“Luce” se inicia com um aluno de colégio norte-americano discursando para uma plateia de estudantes e pais, um discurso, na verdade, raso sobre o futuro que aguarda os jovens e coisa e tal. O aluno é o tal Luce do título, um jovem negro. Luce Edgar nasceu na Eritreia, país africano devastado pela guerra, e foi adotado e levado aos Estados Unidos por um casal branco. Ele é um dos alunos-modelo da sua escola, considerado brilhante, é atleta e faz parte da equipe de debate. É admirado por todos. Mas quando Harriet, uma das suas professoras, lê uma redação polêmica que ele escreveu e descobre algo no seu armário, inicia-se uma série de eventos que farão com que traços questionáveis da personalidade do rapaz comecem a ser descobertos.

Baseado numa peça teatral do autor J. C. Lee, temos em Luce um mistério que vai se desvendando aos poucos ao espectador e que prende a atenção. Nas mãos do cineasta nigeriano Juluis Onah – curiosamente, o mesmo diretor do horroroso O Paradoxo Cloverfield (2018)Luce se torna uma obra inquietante, provocadora e até um pouco cínica, que trabalha várias problemáticas em relação ao grande tema central do racismo norte-americano, e o faz com muita competência.

Em Luce, as atuações e o roteiro são os aspectos mais importantes da experiência cinematográfica. E o elenco reunido por Onah não decepciona: desde Octavia Spencer, como a combativa professora Harriet, passando por Tim Roth e Naomi Watts como os pais adotivos bem intencionados de Luce, até o jovem Kelvin Harrison Jr. no papel-título, todos estão muito bem – Harrison Jr., então, se revela o dono do filme com sua atuação multifacetada e muito interessante. Até atores que aparecem em poucas cenas se mostram eficientes, compondo personagens com nuances.

Já o roteiro não tem medo de explorar questões complexas e expor as hipocrisias por baixo da aparente perfeição da sociedade norte-americana. Em dado momento, alguém até aponta que Luce é “o Obama da escola”, ou seja, o negro símbolo da terra das oportunidades. Harrison Jr. até lembra um pouco uma versão jovem do ex-presidente, o que deixa o paralelo mais agudo. Ao longo do filme, essa aparente perfeição é demolida aos poucos pelos vários conflitos dramáticos da história: entre Luce e sua mãe, entre ele e uma jovem de origem asiática – que adquire tons até sombrios – e entre ele e a professora, que escancara o racismo perverso que age sobre ambos os personagens de maneiras diferentes. Enquanto a professora sofre o racismo na pele, Luce é eleito pelo mesmo sistema racista como prova de que os Estados Unidos “funcionam” e, portanto, reduzido a um símbolo.

  SEM TOM PATERNALISTA OU EDIFICANTE

Alguns detalhes do roteiro, porém, impedem Luce de alçar voos mais altos. Ao longo do filme, chega a ser um pouco frustrante ver os pais do personagem-título mudarem de ideia sobre o filho, dependendo da cena. Num momento, a mãe desconfia de Luce; em outro o apoia; depois volta a desconfiar. O pai também. Não fossem as performances seguras de Watts e Roth, os personagens acabariam parecendo esquizofrênicos, ao sabor da conveniência do roteiro. E por mais que esse mesmo roteiro se esforce para integrar a subtrama da irmã da professora, que tem problemas psicológicos, à narrativa principal, essa integração acaba não sendo realmente bem sucedida e poderia ter sido cortada do longa.

Mesmo com esses problemas pontuais, Luce acaba sendo uma obra não tão fácil de encontrar no cinema americano: um drama muito eficiente, com alguns momentos de suspense, que consegue abordar o tema do racismo sem neutralizá-lo, e de forma séria e contundente. Em meio a títulos como Crash: No Limite (2005), Histórias Cruzadas (2011) e Green Book (2018) com os quais topamos na vida, isso é um alento… Luce consegue levar o espectador à reflexão e não oferece respostas fáceis.

Ao contrário dessas produções e várias outras do mesmo naipe, não se percebe em Luce aquele incômodo tom paternalista para com os negros, ou tentativas de tornar a experiência edificante, e nem a história é contada principalmente pelo ponto de vista dos brancos. Luce consegue levar o espectador à reflexão e não oferece respostas fáceis. Pelo contrário, sua força é conseguir explorar seu fascinante personagem-título, sem ter medo de controvérsia ou da complexidade inerente ao tema ou aos personagens, que parecem humanos, acima de tudo.

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘A Metamorfose dos Pássaros’: carta de amor e libertação dos ancestrais

Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de...

‘About Endlessness’: Roy Andersson convida público a admirar a vida

Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado "About Endlessness" (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”), alguém poderia ser perdoado...

‘Um Crime Comum’: angústia da culpa domina belo thriller argentino

Combinando thriller psicológico e drama social, "Um Crime Comum", novo filme de Francisco Márquez, vê uma mulher entrar em colapso diante de um senso de culpa coletiva. Uma co-produção Argentina-Brasil-Suíça, o longa, que estreou na Berlinale, marca a única presença...