Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados – “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) – o filho de Barry Levinson (Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36 anos, o diretor pensou estar pronto para refletir de forma ácida sobre a indústria e a crítica do cinema, relacionamentos abusivos, ego, drama com drogas e o que aparecesse pela frente. Por fim, por que não realizar este projeto superando todos os desafios impostos pela pandemia da COVID-19, logo na primeira onda, como uma forma de resistência da arte? 

Apesar da execução aparentemente minimalista – apenas dois atores contracenando em uma trama filmada em preto e branco, ambientada em um único local e concentrada nos diálogos – “Malcolm & Marie” se vê dominada pelo ego de seu diretor/roteirista. Isso chega a um ponto que eclipsa os próprios personagens em uma das produções mais pedantes e histéricas realizadas no cinema americano nos últimos anos. De fazer corar Alejandro González Iñarritu. 

Pior que “Malcolm & Marie” até começa bem ao pontuar as bases de sua trama: o casal vivido por um diretor de cinema (John David Washington) e uma atriz (Zendaya) chegam em uma bela casa alugada pela distribuidora após a sessão do aguardado novo filme dele. A expectativa é pelas primeiras críticas a serem divulgadas pela imprensa. Porém, enquanto Malcolm está uma pilha de nervos e euforia (rá), Marie se mostra em outra sintonia, levemente decepcionada. O motivo? Não ter sido citada no discurso de agradecimento do namorado, sendo que boa parte da história do longa é baseada na trajetória dela. 

A produção disponível na Netflix bebe diretamente na fonte de “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?”, obra-prima de Mike Nichols com atuações sem freios de Elizabeth Taylor e Richard Burton, de 1966. Da própria escolha do preto e branco à casa isolada passando pelos ataques em formas de diálogos cruéis feitos para machucar um ao outro até o álcool sendo um impulsionador do caos para despertar amarguras e feridas não cicatrizadas de anos de relacionamento. Se Washington assume a postura de metralhadora giratória falando sem parar o que vem na cabeça, Zendaya faz um contraponto interessante ao ser mais observadora, deixando implícito através do silêncio e de um simples olhar de tédio uma faceta do seu companheiro: o egocentrismo.  

CHILIQUES ÉPICO 

Aqui, “Malcolm & Marie” começa a se diferenciar da sua inspiração, afinal, ainda que odiosos, os personagens de Taylor e Burton eram sedutoramente fascinantes pela inteligência de ambos, sendo perceptível que, apesar de todo o sadismo, os dois reconheciam e admiravam isso um no outro. Já Sam Levinson passa longe disso ao tornar Malcolm um simples idiota egoísta, mimado, focado apenas em si e disposto a atacar Marie das formas mais baixas possíveis, contrapondo – sem sucesso – com breves momentos de ternura e fragilidade. A postura mais sóbria, racional e comedida dela amplificam este contraste, servindo mais como um retrato de um relacionamento abusivo dos mais vis do que um duelo psicológico minimamente interessante. 

A situação piora ainda mais quando Levinson abre parênteses nesta história para tecer críticas das mais diversas ao mundo do cinema. Há, sem dúvidas, pontos de vistas interessantes como a desnecessária busca por explicações e significados como se uma obra tivesse que dar respostas a tudo ou os clichês da crítica. Porém, o tom sempre acima do personagem de Malcolm e a arrogância de quem deseja mirar em tudo e todos sobre qualquer assunto torna tudo pedante. Fico imaginando os tão citados e Spike Lee ou Barry Jenkins assistindo “Malcolm & Marie” escutando indagações e indignações sobre cinema político, entretenimento e a situação do negro na indústria feita de forma tão pobre e superficial como Levinson propõe.

O chilique do personagem de Washington aos berros tira qualquer um do sério (Zendaya batendo a perna no sofá sem paciência sintetiza bem a reação do público) e vira ápice desta egotrip de um rapaz em início da carreira se achando o dono do mundo e sábio mais do que realmente é. E não há fotografia em preto e branco ou um par de atores lindos e talentosos muito menos uma trilha de primeira capaz de esconder isso. 

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...