Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados – “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) – o filho de Barry Levinson (Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36 anos, o diretor pensou estar pronto para refletir de forma ácida sobre a indústria e a crítica do cinema, relacionamentos abusivos, ego, drama com drogas e o que aparecesse pela frente. Por fim, por que não realizar este projeto superando todos os desafios impostos pela pandemia da COVID-19, logo na primeira onda, como uma forma de resistência da arte? 

Apesar da execução aparentemente minimalista – apenas dois atores contracenando em uma trama filmada em preto e branco, ambientada em um único local e concentrada nos diálogos – “Malcolm & Marie” se vê dominada pelo ego de seu diretor/roteirista. Isso chega a um ponto que eclipsa os próprios personagens em uma das produções mais pedantes e histéricas realizadas no cinema americano nos últimos anos. De fazer corar Alejandro González Iñarritu. 

Pior que “Malcolm & Marie” até começa bem ao pontuar as bases de sua trama: o casal vivido por um diretor de cinema (John David Washington) e uma atriz (Zendaya) chegam em uma bela casa alugada pela distribuidora após a sessão do aguardado novo filme dele. A expectativa é pelas primeiras críticas a serem divulgadas pela imprensa. Porém, enquanto Malcolm está uma pilha de nervos e euforia (rá), Marie se mostra em outra sintonia, levemente decepcionada. O motivo? Não ter sido citada no discurso de agradecimento do namorado, sendo que boa parte da história do longa é baseada na trajetória dela. 

A produção disponível na Netflix bebe diretamente na fonte de “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?”, obra-prima de Mike Nichols com atuações sem freios de Elizabeth Taylor e Richard Burton, de 1966. Da própria escolha do preto e branco à casa isolada passando pelos ataques em formas de diálogos cruéis feitos para machucar um ao outro até o álcool sendo um impulsionador do caos para despertar amarguras e feridas não cicatrizadas de anos de relacionamento. Se Washington assume a postura de metralhadora giratória falando sem parar o que vem na cabeça, Zendaya faz um contraponto interessante ao ser mais observadora, deixando implícito através do silêncio e de um simples olhar de tédio uma faceta do seu companheiro: o egocentrismo.  

CHILIQUES ÉPICO 

Aqui, “Malcolm & Marie” começa a se diferenciar da sua inspiração, afinal, ainda que odiosos, os personagens de Taylor e Burton eram sedutoramente fascinantes pela inteligência de ambos, sendo perceptível que, apesar de todo o sadismo, os dois reconheciam e admiravam isso um no outro. Já Sam Levinson passa longe disso ao tornar Malcolm um simples idiota egoísta, mimado, focado apenas em si e disposto a atacar Marie das formas mais baixas possíveis, contrapondo – sem sucesso – com breves momentos de ternura e fragilidade. A postura mais sóbria, racional e comedida dela amplificam este contraste, servindo mais como um retrato de um relacionamento abusivo dos mais vis do que um duelo psicológico minimamente interessante. 

A situação piora ainda mais quando Levinson abre parênteses nesta história para tecer críticas das mais diversas ao mundo do cinema. Há, sem dúvidas, pontos de vistas interessantes como a desnecessária busca por explicações e significados como se uma obra tivesse que dar respostas a tudo ou os clichês da crítica. Porém, o tom sempre acima do personagem de Malcolm e a arrogância de quem deseja mirar em tudo e todos sobre qualquer assunto torna tudo pedante. Fico imaginando os tão citados e Spike Lee ou Barry Jenkins assistindo “Malcolm & Marie” escutando indagações e indignações sobre cinema político, entretenimento e a situação do negro na indústria feita de forma tão pobre e superficial como Levinson propõe.

O chilique do personagem de Washington aos berros tira qualquer um do sério (Zendaya batendo a perna no sofá sem paciência sintetiza bem a reação do público) e vira ápice desta egotrip de um rapaz em início da carreira se achando o dono do mundo e sábio mais do que realmente é. E não há fotografia em preto e branco ou um par de atores lindos e talentosos muito menos uma trilha de primeira capaz de esconder isso. 

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...