Depois do empolgante primeiro episódio da temporada de Lovecraft Country, o segundo tinha a difícil tarefa de sucedê-lo e manter a atenção do espectador. Isso é compreensível. Mas o que não se esperaria era que o segundo episódio fosse tão… cheio de coisas: são muitos acontecimentos, muitas descobertas, muitos desenvolvimentos e tudo acontece muito rápido. Normalmente o espectador escolado de séries de TV poderia até ver isso como algo positivo. Tipo, um episódio completamente sem enrolação, que beleza! Mas… não é o caso aqui.

A sensação de algo errado e fora do tom já começa na primeira cena com Letitia e o tio George dançando enquanto percorrem seus novos quartos na mansão em Ardham. Hoje em dia, já virou tendência mostrar gente dançando em filmes e séries para provocar estranheza no espectador – alguém precisa fazer uma lista de cenas como essa, pois já está virando um clichê. Falando em música, aliás, o episódio é eclético na sua trilha sonora, incluindo canções de Nina Simone e Marilyn Manson, além do poema “Whitey’s On The Moon” (O branco está na lua, em tradução literal), de Gil Scott-Heron, que dá nome ao episódio.

Depois de todas as dancinhas, calha de Atticus, Letitia e George estarem na casa “assombrada”, um lugar estranho cheio de brancos esquisitos que compõem uma sociedade secreta – muitos ecos de Corra! (2017) neste episódio. O líder é Samuel Braithwhite, vivido pelo ator/diretor Tony Goldwyn, de Ghost (1990). Samuel tem uma filha, Christina, interpretada por Abbey Lee, de Mad Max: Estrada da Fúria (2015). E de maneira bem rápida, somos informados de que Atticus é descendente do fundador da cidade, que os velhos homens brancos se divertem fazendo nossos heróis terem alucinações, que eles comem pedaços de fígados (!) e que querem usar Atticus numa experiência para… abrir os portões do Jardim do Éden (?!).

MAIS CALMA NESSA HORA

Tudo bem se a história é essa, mas o roteiro de Misha Green não dá espaço para nenhuma dessas situações respirarem. O episódio é uma correria só, com muito diálogo expositivo e elementos jogados a cada cena. Fica a impressão de que essa situação poderia ser mais bem explorada e/ou desenvolvida ao longo de uns dois episódios, mas foi condensada num só. A direção do veterano da TV Daniel Sackheim nos mantém assistindo, empilhando uma cena maluca atrás da outra: Letitia e Atticus quase transam (numa alucinação); a luta contra a mulher coreana; Atticus mandando os homens brancos saírem do salão; a fuga; o confronto final. Mas a sensação é de um episódio acelerado demais, que parece queimar muita história de uma maneira meio difícil de compreender.

Claro que é um episódio com várias qualidades. O elenco continua carismático, agora com a sempre bem-vinda adição de Michael K. Williams como o pai de Atticus, Montrose. O ator é praticamente uma lenda da HBO, tendo vivido o inesquecível Omar de The Wire: A Escuta, e seu personagem tem tudo para se tornar mais um tipo marcante. E várias cenas individuais do episódio funcionam muito bem. O problema é que o todo parece bagunçado, apressado e, ao final, confuso.

Na crítica do primeiro episódio, escrevi ao final que não fazia ideia de para onde a série estava indo, mas já estava empolgado em acompanhar. Este segundo episódio freia essa empolgação, mas aumenta a sensação de total ignorância a respeito dos rumos que a série possa tomar. Aprecio surpresas tanto quanto qualquer telespectador, mas… dá para construir elas direito, e com um pouquinho de calma?

‘The Beatles: Get Back’: entre o fascinante e o interminável

Em janeiro de 1969, os Beatles se reuniram para gravar uma apresentação que seria televisionada e também para trabalhar em músicas para esse show que virariam um novo álbum. Todo esse processo foi acompanhado pelas câmeras do cineasta Michael Lindsay-Hogg, com...

‘Maid’: o fim do American Way of Life

“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada...

‘Missa da Meia-Noite’: Mike Flanagan acerta sem correr riscos

Quando pensamos em produções de terror é muito fácil associar suas tramas a existência do sobrenatural, do desconhecido, mesmo que existam muitos títulos onde o vilão se trata na realidade de uma pessoa como qualquer outra. Contemplando essas duas linhas narrativas,...

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...