“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em um momento de independência (ponto central para a narrativa) onde ela está de mudança para uma quitinete e irá morar sozinha pela primeira vez. Nesse momento, ela descobre a existência de um filho que não conhecia, Gersinho, gerado 10 anos atrás e quando Cassandra ainda não havia iniciado sua transição.

A série possui cinco episódios de 30 minutos em média. A duração é importante pois “Manhãs de setembro” agrega características de uma série, como personagens secundários com mais espaço do que teriam em um longa-metragem, ou mais arcos do que a estrutura tradicional de um filme, que, pela sua curta duração, acabam ficando de lado. O próprio plot principal da obra – a aparição inesperada do filho – fica prejudicada por essa estrutura.

FIDELIDADE A SI MESMA

Sem dúvidas, “Manhãs de Setembro” possui como maior valor suas atuações. Liniker está muito bem em seu papel, embora sua personagem não passe por tantas transformações como se é esperado em uma estrutura clássica de seriado. Podemos observar a força de uma mulher que tenta se afirmar a cada instante, principalmente em relação a sua questão financeira. Do início ao fim, “Manhãs de setembro” trata sobre independência. Como ela pode ser conquistada ou perdida e como chega com mais dificuldade para pessoas em grupos socialmente agredidos.

É interessante, nesse ponto, como a série constrói Cassandra como uma personagem que não pretende dar o braço a torcer para constituir suas vontades, colocando-a em situações dúbias, fazendo-a parecer a vilã em certos momentos, mas sem crucificá-la. Cassandra mantém-se fiel a si mesma do início ao fim. Para essa situação, Leide (Karine Teles), a mãe do filho de Cassandra, é a personagem que mais contribui. Ela abarca os momentos mais engraçados e também sensíveis da história, cumprindo bem um papel de antagonista carismática.

 ROMANCE MAL ESTRUTURADO

O romance entre Cassandra e Ivaldo é o outro arco com maior presença na narrativa, e é nele onde persiste a maior inconstância de “Manhãs de Setembro”. É notório que a série queria abarcar as dificuldades de um relacionamento amoroso para uma mulher trans, ainda mais com um homem cis.

Mas o romance dos personagens é melhor construído em sua fase boa, já que a desconstrução da harmonia entre os dois é um tanto abrupta e sofre com a já citada curta duração. A relação de Ivaldo com sua família poderia ser mais explorada para construir uma base maior para o momento de cisão entre ele e Cassandra, já que a chegada de Gersinho não foi colocada como um problema para o relacionamento dos dois.

Tendo o término do romance essa construção falha, a sequência que serviria para colocar Cassandra mais uma vez nesse lugar de independência (agora em relação ao namoro) é prejudicada.

Nesse sentido, a cena onde ela conversa junto as suas amigas sobre as dificuldades pelas quais mulheres trans e travestis passam em relacionamentos com homens cis funciona de forma isolada, ao construir uma cena bonita entre as personagens, mas distante do restante da obra.

VANUSA, A MUSA INSPIRADORA

A relação entre a protagonista e seu filho, por outro lado, recebe um final condizente com seu desenvolvimento. Ao longo da série, Cassandra convive com a voz de sua ídola Vanusa na cabeça. O título da série é uma homenagem à cantora, que possui uma música homônima ao título que, inclusive, é interpretada durante os episódios.

A voz de Vanusa que ecoa na cabeça de Cassandra sempre se refere aos anseios da protagonista. Logo no início, vemos uma foto de Vanusa e da mãe da motogirl na parede da quitinete. Algum tempo depois, fica claro que a relação de Cassandra com sua mãe é um tanto traumática.

É nesse caminho, para estabelecer uma melhor relação com seu filho, que Cassandra contraria a voz que permeia seus pensamentos, completando seu arco de independência, agora em relação a seus medos maternos, mas sem fazê-la sair de seu lugar de afirmação ou apelar para uma reconciliação melodramática que, de forma nenhuma, combinaria com a protagonista.

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...