeira parte do filme consegue acinzentar os personagens, porque não há investimento neste aspecto. Em momento algum, as atitudes do pai de Oliver são incisivas ou com penalidade ao filho; a decisão de se afastar é do marido de Jenny. Assim como seu posicionamento em impedi-la de seguir seus sonhos para que seja sua apoiadora e esposa bela e do lar, conceitos aceitos para a década de 70.

PERSONAGENS E O COMING OF AGE

É possível notar, no entanto, que alguns elementos identitários dos personagens principais  de “Love Story” tornaram-se recorrentes em personagens de coming-age como o atletismo e a forma fofa como Barret trata Jenny – o que pode ser visto em Peter Kavinsky de “Para Todos os Garotos que Já Amei” ou Austin Amen de “A Nova Cinderela”, por exemplo. Já Jenny serviu de base para as protagonistas adolescentes que se afastam do ideal de heroína idealizada romântica e seguem por um caminho alternando entre ser debochada e difícil como Kat Strattford de “10 Coisas que Odeio em Você”.

Honestamente, Love Story não elenca o top 10 das minhas histórias de amor favoritas, mas não se pode negar o legado e a influência do filme. Sua marca é tão forte que nem mesmo Manoel Carlos escapou dela, que o digam “Laços de Família” e “Páginas da Vida”.

Os 40 Anos de ‘Christiane F., 13 anos, Drogada e Prostituída’

Liberdade, autonomia, diversão e conhecimento sobre si mesmo. Esses parecem ser um dos ingredientes perfeitos na construção de (quase) todos pré-adolescentes/jovens que em determinada época da vida – uma fase bem complicada, diga-se – se vê como um estranho no ninho,...

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...

Os 60 Anos do polêmico ‘Lolita’, de Stanley Kubrick

Os créditos anunciam um filme preto e branco. Um pé pequenino delicado e feminino sinuosamente empinado. Uma mão masculina, grande e máscula, pinta suas unhas, certamente, da cor vermelha. Um início aparentemente simples, porém, com uma carga de erotismo como poucos....

‘Jules e Jim’: tratado sobre a vitalidade dos amantes

Qual é o filme mais influente da Nouvelle Vague francesa? Seria “Acossado” (1960) de Jean-Luc Godard, ou este “Jules e Jim” (1962) de François Truffaut (e poderíamos incluir ainda “Os Incompreendidos” do próprio Truffaut, lançado dois anos antes)? Pergunta pueril e...

‘Farrapo Humano’: retrato humano e honesto sobre o alcoolismo

“Farrapo Humano” abre com uma cena que poderia ser muito bem tirada de qualquer abertura de um filme de Hitchcock: uma visão panorâmica – na linguagem cinematográfica chamada de travelling  - que viaja pelo espaço urbano até chegar à janela aberta de um prédio. Lá,...

‘No Calor da Noite’: a dimensão háptica de uma investigação

É 1967 e o maior astro do cinema é um homem negro: Sidney Poitier, que faleceu em janeiro último aos 94 anos de idade, estrelava três grandes sucessos naquele ano, todos tratando, com diferentes níveis de qualidade, da questão racial. Era um momento em que o Movimento...

‘Laços de Ternura’: a ambivalente e inquebrantável relação mãe e filha

Já na primeira cena de “Laços de Ternura”, a dinâmica entre mãe e filha se estabelece. De um lado, Aurora (Shirley MacLaine) polida, com pouco senso de humor e muito preocupada com a filha; do outro, Emma (Debra Winger), desinibida e livre; é a partir do contraste...

‘Perdidos na Noite’: a transição do sonho para a crueza de uma época

O primeiro plano que vemos de Perdidos na Noite é de uma tela de cinema drive-in e ouvimos cavalos e efeitos sonoros dos inúmeros faroestes que devem ter passado nela. Isso não é por acaso: Joe Buck, o protagonista da história, pensa que é um caubói. Também acredita...

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...