Realmente parece que cada episódio de Lovecraft Country vai se configurar numa viagem a um lugar maluco e imprevisível. Depois de todas as doidices do episódio anterior, este terceiro, intitulado “Espírito Santo” (Holy Ghost), mantém a pegada maluca do seriado, mas agora de uma maneira melhor construída, o que resulta num segmento divertido e impactante.

Ambientado algumas semanas depois dos eventos do segundo episódio, “Espírito Santo” começa com Tic dando uma força à Hippolyta (Aunjanue Ellis), a esposa do tio George, e morando com seu pai, Montrose. Hippolyta não parece convencida da história completa que eles contaram para explicar a morte de George. Já a Letitia… de repente conseguiu dinheiro para comprar uma casa, a qual ela resolve transformar em pensão para inquilinos negros. Trata-se de uma iniciativa pioneira no bairro, mas, como um texto na abertura indica, ser pioneiro quase sempre é uma droga. Por que… bem, esta casa é assombrada, claro! E rodeada por vizinhos brancos que claramente não querem uma pensão para negros ali, ou seja, duplamente aterrorizante.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×01

O aspecto mais curioso deste episódio é o fato de ele ter uma trama principal aparentemente autocontida. Será que Lovecraft Country vai mostrar os protagonistas encarando um horror sobrenatural lovecraftiano diferente a cada semana, estilo Arquivo X? Pessoalmente, eu iria achar muito legal…

IDEIAS NOVAS EM PROFUSÃO

O fato é que a encrenca da casa é apresentada, os personagens lidam com ela e ela parece ser resolvida. Ao longo do episódio, o clima de terror é construído pelo diretor Daniel Sackheim com competência e visuais impactantes: os fantasmas que aparecem durante o episódio são genuinamente perturbadores, e não faltam o porão assombrado, fotos estanhas, um elevador com vontade própria e um doutor Frankenstein racista que fazia experiências em cobaias negras. São os velhos clichês dos contos de casa assombrada trabalhados dentro de um contexto racial.

Esses elementos se concatenam dentro do roteiro de Misha Green de maneira mais natural do que no episódio anterior, que parecia a ponto de explodir com tanta coisa comprimida dentro de uma hora de TV. E é bom que, em meio às confusões da casa, o roteiro ainda encontre espaço para aprofundar os personagens e suas relações: o relacionamento entre Tic e Letitia dá um passo à frente, e a cena entre Montrose e Hippolyta parece prometer uma interessante interação entre os dois. E ainda vemos Letitia arrebentando novamente, o que vem se tornando algo muito legal de se ver durante a série. Mais insuportável que fantasmas, só as buzinas de carros que não param de tocar em frente à pensão, estacionados lá por sujeitos brancos. Vê-la resolver esse problema é uma catarse importante dentro do episódio.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×02

E realmente, “Espírito Santo” é bem satisfatório e uma experiência interessante. Claro, a narrativa contínua da série é levada adiante neste episódio. Os momentos finais dele relacionam a casa assombrada aos Filhos de Adão e toda aquela mitologia maluca do episódio anterior, e a Christina Braitwhite retorna, prometendo que esses vilões não vão embora da série tão cedo. Mas, na era dos “filmes de 13 horas” e das narrativas que se estendem por vários episódios, é muito interessante que Lovecraft Country tenha escolhido contar uma pequena história de terror autocontida e com nuances dentro do grande arco da sua temporada.

Um episódio como esse será característico da série ou será um caso isolado? O tempo dirá, mas por enquanto duas coisas estão claras sobre Lovecraft Country: a série parece não ter medo de experimentar, e nem parece sofrer de falta de ideias.

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...

‘Falcão e o Soldado Invernal’: legado do Capitão América vira dilema da própria Marvel

ATENÇÃO: O texto a seguir possui SPOILERS de “Vingadores: Ultimato”. Histórias de super-heróis de quadrinhos são, por definição, otimistas. Por terem sido orginalmente criadas como fantasias infanto-juvenis, o otimismo faz parte de seu DNA: há um herói, há um vilão, o...

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...