Depois do remake de O Rei Leão’, a Disney realmente nos convenceu de que não importa o quão desnecessário o filme seja, ele será produzido para conquistar o topo das bilheterias. Este é o exato caso de ‘Malévola – Dona do Mal’, o qual desperdiça toda proposta de mostrar uma história clássica a partir de sua vilã com uma trama previsível e um roteiro tão cheio de furos que beira o absurdo.

Nesta continuação, Aurora (Elle Fanning) e Phillip (Harris Dickinson) decidem se casar apesar dos protestos de Malévola (Angelina Jolie). Entretanto, a rainha Ingrith (Michelle Pfeiffer) não apenas é contra o casamento como também reprime a proposta de selar paz entre o reino dos Moors e Ulsted, declarando guerra contra os seres encantados dos Moors.

Apesar do elenco ser carregado com um trio feminino forte, apenas Michelle Pfeiffer consegue segurar a trama e criar algum vínculo com o espectador, que nesse caso é de aversão por ser a grande vilã. Por outro lado, o protagonismo é dividido entre Fanning e Jolie, sendo que nenhuma das duas consegue criar empatia ou identificação com o público, situação criada principalmente pela má divisão de tramas no roteiro alternado entre as duas personagens.

VISUAL INCRÍVEL NÃO BASTA

Quanto às dificuldades do roteiro, acredito que a principal adversidade seja a criação de uma história interessante. Furos e clichês se tornam toleráveis na presença de uma trama envolvente, entretanto, o trio de roteiristas – Micah Fitzerman-Blue, Noah Harpster e Linda Woolverton – não consegue tornar isso realidade. Os momentos dramáticos não são bem construídos para se tornarem fortes, os alívios cômicos parecem mal colocados e incômodos e, para compensar tudo isso, o último ato apresenta consecutivos plots twists na tentativa de deixar uma boa impressão para o público ao sair da sala.

No meio de toda esta confusão, a Disney traz seu grande carro-chefe nos filmes live-action: o design de produção. Sim, para o estúdio o visual é tudo, sempre se tornando encantador para adultos e crianças. Neste caso, toda a criação do ecossistema dos Moors é trazida de volta, assim como a construção dos prédios em Ulsted, deixando sempre aparente a diferença entre os dois reinos a partir do visual.

Além do seu visual, a única boa de ‘Dona do Mal’ é que este parece ser o último filme da franquia Malévola nos cinemas. Com tantos erros no currículo somente este ano, quem sabe a estratégia de deixar o melhor para o final funcione para a Disney com a estreia de ‘Frozen 2’.

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...