Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados – “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) – o filho de Barry Levinson (Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36 anos, o diretor pensou estar pronto para refletir de forma ácida sobre a indústria e a crítica do cinema, relacionamentos abusivos, ego, drama com drogas e o que aparecesse pela frente. Por fim, por que não realizar este projeto superando todos os desafios impostos pela pandemia da COVID-19, logo na primeira onda, como uma forma de resistência da arte? 

Apesar da execução aparentemente minimalista – apenas dois atores contracenando em uma trama filmada em preto e branco, ambientada em um único local e concentrada nos diálogos – “Malcolm & Marie” se vê dominada pelo ego de seu diretor/roteirista. Isso chega a um ponto que eclipsa os próprios personagens em uma das produções mais pedantes e histéricas realizadas no cinema americano nos últimos anos. De fazer corar Alejandro González Iñarritu. 

Pior que “Malcolm & Marie” até começa bem ao pontuar as bases de sua trama: o casal vivido por um diretor de cinema (John David Washington) e uma atriz (Zendaya) chegam em uma bela casa alugada pela distribuidora após a sessão do aguardado novo filme dele. A expectativa é pelas primeiras críticas a serem divulgadas pela imprensa. Porém, enquanto Malcolm está uma pilha de nervos e euforia (rá), Marie se mostra em outra sintonia, levemente decepcionada. O motivo? Não ter sido citada no discurso de agradecimento do namorado, sendo que boa parte da história do longa é baseada na trajetória dela. 

A produção disponível na Netflix bebe diretamente na fonte de “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?”, obra-prima de Mike Nichols com atuações sem freios de Elizabeth Taylor e Richard Burton, de 1966. Da própria escolha do preto e branco à casa isolada passando pelos ataques em formas de diálogos cruéis feitos para machucar um ao outro até o álcool sendo um impulsionador do caos para despertar amarguras e feridas não cicatrizadas de anos de relacionamento. Se Washington assume a postura de metralhadora giratória falando sem parar o que vem na cabeça, Zendaya faz um contraponto interessante ao ser mais observadora, deixando implícito através do silêncio e de um simples olhar de tédio uma faceta do seu companheiro: o egocentrismo.  

CHILIQUES ÉPICO 

Aqui, “Malcolm & Marie” começa a se diferenciar da sua inspiração, afinal, ainda que odiosos, os personagens de Taylor e Burton eram sedutoramente fascinantes pela inteligência de ambos, sendo perceptível que, apesar de todo o sadismo, os dois reconheciam e admiravam isso um no outro. Já Sam Levinson passa longe disso ao tornar Malcolm um simples idiota egoísta, mimado, focado apenas em si e disposto a atacar Marie das formas mais baixas possíveis, contrapondo – sem sucesso – com breves momentos de ternura e fragilidade. A postura mais sóbria, racional e comedida dela amplificam este contraste, servindo mais como um retrato de um relacionamento abusivo dos mais vis do que um duelo psicológico minimamente interessante. 

A situação piora ainda mais quando Levinson abre parênteses nesta história para tecer críticas das mais diversas ao mundo do cinema. Há, sem dúvidas, pontos de vistas interessantes como a desnecessária busca por explicações e significados como se uma obra tivesse que dar respostas a tudo ou os clichês da crítica. Porém, o tom sempre acima do personagem de Malcolm e a arrogância de quem deseja mirar em tudo e todos sobre qualquer assunto torna tudo pedante. Fico imaginando os tão citados e Spike Lee ou Barry Jenkins assistindo “Malcolm & Marie” escutando indagações e indignações sobre cinema político, entretenimento e a situação do negro na indústria feita de forma tão pobre e superficial como Levinson propõe.

O chilique do personagem de Washington aos berros tira qualquer um do sério (Zendaya batendo a perna no sofá sem paciência sintetiza bem a reação do público) e vira ápice desta egotrip de um rapaz em início da carreira se achando o dono do mundo e sábio mais do que realmente é. E não há fotografia em preto e branco ou um par de atores lindos e talentosos muito menos uma trilha de primeira capaz de esconder isso. 

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...