“Luce” se inicia com um aluno de colégio norte-americano discursando para uma plateia de estudantes e pais, um discurso, na verdade, raso sobre o futuro que aguarda os jovens e coisa e tal. O aluno é o tal Luce do título, um jovem negro. Luce Edgar nasceu na Eritreia, país africano devastado pela guerra, e foi adotado e levado aos Estados Unidos por um casal branco. Ele é um dos alunos-modelo da sua escola, considerado brilhante, é atleta e faz parte da equipe de debate. É admirado por todos. Mas quando Harriet, uma das suas professoras, lê uma redação polêmica que ele escreveu e descobre algo no seu armário, inicia-se uma série de eventos que farão com que traços questionáveis da personalidade do rapaz comecem a ser descobertos.

Baseado numa peça teatral do autor J. C. Lee, temos em Luce um mistério que vai se desvendando aos poucos ao espectador e que prende a atenção. Nas mãos do cineasta nigeriano Juluis Onah – curiosamente, o mesmo diretor do horroroso O Paradoxo Cloverfield (2018)Luce se torna uma obra inquietante, provocadora e até um pouco cínica, que trabalha várias problemáticas em relação ao grande tema central do racismo norte-americano, e o faz com muita competência.

Em Luce, as atuações e o roteiro são os aspectos mais importantes da experiência cinematográfica. E o elenco reunido por Onah não decepciona: desde Octavia Spencer, como a combativa professora Harriet, passando por Tim Roth e Naomi Watts como os pais adotivos bem intencionados de Luce, até o jovem Kelvin Harrison Jr. no papel-título, todos estão muito bem – Harrison Jr., então, se revela o dono do filme com sua atuação multifacetada e muito interessante. Até atores que aparecem em poucas cenas se mostram eficientes, compondo personagens com nuances.

Já o roteiro não tem medo de explorar questões complexas e expor as hipocrisias por baixo da aparente perfeição da sociedade norte-americana. Em dado momento, alguém até aponta que Luce é “o Obama da escola”, ou seja, o negro símbolo da terra das oportunidades. Harrison Jr. até lembra um pouco uma versão jovem do ex-presidente, o que deixa o paralelo mais agudo. Ao longo do filme, essa aparente perfeição é demolida aos poucos pelos vários conflitos dramáticos da história: entre Luce e sua mãe, entre ele e uma jovem de origem asiática – que adquire tons até sombrios – e entre ele e a professora, que escancara o racismo perverso que age sobre ambos os personagens de maneiras diferentes. Enquanto a professora sofre o racismo na pele, Luce é eleito pelo mesmo sistema racista como prova de que os Estados Unidos “funcionam” e, portanto, reduzido a um símbolo.

  SEM TOM PATERNALISTA OU EDIFICANTE

Alguns detalhes do roteiro, porém, impedem Luce de alçar voos mais altos. Ao longo do filme, chega a ser um pouco frustrante ver os pais do personagem-título mudarem de ideia sobre o filho, dependendo da cena. Num momento, a mãe desconfia de Luce; em outro o apoia; depois volta a desconfiar. O pai também. Não fossem as performances seguras de Watts e Roth, os personagens acabariam parecendo esquizofrênicos, ao sabor da conveniência do roteiro. E por mais que esse mesmo roteiro se esforce para integrar a subtrama da irmã da professora, que tem problemas psicológicos, à narrativa principal, essa integração acaba não sendo realmente bem sucedida e poderia ter sido cortada do longa.

Mesmo com esses problemas pontuais, Luce acaba sendo uma obra não tão fácil de encontrar no cinema americano: um drama muito eficiente, com alguns momentos de suspense, que consegue abordar o tema do racismo sem neutralizá-lo, e de forma séria e contundente. Em meio a títulos como Crash: No Limite (2005), Histórias Cruzadas (2011) e Green Book (2018) com os quais topamos na vida, isso é um alento… Luce consegue levar o espectador à reflexão e não oferece respostas fáceis.

Ao contrário dessas produções e várias outras do mesmo naipe, não se percebe em Luce aquele incômodo tom paternalista para com os negros, ou tentativas de tornar a experiência edificante, e nem a história é contada principalmente pelo ponto de vista dos brancos. Luce consegue levar o espectador à reflexão e não oferece respostas fáceis. Pelo contrário, sua força é conseguir explorar seu fascinante personagem-título, sem ter medo de controvérsia ou da complexidade inerente ao tema ou aos personagens, que parecem humanos, acima de tudo.

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...

Review ‘Beverly Hills Cop: Axel F’: The Laziest Film of the Season

Forty years later, the city of Detroit remains grim, and star Eddie Murphy remains very funny... and lazy. This latest installment, "Beverly Hills Cop: Axel F," a new sequel to the 1984 hit that turned Murphy into a global megastar, arrives on Netflix as a nostalgia...