O mais recente lançamento da Pixar, “Luca” (2021), dirigido pelo cineasta e ilustrador italiano Enrico Casarosa em seu primeiro longa-metragem como diretor, é um belo filme sobre amadurecimento, superação do medo pelo desconhecido e aceitação das diferenças em vários sentidos. Embora não seja uma obra-prima, é um filme que, com sua simplicidade, conversa tanto com o público infantil quanto o adulto.

O enredo segue o monstro-marinho Luca (Jacob Tremblay) que vive com a família em uma caverna no fundo do mar. O jovem possui grande interesse pelo mundo humano e isso acaba servindo de base para todo o desenrolar da trama. Aqui se tem uma breve semelhança com Ariel, de “A Pequena Sereia” (1989), em que a protagonista também possui bastante apreço por objetos jogados ao mar pelos humanos e grande curiosidade pelo mundo terrestre. Assim como o pai de Ariel, a mãe de Luca, Daniela (Maya Rudolph), e seu pai, Lorenzo (Jim Gaffigan), estão bastante preocupados com a inclinação do protagonista pelo desconhecido. Durante uma de suas explorações, Luca conhece Alberto (Jack Dylan Grazer), outro monstro-marinho que pode curiosamente se transformar em humano sempre que sua pele fica seca.

Logo, Luca descobre que também possui a habilidade de se transformar em humano da mesma forma e, maravilhado pela recente descoberta (e pelo mais novo amigo), começa passar horas do dia experimentando a vida terrena. Momentos que são vivenciados sempre com muita diversão e alegria graças a rápida conexão de amizade que os garotos tiveram entre si. Entretanto, com a descoberta dessa aventura pelos pais, Luca junto com seu mais novo amigo parte em uma missão para conseguir uma moto Vespa para poder fugir e conhecer novos mundos. É possível observar uma outra referência bem sutil com as animações do Hayao Miyazaki com seus pontos de partidas simples, mas, desenvolvidas com complexidade. E, principalmente, com o cenário e elementos semelhantes a “Ponyo” (2008) – animação que narra a história de amizade entre um garoto e uma menina-peixe que é encantada pela vida fora do mar.

 ENCONTRAR BOAS PESSOAS

Apesar de ser voltada mais para o cartoon, a animação é de um excelente nível técnico dos padrões do estúdio. É fascinante ver a Pixar adotando novos estilos de animação, sem nunca perder a essência. A trilha sonora ajuda a construir todo esse cenário de um vilarejo italiano, além de dosar as cenas de tensão do imaginário popular acerca de monstros da mitologia marinha.

Com a energia trazida pela amizade genuína entre Luca, Alberto e, em seguida, pelo surgimento da jovem humana Giulia (Emma Berman), o filme traz cenas divertidas de um verão italiano inseridas em belas paisagens arrebatadoras. O roteiro de Jesse Andres e Mike Jones – este último que também co-escreveu “Soul” (2020) – certamente não é inovador. A forma como os conflitos são resolvidos acaba trazendo uma sensação de que o desenvolvimento dos personagens poderia ter sido mais bem trabalhado. Luca e Alberto poderiam testemunhar situações mais perigosas, como é destacado em vários momentos durante o filme, mas que acabaram ficando em segundo plano. Isso resulta em um desfecho resolvido de forma muito fácil. Porém, a simplicidade da história atrelada à mensagem que a animação busca contar permite ao espectador se envolver e aproveitar cada minuto das aventuras.

Em um contexto em que a sociedade contemporânea retrocede cada vez mais, permitindo o surgimento de pré-julgamentos do que é diferente e desconhecido, “Luca” levanta a reflexão de que as pessoas devem deixar os preconceitos de lado e permitir-se conhecer novas formas de mundo, novos horizontes. Ideia reforçada pelo diálogo da família do protagonista nos minutos finais do filme.

“- O que ele fez hoje foi incrível. Mas, não podemos deixar que ele fique neste mundo, podemos?

– Algumas pessoas nunca vão aceitá-lo. Mas outras vão. E parece que ele sabe encontrar as pessoas boas”.

Enquanto “Soul” é pura reflexão, “Luca” é pura diversão. A história, concisa, conecta o público de qualquer idade com os personagens calorosos e divertidos. A temática contemporânea de inclusão e diferenças sociais é pincelada de forma sutil, mas que fundamenta toda a trajetória dos eventos que acontecem na animação. Não há profundidade emocional ou intelectual como em animações anteriores da Pixar, mas o filme não deixa de provocar certo impacto e reflexão a quem assiste. “Luca “não é inovador e nem precisa ser. A junção dos personagens, qualidade técnica, cenário, trilha e todos os elementos da animação fica bem evidente que os realizadores depositaram todo a sua dedicação no filme.

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...

‘Mother Schmuckers’: anarquia niilista repleta de deboche

"Mother Schmuckers" é um filme que desafia palavras, que dirá críticas. A produção dos irmãos Harpo e Lenny Guit é uma comédia de erros que envolve drogas, violência e todo o tipo de perversão sexual. Exibido nas mostras de meia-noite de Sundance, onde estreou, e do...