Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados – “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) – o filho de Barry Levinson (Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36 anos, o diretor pensou estar pronto para refletir de forma ácida sobre a indústria e a crítica do cinema, relacionamentos abusivos, ego, drama com drogas e o que aparecesse pela frente. Por fim, por que não realizar este projeto superando todos os desafios impostos pela pandemia da COVID-19, logo na primeira onda, como uma forma de resistência da arte? 

Apesar da execução aparentemente minimalista – apenas dois atores contracenando em uma trama filmada em preto e branco, ambientada em um único local e concentrada nos diálogos – “Malcolm & Marie” se vê dominada pelo ego de seu diretor/roteirista. Isso chega a um ponto que eclipsa os próprios personagens em uma das produções mais pedantes e histéricas realizadas no cinema americano nos últimos anos. De fazer corar Alejandro González Iñarritu. 

Pior que “Malcolm & Marie” até começa bem ao pontuar as bases de sua trama: o casal vivido por um diretor de cinema (John David Washington) e uma atriz (Zendaya) chegam em uma bela casa alugada pela distribuidora após a sessão do aguardado novo filme dele. A expectativa é pelas primeiras críticas a serem divulgadas pela imprensa. Porém, enquanto Malcolm está uma pilha de nervos e euforia (rá), Marie se mostra em outra sintonia, levemente decepcionada. O motivo? Não ter sido citada no discurso de agradecimento do namorado, sendo que boa parte da história do longa é baseada na trajetória dela. 

A produção disponível na Netflix bebe diretamente na fonte de “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?”, obra-prima de Mike Nichols com atuações sem freios de Elizabeth Taylor e Richard Burton, de 1966. Da própria escolha do preto e branco à casa isolada passando pelos ataques em formas de diálogos cruéis feitos para machucar um ao outro até o álcool sendo um impulsionador do caos para despertar amarguras e feridas não cicatrizadas de anos de relacionamento. Se Washington assume a postura de metralhadora giratória falando sem parar o que vem na cabeça, Zendaya faz um contraponto interessante ao ser mais observadora, deixando implícito através do silêncio e de um simples olhar de tédio uma faceta do seu companheiro: o egocentrismo.  

CHILIQUES ÉPICO 

Aqui, “Malcolm & Marie” começa a se diferenciar da sua inspiração, afinal, ainda que odiosos, os personagens de Taylor e Burton eram sedutoramente fascinantes pela inteligência de ambos, sendo perceptível que, apesar de todo o sadismo, os dois reconheciam e admiravam isso um no outro. Já Sam Levinson passa longe disso ao tornar Malcolm um simples idiota egoísta, mimado, focado apenas em si e disposto a atacar Marie das formas mais baixas possíveis, contrapondo – sem sucesso – com breves momentos de ternura e fragilidade. A postura mais sóbria, racional e comedida dela amplificam este contraste, servindo mais como um retrato de um relacionamento abusivo dos mais vis do que um duelo psicológico minimamente interessante. 

A situação piora ainda mais quando Levinson abre parênteses nesta história para tecer críticas das mais diversas ao mundo do cinema. Há, sem dúvidas, pontos de vistas interessantes como a desnecessária busca por explicações e significados como se uma obra tivesse que dar respostas a tudo ou os clichês da crítica. Porém, o tom sempre acima do personagem de Malcolm e a arrogância de quem deseja mirar em tudo e todos sobre qualquer assunto torna tudo pedante. Fico imaginando os tão citados e Spike Lee ou Barry Jenkins assistindo “Malcolm & Marie” escutando indagações e indignações sobre cinema político, entretenimento e a situação do negro na indústria feita de forma tão pobre e superficial como Levinson propõe.

O chilique do personagem de Washington aos berros tira qualquer um do sério (Zendaya batendo a perna no sofá sem paciência sintetiza bem a reação do público) e vira ápice desta egotrip de um rapaz em início da carreira se achando o dono do mundo e sábio mais do que realmente é. E não há fotografia em preto e branco ou um par de atores lindos e talentosos muito menos uma trilha de primeira capaz de esconder isso. 

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...

‘The Humans’: um jantar de Ação de Graças sobre ausências

“The Humans” é a adaptação da peça de teatro homônima de Stephen Karam, premiada com o Tony de melhor peça em 2016. A história serve de début para o dramaturgo como diretor de filmes. Nela acompanhamos o jantar de Ação de Graças de uma família no novo apartamento da...