O mais recente lançamento da Pixar, “Luca” (2021), dirigido pelo cineasta e ilustrador italiano Enrico Casarosa em seu primeiro longa-metragem como diretor, é um belo filme sobre amadurecimento, superação do medo pelo desconhecido e aceitação das diferenças em vários sentidos. Embora não seja uma obra-prima, é um filme que, com sua simplicidade, conversa tanto com o público infantil quanto o adulto.

O enredo segue o monstro-marinho Luca (Jacob Tremblay) que vive com a família em uma caverna no fundo do mar. O jovem possui grande interesse pelo mundo humano e isso acaba servindo de base para todo o desenrolar da trama. Aqui se tem uma breve semelhança com Ariel, de “A Pequena Sereia” (1989), em que a protagonista também possui bastante apreço por objetos jogados ao mar pelos humanos e grande curiosidade pelo mundo terrestre. Assim como o pai de Ariel, a mãe de Luca, Daniela (Maya Rudolph), e seu pai, Lorenzo (Jim Gaffigan), estão bastante preocupados com a inclinação do protagonista pelo desconhecido. Durante uma de suas explorações, Luca conhece Alberto (Jack Dylan Grazer), outro monstro-marinho que pode curiosamente se transformar em humano sempre que sua pele fica seca.

Logo, Luca descobre que também possui a habilidade de se transformar em humano da mesma forma e, maravilhado pela recente descoberta (e pelo mais novo amigo), começa passar horas do dia experimentando a vida terrena. Momentos que são vivenciados sempre com muita diversão e alegria graças a rápida conexão de amizade que os garotos tiveram entre si. Entretanto, com a descoberta dessa aventura pelos pais, Luca junto com seu mais novo amigo parte em uma missão para conseguir uma moto Vespa para poder fugir e conhecer novos mundos. É possível observar uma outra referência bem sutil com as animações do Hayao Miyazaki com seus pontos de partidas simples, mas, desenvolvidas com complexidade. E, principalmente, com o cenário e elementos semelhantes a “Ponyo” (2008) – animação que narra a história de amizade entre um garoto e uma menina-peixe que é encantada pela vida fora do mar.

 ENCONTRAR BOAS PESSOAS

Apesar de ser voltada mais para o cartoon, a animação é de um excelente nível técnico dos padrões do estúdio. É fascinante ver a Pixar adotando novos estilos de animação, sem nunca perder a essência. A trilha sonora ajuda a construir todo esse cenário de um vilarejo italiano, além de dosar as cenas de tensão do imaginário popular acerca de monstros da mitologia marinha.

Com a energia trazida pela amizade genuína entre Luca, Alberto e, em seguida, pelo surgimento da jovem humana Giulia (Emma Berman), o filme traz cenas divertidas de um verão italiano inseridas em belas paisagens arrebatadoras. O roteiro de Jesse Andres e Mike Jones – este último que também co-escreveu “Soul” (2020) – certamente não é inovador. A forma como os conflitos são resolvidos acaba trazendo uma sensação de que o desenvolvimento dos personagens poderia ter sido mais bem trabalhado. Luca e Alberto poderiam testemunhar situações mais perigosas, como é destacado em vários momentos durante o filme, mas que acabaram ficando em segundo plano. Isso resulta em um desfecho resolvido de forma muito fácil. Porém, a simplicidade da história atrelada à mensagem que a animação busca contar permite ao espectador se envolver e aproveitar cada minuto das aventuras.

Em um contexto em que a sociedade contemporânea retrocede cada vez mais, permitindo o surgimento de pré-julgamentos do que é diferente e desconhecido, “Luca” levanta a reflexão de que as pessoas devem deixar os preconceitos de lado e permitir-se conhecer novas formas de mundo, novos horizontes. Ideia reforçada pelo diálogo da família do protagonista nos minutos finais do filme.

“- O que ele fez hoje foi incrível. Mas, não podemos deixar que ele fique neste mundo, podemos?

– Algumas pessoas nunca vão aceitá-lo. Mas outras vão. E parece que ele sabe encontrar as pessoas boas”.

Enquanto “Soul” é pura reflexão, “Luca” é pura diversão. A história, concisa, conecta o público de qualquer idade com os personagens calorosos e divertidos. A temática contemporânea de inclusão e diferenças sociais é pincelada de forma sutil, mas que fundamenta toda a trajetória dos eventos que acontecem na animação. Não há profundidade emocional ou intelectual como em animações anteriores da Pixar, mas o filme não deixa de provocar certo impacto e reflexão a quem assiste. “Luca “não é inovador e nem precisa ser. A junção dos personagens, qualidade técnica, cenário, trilha e todos os elementos da animação fica bem evidente que os realizadores depositaram todo a sua dedicação no filme.

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...