O mais recente lançamento da Pixar, “Luca” (2021), dirigido pelo cineasta e ilustrador italiano Enrico Casarosa em seu primeiro longa-metragem como diretor, é um belo filme sobre amadurecimento, superação do medo pelo desconhecido e aceitação das diferenças em vários sentidos. Embora não seja uma obra-prima, é um filme que, com sua simplicidade, conversa tanto com o público infantil quanto o adulto.

O enredo segue o monstro-marinho Luca (Jacob Tremblay) que vive com a família em uma caverna no fundo do mar. O jovem possui grande interesse pelo mundo humano e isso acaba servindo de base para todo o desenrolar da trama. Aqui se tem uma breve semelhança com Ariel, de “A Pequena Sereia” (1989), em que a protagonista também possui bastante apreço por objetos jogados ao mar pelos humanos e grande curiosidade pelo mundo terrestre. Assim como o pai de Ariel, a mãe de Luca, Daniela (Maya Rudolph), e seu pai, Lorenzo (Jim Gaffigan), estão bastante preocupados com a inclinação do protagonista pelo desconhecido. Durante uma de suas explorações, Luca conhece Alberto (Jack Dylan Grazer), outro monstro-marinho que pode curiosamente se transformar em humano sempre que sua pele fica seca.

Logo, Luca descobre que também possui a habilidade de se transformar em humano da mesma forma e, maravilhado pela recente descoberta (e pelo mais novo amigo), começa passar horas do dia experimentando a vida terrena. Momentos que são vivenciados sempre com muita diversão e alegria graças a rápida conexão de amizade que os garotos tiveram entre si. Entretanto, com a descoberta dessa aventura pelos pais, Luca junto com seu mais novo amigo parte em uma missão para conseguir uma moto Vespa para poder fugir e conhecer novos mundos. É possível observar uma outra referência bem sutil com as animações do Hayao Miyazaki com seus pontos de partidas simples, mas, desenvolvidas com complexidade. E, principalmente, com o cenário e elementos semelhantes a “Ponyo” (2008) – animação que narra a história de amizade entre um garoto e uma menina-peixe que é encantada pela vida fora do mar.

 ENCONTRAR BOAS PESSOAS

Apesar de ser voltada mais para o cartoon, a animação é de um excelente nível técnico dos padrões do estúdio. É fascinante ver a Pixar adotando novos estilos de animação, sem nunca perder a essência. A trilha sonora ajuda a construir todo esse cenário de um vilarejo italiano, além de dosar as cenas de tensão do imaginário popular acerca de monstros da mitologia marinha.

Com a energia trazida pela amizade genuína entre Luca, Alberto e, em seguida, pelo surgimento da jovem humana Giulia (Emma Berman), o filme traz cenas divertidas de um verão italiano inseridas em belas paisagens arrebatadoras. O roteiro de Jesse Andres e Mike Jones – este último que também co-escreveu “Soul” (2020) – certamente não é inovador. A forma como os conflitos são resolvidos acaba trazendo uma sensação de que o desenvolvimento dos personagens poderia ter sido mais bem trabalhado. Luca e Alberto poderiam testemunhar situações mais perigosas, como é destacado em vários momentos durante o filme, mas que acabaram ficando em segundo plano. Isso resulta em um desfecho resolvido de forma muito fácil. Porém, a simplicidade da história atrelada à mensagem que a animação busca contar permite ao espectador se envolver e aproveitar cada minuto das aventuras.

Em um contexto em que a sociedade contemporânea retrocede cada vez mais, permitindo o surgimento de pré-julgamentos do que é diferente e desconhecido, “Luca” levanta a reflexão de que as pessoas devem deixar os preconceitos de lado e permitir-se conhecer novas formas de mundo, novos horizontes. Ideia reforçada pelo diálogo da família do protagonista nos minutos finais do filme.

“- O que ele fez hoje foi incrível. Mas, não podemos deixar que ele fique neste mundo, podemos?

– Algumas pessoas nunca vão aceitá-lo. Mas outras vão. E parece que ele sabe encontrar as pessoas boas”.

Enquanto “Soul” é pura reflexão, “Luca” é pura diversão. A história, concisa, conecta o público de qualquer idade com os personagens calorosos e divertidos. A temática contemporânea de inclusão e diferenças sociais é pincelada de forma sutil, mas que fundamenta toda a trajetória dos eventos que acontecem na animação. Não há profundidade emocional ou intelectual como em animações anteriores da Pixar, mas o filme não deixa de provocar certo impacto e reflexão a quem assiste. “Luca “não é inovador e nem precisa ser. A junção dos personagens, qualidade técnica, cenário, trilha e todos os elementos da animação fica bem evidente que os realizadores depositaram todo a sua dedicação no filme.

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...

‘Donzela’: mitologia rasa sabota boas ideias de conto de fadas

Se a Netflix fosse um canal de televisão brasileira, Millie Bobby Brown seria o que Maisa Silva e Larissa Manoela foram para o SBT durante a infância de ambas. A atriz, que alcançou o estrelato por seu papel em “Stranger Things”, emendou ainda outros universos...

‘O Astronauta’: versão ‘Solaris’ sem brilho de Adam Sandler

Recentemente a revista Forbes publicou uma lista com os maiores salários recebidos por atores e atrizes de Hollywood em 2023. O N.1 é Adam Sandler: o astro recebeu no ano passado nada menos que US$ 73 milhões líquidos a partir de um contrato milionário com a Netflix...