Matthias e Maxime é uma história de descoberta de amor contada com singeleza e sinceridade, e é também provavelmente a melhor coisa que o jovem cineasta franco-canadense Xavier Dolan poderia fazer a esta altura de sua carreira. Dolan é um nome muito badalado – mesmo com todo o hype em torno dele, numa nota pessoal acho que Dolan realmente fez alguns ótimos filmes, como Eu Matei Minha Mãe (2009), Laurence Anyways (2012) e Mommy (2014). Mas então o hype aparentemente lhe subiu à cabeça, ele fez a bomba É Apenas o Fim do Mundo (2016) – e depois brigou com os críticos que chamaram seu filme de ruim, porque era – e então lançou The Death and Life of John F. Donovan (2018), que passou em brancas nuvens. Seus filmes começaram a ser exibidos em Cannes, ele começou a trabalhar com grandes estrelas como Marion Cotillard e Natalie Portman, e sua carreira ameaçou desandar. Matthias e Maxime é, felizmente, uma correção de curso.

Os dois personagens do título são amigos de infância que estão chegando a um momento importante de suas vidas. Matthias (vivido por Gabriel d’Almeida Freitas) tem uma vida estável profissionalmente, uma namorada e é um cara certinho. Já Maxime (interpretado pelo próprio Dolan) é um sujeito meio perdido na vida, tem uma relação conturbada com a mãe (Anne Dorval, voltando a trabalhar com o diretor/ator) e está prestes a viajar para a Austrália sem ter muita noção sobre como vai viver por lá. Numa noite, durante uma festa, os dois aceitam, mediante uma aposta, participar da filmagem do curta estudantil de uma amiga. Na cena, eles precisam se beijar, e se beijam. A partir daí, os dois rapazes começam a se sentir sacudidos emocionalmente, descobrindo um sentimento entre eles que vai além da mera amizade.

Dolan filma essa história de maneira focada e investindo no naturalismo. Embora ele às vezes até caia nuns exageros estilísticos, Matthias e Maxime é um filme bem sóbrio e dominado pelo naturalismo, tanto nas atuações quanto na estética. Alguns momentos mais dramáticos são filmados com a câmera na mão, mas de modo geral é um filme bastante delicado – um gesto envolvendo a mancha no rosto de Maxime numa cena importante é bem efetivo, justamente por ser pequeno, por não ser exagerado.

RETORNO À ZONA DE CONFORTO

De fato, Dolan investe na introspecção dos seus personagens. Como, por exemplo, quando filma Matthias nadando num lago e se perdendo, ou quando vemos Maxime observando um outdoor com a enorme foto de uma família tradicional. As cenas de confraternização entre os jovens realmente transmitem uma sensação de autenticidade, com a câmera do filme se comportando como uma mosquinha na parede, a espera de um momento de desconforto ou de um conflito fervilhando sob a superfície. Dolan nem mostra o beijo dos personagens no curta-metragem e deixa esse momento-chave da história para a imaginação do espectador.

Embora o cineasta se mostre mais contido, ainda há um floreio ou momento meio exagerado aqui e ali, como uma cena em que Maxime quebra um espelho, mas continuamos vendo seu “reflexo”, ou nas brigas do personagem com a mãe, que no fim das contas não acrescentam muito à narrativa. Mesmo assim, são momentos pontuais numa obra que prima pela singeleza.

Matthias e Maxime é um filme de jovens irrequietos que são surpreendidos e acabam tendo que dar uma parada. De certa forma, o mesmo parece ter ocorrido com o realizador, que entrega aqui sua obra mais madura até agora. É um filme de um jovem maduro, sobre outros jovens, descobrindo algo sobre a vida, e por isso acaba se tornando cativante. É aquele típico filme pequeno que cineastas de vez em quando fazem após alguns grandes projetos, para recarregar as baterias. Pode-se até argumentar, tendo em vista seus primeiros filmes, que para Xavier Dolan, Matthias e Maxime representa um retorno a uma zona de conforto. Mas zonas de conforto não são algo necessariamente ruim, depende de como elas são usadas. Neste filme, Dolan dá um passo para trás, para enxergar mais longe.

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...