Na literatura, chamam de precursora ou marco a obra que dá início a um movimento literário. Ela, geralmente, costuma conter características e temáticas que influenciarão as outras produções desse período. Foi assim com a “Divina Comédia” de Dante de Alighieri no Renascimento e “Prosopopéia” de Bento Teixeira no Barroco português, por exemplo. E é dessa forma que me senti ao assistir “Love Story” e pensar nas inúmeras vezes em que contemplei narrativas semelhantes.

O filme conta a história de Oliver Barret IV (Ryan O’Neal), um estudante de Harvard, e Jenny Cavilleri (Ali MacGraw), aluna de música de Radcliffe. Apesar de suas diferenças, os dois se apaixonam e vivem uma doce história de amor ao som da trilha sonora de Francis Lai, vencedor do Oscar e o Globo de Ouro pelo projeto. No entanto, o que atrai curiosidade no filme dirigido por Arthur Hiller é o quanto ele serviu de inspiração para produções de gênero romântico do Lifetime e na composição de personagens colegiais.

Introdução ao Romance

É inegável que a história de amor contada por Hiller tornou-se atemporal e introduziu elementos que se tornaram convencionais nos romances, principalmente, àqueles feitos diretamente para a TV. Entre as características que se tornariam frequentes no gênero cinematográfico a partir de “Love Stoy” estão a fotografia com pouca profundidade, a trilha sonora para embalar passagens de tempo e momentos reflexivos e a construção narrativa na qual a família é o principal opositor ao enlace e os amantes são capazes de fazer tudo para estarem juntos.

Em outras palavras, Hiller introduziu todo o melodrama que ficaria popular com os romances de Nicholas Sparks. O roteiro de Erich Seagal, que se tornaria um livro, logo após o lançamento de “Love Story”, investiu em uma narrativa linear na qual a prioridade é mostrar como o casal se conecta e está disposto a se amar para sempre.

Para essa construção, no entanto, percebe-se a ausência de personagens tridimensionais e até mesmo de maniqueísmo. O vilão nessa história de amor é a vida adulta ou a dois e as intempéries que as acompanham. Nem mesmo o drama familiar que tem peso na primeira parte do filme consegue acinzentar os personagens, porque não há investimento neste aspecto. Em momento algum, as atitudes do pai de Oliver são incisivas ou com penalidade ao filho; a decisão de se afastar é do marido de Jenny. Assim como seu posicionamento em impedi-la de seguir seus sonhos para que seja sua apoiadora e esposa bela e do lar, conceitos aceitos para a década de 70.

PERSONAGENS E O COMING OF AGE

É possível notar, no entanto, que alguns elementos identitários dos personagens principais  de “Love Story” tornaram-se recorrentes em personagens de coming-age como o atletismo e a forma fofa como Barret trata Jenny – o que pode ser visto em Peter Kavinsky de “Para Todos os Garotos que Já Amei” ou Austin Amen de “A Nova Cinderela”, por exemplo. Já Jenny serviu de base para as protagonistas adolescentes que se afastam do ideal de heroína idealizada romântica e seguem por um caminho alternando entre ser debochada e difícil como Kat Strattford de “10 Coisas que Odeio em Você”.

Honestamente, Love Story não elenca o top 10 das minhas histórias de amor favoritas, mas não se pode negar o legado e a influência do filme. Sua marca é tão forte que nem mesmo Manoel Carlos escapou dela, que o digam “Laços de Família” e “Páginas da Vida”.

CRÍTICA | ‘A Hora da Estrela’: a dor de não saber quem se é

Sempre que penso em “A Hora da Estrela” como produção cinematográfica, mentalizo a sensibilidade ímpar com a qual Suzana Amaral transpôs visualmente esse clássico da literatura brasileira. Não é em vão que o próprio filme tornou-se atemporal dentro da cinematografia...

‘Como Era Verde Meu Vale’: a síntese da nostalgia nos cinemas

Muita gente em determinado momento da vida começa a refletir sobre o passado e a olhar para a época da infância com saudade, como um período em que a vida era melhor e mais simples, em comparação com o presente, pelo menos. Por mais que essa idealização do passado...

‘Laços de Ternura’: um melodrama em tons pastéis

Os sentimentos caminham entre o sutil e o exagerado em Laços de Ternura (1983). Tanto os momentos engraçados quanto os mais dramáticos são sentidos com intensidade no filme de James L. Brooks. Pode até parecer pueril chamar de complexo um melodrama tão acessível, mas...

‘Gêmeos – Mórbida Semelhança’: a doentia necessidade do outro

Há algo de mórbido, estranho, maléfico na relação de Beverly e Elliot (Jeremy Irons), gêmeos idênticos e igualmente geniais no que tange ao corpo humano e à sexualidade. Desde cedo, eles se interessam pelo corpo feminino e suas particularidades. Adultos, tornam-se...

‘Adorável Vagabundo’ (1941): retrato de um mundo em desequilíbrio

Frank Capra já havia patenteado seu cinema humanista quando fez “Adorável Vagabundo”. Boa parte desse esforço na carreira foi empreendido ao lado de Robert Riskin, seu fiel escudeiro nos roteiros; este longa, aliás, foi o último trabalho que fizeram juntos. Mas Riskin...

‘A Última Sessão de Cinema’: vidas secas em uma cidade-fantasma

O ano é 1971 e há um nome quente na cidade: Peter Bogdanovich, o garoto-prodígio de 31 anos que fez o impossível e transformou um drama intimista sobre garotos texanos em um dos maiores hits do ano.  Bogdanovich é daquela geração cinéfila dos anos 1960 que cresceu com...

‘Jeanne Dielman’: sinais de ruptura na repetição

O cotidiano de uma viúva no decorrer de três dias. É partindo desse ponto que Chantal Akerman entrega “Jeanne Dielman”, sua obra-prima, considerado um dos filmes mais disruptivos e únicos da história do cinema. Acompanhamos a rotina repetitiva e ritualística da...

Os 40 Anos de ‘Christiane F., 13 anos, Drogada e Prostituída’

Liberdade, autonomia, diversão e conhecimento sobre si mesmo. Esses parecem ser um dos ingredientes perfeitos na construção de (quase) todos pré-adolescentes/jovens que em determinada época da vida – uma fase bem complicada, diga-se – se vê como um estranho no ninho,...

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...