Na literatura, chamam de precursora ou marco a obra que dá início a um movimento literário. Ela, geralmente, costuma conter características e temáticas que influenciarão as outras produções desse período. Foi assim com a “Divina Comédia” de Dante de Alighieri no Renascimento e “Prosopopéia” de Bento Teixeira no Barroco português, por exemplo. E é dessa forma que me senti ao assistir “Love Story” e pensar nas inúmeras vezes em que contemplei narrativas semelhantes.

O filme conta a história de Oliver Barret IV (Ryan O’Neal), um estudante de Harvard, e Jenny Cavilleri (Ali MacGraw), aluna de música de Radcliffe. Apesar de suas diferenças, os dois se apaixonam e vivem uma doce história de amor ao som da trilha sonora de Francis Lai, vencedor do Oscar e o Globo de Ouro pelo projeto. No entanto, o que atrai curiosidade no filme dirigido por Arthur Hiller é o quanto ele serviu de inspiração para produções de gênero romântico do Lifetime e na composição de personagens colegiais.

Introdução ao Romance

É inegável que a história de amor contada por Hiller tornou-se atemporal e introduziu elementos que se tornaram convencionais nos romances, principalmente, àqueles feitos diretamente para a TV. Entre as características que se tornariam frequentes no gênero cinematográfico a partir de “Love Stoy” estão a fotografia com pouca profundidade, a trilha sonora para embalar passagens de tempo e momentos reflexivos e a construção narrativa na qual a família é o principal opositor ao enlace e os amantes são capazes de fazer tudo para estarem juntos.

Em outras palavras, Hiller introduziu todo o melodrama que ficaria popular com os romances de Nicholas Sparks. O roteiro de Erich Seagal, que se tornaria um livro, logo após o lançamento de “Love Story”, investiu em uma narrativa linear na qual a prioridade é mostrar como o casal se conecta e está disposto a se amar para sempre.

Para essa construção, no entanto, percebe-se a ausência de personagens tridimensionais e até mesmo de maniqueísmo. O vilão nessa história de amor é a vida adulta ou a dois e as intempéries que as acompanham. Nem mesmo o drama familiar que tem peso na primeira parte do filme consegue acinzentar os personagens, porque não há investimento neste aspecto. Em momento algum, as atitudes do pai de Oliver são incisivas ou com penalidade ao filho; a decisão de se afastar é do marido de Jenny. Assim como seu posicionamento em impedi-la de seguir seus sonhos para que seja sua apoiadora e esposa bela e do lar, conceitos aceitos para a década de 70.

PERSONAGENS E O COMING OF AGE

É possível notar, no entanto, que alguns elementos identitários dos personagens principais  de “Love Story” tornaram-se recorrentes em personagens de coming-age como o atletismo e a forma fofa como Barret trata Jenny – o que pode ser visto em Peter Kavinsky de “Para Todos os Garotos que Já Amei” ou Austin Amen de “A Nova Cinderela”, por exemplo. Já Jenny serviu de base para as protagonistas adolescentes que se afastam do ideal de heroína idealizada romântica e seguem por um caminho alternando entre ser debochada e difícil como Kat Strattford de “10 Coisas que Odeio em Você”.

Honestamente, Love Story não elenca o top 10 das minhas histórias de amor favoritas, mas não se pode negar o legado e a influência do filme. Sua marca é tão forte que nem mesmo Manoel Carlos escapou dela, que o digam “Laços de Família” e “Páginas da Vida”.

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...

50 Anos de “Clamor ao Sexo”, de Elia Kazan

Dirigido pelo cineasta greco-estadunidense Elia Kazan, "Clamor do Sexo" (Splendor in the Grass, no original) é um filme bastante provocador para a sua época. Lançado em 1961, o drama aborda uma temática que não era tão comum na sociedade norte-americana da década: o...

50 Anos de ‘Bonequinha de Luxo’: um filme de Audrey Hepburn

O que torna um filme clássico? Certamente esta é uma pergunta um tanto subjetiva. É o roteiro? Direção? Atores? Bom, cabe a você, caro leitor, responder essa pergunta nada fácil. Pois a grandiosidade de um filme que extrapola o seu tempo é vasto e edifica,...

‘A Loja da Esquina’: brilhante comédia com ecos melancólicos de uma época

As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por...

‘Luzes da Ribalta’: o réquiem de Charlie Chaplin sobre a vida

Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo...

‘O Grande Ditador’: síntese de regimes totalitários traz Chaplin versátil

Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de...

‘Tempos Modernos’: crítica atemporal e definitiva ao capitalismo

“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um...

‘Luzes da Cidade’: Chaplin no auge diverte e emociona como nunca

Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma...

‘Em Busca do Ouro’: equilíbrio preciso entre humor pastelão e melancolia

Com uma filmografia tão extensa e popular quanto si mesmo, Charles Chaplin afirmou em seu livro autobiográfico que gostaria de ser lembrado pelo singelo ‘Em Busca do Ouro’. O longa em questão pode até não ser o primeiro que nos vem à mente quando pensamos na...