Má Educação é um filme sobre um assunto do qual nós, brasileiros, conhecemos bem: desvio de dinheiro público. Este telefilme da HBO dirigido por Cory Finley e estrelado pelos astros Hugh Jackman (“Logan“) e Allison Janney (“Eu, Tonya”) é baseado na história real do maior escândalo de desvio de recursos da educação da história dos Estados Unidos, descoberto no começo dos anos 2000. Nem sempre vemos o cinema ou a TV norte-americanos abordarem esse tipo de assunto, portanto é refrescante ver como certas coisas, no caso a corrupção, acabam sendo mesmo universais…

A história se passa na escola Roslyn, no distrito de Nova York. No começo do filme, tudo é festa: a escola foi recém-avaliada como a quarta melhor do país no ranking das escolas públicas e o índice de entrada de alunos da Roslyn em grandes universidades está batendo recordes. O diretor da escola, Frank Tassone (Jackman), não poderia estar mais feliz. Querido por pais e alunos, ele é a face de um projeto educacional bem-sucedido. Seu braço direito é a sua amiga Pam Gluckin (Janney), a superintendente que administra as finanças da instituição. O objetivo de ambos é tornar Roslyn a número 1 do ranking. Mas… quando começam a descobrir uns gastos estranhos no cartão de crédito da escola, feitos por Pam, tem início a descoberta de um grande escândalo motivado pela boa e velha ganância e por indivíduos que têm segredos a esconder…

As melhores razões para se assistir a Má Educação são mesmo as atuações de Janney e Jackman. Nenhum dos dois interpreta seus personagens como vilões, e é um mérito do roteiro não caracterizá-los assim. Janney, como sempre, cria uma personagem com energia e um lado até divertido, no inicio da trama. E Jackman compõe uma figura definida pela aparência, com seus ternos impecáveis e cabelo sempre arrumado, mas que esconde algo. É incrível como, só com um sorriso, o ator nos leva a desconfiar de Frank. Apesar do charme, sabemos instantaneamente que há algo errado com ele, o que cria a tensão inicial da narrativa. O Frank Tassone é realmente mais uma interessantíssima criação de Jackman e um dos seus melhores trabalhos nas telas.

Além dos dois astros, a jovem Geraldine Viswanathan também se destaca como a aluna da escola que aos poucos desvenda o escândalo – um dos aspectos mais curiosos da história real foi o fato dela ter sido denunciada inicialmente não por um grande veículo da imprensa, mas pelo pequeno jornal escolar.

DRAMA MORNO

O jovem cineasta Finley, revelado pela interessante comédia indie de humor negro Puro-Sangue (2018), conduz Má Educação também com toques de humor negro e sátira, mas sem grandes lances criativos na direção. A não ser pela fotografia inteligente de Lyle Vincent, que geralmente ilumina todas as cenas com uma luz dura, o que ajuda a noção do filme de expor aquilo que está escondido, não há muito a se destacar em Má Educação pela parte técnica.

E esse acaba sendo o problema do filme. Apesar dos bons trabalhos dos atores, falta a Má Educação um pulso mais firme para fazer essa história realmente alçar voo. A limitação maior do filme é mesmo o seu enfoque: ele acaba prestando mais atenção no escândalo em si, e menos nas pessoas por trás deles. Nunca mergulhamos de verdade no Frank ou na Pam, a ponto de compreendermos realmente porque faziam as coisas. Acabamos sem um estudo de personagens de verdade, pois, ao longo do filme temos apenas pistas. Isso até serve, mas um pouco mais de profundidade faz falta. E a condução de Finley é morna: apesar de ter momentos de humor, o filme nem é tão forte nesse quesito. O humor não é tão engraçado, e nem o drama é tão forte; como resultado, o filme fica num meio-termo.

A história é muito interessante, mas o filme nem sempre desperta tanto interesse por parte do espectador. Na maior parte de Má Educação só acompanhamos o show, especialmente de Jackman, e isso serve para nos entreter. Talvez para nós, brasileiros, haja um elemento de diversão a mais, quando percebemos que essa história poderia perfeitamente acontecer aqui. Aliás, com certeza já aconteceu. Ou está acontecendo.

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...