É hora da caça ao McGuffin em Lovecraft Country! O quarto episódio desta temporada da série é menos Lovecraft e mais estilo Indiana Jones, o que de novo rende um episódio divertido que consegue aliar cenas tensas e malucas – já se tornando características da série – com um pouco de desenvolvimento dos personagens principais. No entanto, apesar das suas qualidades, é também um episódio com problemas.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×01

Nele, intitulado “Uma História de Violência”, nosso trio de heróis TIc, Letitia e Montrose parte numa busca pelo cofre do fundador da Ordem da Antiga Alvorada, Titus Braithwaite. Essa busca os leva a um museu em Boston, e debaixo deste museu eles vão procurar as páginas de um livro, antes que Christina coloque as mãos nelas – Um McGuffin no sentido clássico, o dispositivo de trama do qual todos os personagens estão atrás para mover a trama. Enfim, eles vão andar por catacumbas que começam a se inundar, vão encontrar algumas criaturas sobrenaturais e, na cena mais emocionante do episódio, vão atravessar uma ponte suspensa sobre um abismo. Com um pêndulo no meio do caminho. Sim, isso mesmo, leitor. Tic até afirma: “Parece coisa do ‘Viagem ao Centro da Terra’”, do autor Júlio Verne.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×02

Porém, a referência mais próxima para o espectador moderno de TV ou cinema não é Júlio Verne, mas sim Indiana Jones ou Tomb Raider ou até os filmes A Lenda do Tesouro Perdido.  A cena da ponte é realmente empolgante, com Michael K. Williams roubando a cena – a fala dele “É melhor você me pegar, menino!” é um momento de explosão de humor no meio da cena tensa, uma pequena pílula concentrada de riso nervoso criado pelo ator.

Bom que o elenco está elevando o material. No meio da aventura o roteiro encontra oportunidades para aprofundar o relacionamento entre Tic e seu pai, e um também um pouco entre Tic e Letitia. Os momentos entre os personagens funcionam melhor que alguns da trama, que é do tipo divertida, desde que o espectador não pare para pensar por um minuto – Ora, quem preparou essas armadilhas? Por que a direção do episódio não mostra direito os botões que Montrose sabe como apertar para abrir a porta num momento crucial? E o fato das catacumbas se conectarem com a casa do episódio anterior é para lá de conveniente…

EFEITO ‘ESQUADRÃO SUICIDA’ ATIVADO

Fora da trama principal, o episódio traz um interessante encontro entre Ruby (Wunmi Mosaku) e William (Jordan Patrick Smith), que vai render no futuro… Descobrimos, inclusive, que William sobreviveu à destruição do final do segundo episódio, e que continua aliado de Christina. E em outra linha narrativa, Hippolyta parece que vai fazer uma visitinha a Ardham, o que também deve aumentar a tensão dos próximos episódios…

Tudo acontece no episódio de forma rápida, de modo que ele nunca fica realmente chato. Mas começa a se infiltrar em Lovecraft Country uma sensação de superficialidade em excesso. Não questionamos os furos de roteiro na aventura principal porque o elenco, principalmente, está segurando a onda. Mas eles existem. E neste episódio em particular, incomodam bastante as escolhas de canções na trilha sonora – a praga dos seriados e filmes modernos que querem dar uma de “espertinhos” colocando uma canção cool para alavancar cenas, quer elas façam sentido dentro da experiência ou não. Eu chamo de “efeito Esquadrão Suicida”Ouvir Rihanna e Marilyn Manson neste episódio força a barra do anacronismo, e peca também por serem escolhas óbvias e rasas demais dentro das suas respectivas cenas. Com o tempo, essa escolha criativa está começando a cansar e a revelar a superficialidade que está se infiltrando no seriado.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×03

Lovecraft Country se iniciou tentando fazer uma ponte entre as exigências de uma narrativa fantasiosa e todos os clichês que isso implica, com uma visão sobre a vida de pessoas negras nos Estados Unidos dos anos 1950, enfrentando um mundo hostil a elas. Até este episódio, a série ainda está fazendo isso… mas desta vez, fica a dúvida se essa ponte é sólida o bastante, e se a exploração de alguns desses clichês será suficiente para manter a série viva e interessante. E olha que a Christina menciona uma “máquina do tempo” neste episódio…

Ainda assim… Michael K. Williams é um grande ator, não é? Só a cena final do episódio, com ele, já volta a despertar o interesse para ver o próximo…

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...