Matthias e Maxime é uma história de descoberta de amor contada com singeleza e sinceridade, e é também provavelmente a melhor coisa que o jovem cineasta franco-canadense Xavier Dolan poderia fazer a esta altura de sua carreira. Dolan é um nome muito badalado – mesmo com todo o hype em torno dele, numa nota pessoal acho que Dolan realmente fez alguns ótimos filmes, como Eu Matei Minha Mãe (2009), Laurence Anyways (2012) e Mommy (2014). Mas então o hype aparentemente lhe subiu à cabeça, ele fez a bomba É Apenas o Fim do Mundo (2016) – e depois brigou com os críticos que chamaram seu filme de ruim, porque era – e então lançou The Death and Life of John F. Donovan (2018), que passou em brancas nuvens. Seus filmes começaram a ser exibidos em Cannes, ele começou a trabalhar com grandes estrelas como Marion Cotillard e Natalie Portman, e sua carreira ameaçou desandar. Matthias e Maxime é, felizmente, uma correção de curso.

Os dois personagens do título são amigos de infância que estão chegando a um momento importante de suas vidas. Matthias (vivido por Gabriel d’Almeida Freitas) tem uma vida estável profissionalmente, uma namorada e é um cara certinho. Já Maxime (interpretado pelo próprio Dolan) é um sujeito meio perdido na vida, tem uma relação conturbada com a mãe (Anne Dorval, voltando a trabalhar com o diretor/ator) e está prestes a viajar para a Austrália sem ter muita noção sobre como vai viver por lá. Numa noite, durante uma festa, os dois aceitam, mediante uma aposta, participar da filmagem do curta estudantil de uma amiga. Na cena, eles precisam se beijar, e se beijam. A partir daí, os dois rapazes começam a se sentir sacudidos emocionalmente, descobrindo um sentimento entre eles que vai além da mera amizade.

Dolan filma essa história de maneira focada e investindo no naturalismo. Embora ele às vezes até caia nuns exageros estilísticos, Matthias e Maxime é um filme bem sóbrio e dominado pelo naturalismo, tanto nas atuações quanto na estética. Alguns momentos mais dramáticos são filmados com a câmera na mão, mas de modo geral é um filme bastante delicado – um gesto envolvendo a mancha no rosto de Maxime numa cena importante é bem efetivo, justamente por ser pequeno, por não ser exagerado.

RETORNO À ZONA DE CONFORTO

De fato, Dolan investe na introspecção dos seus personagens. Como, por exemplo, quando filma Matthias nadando num lago e se perdendo, ou quando vemos Maxime observando um outdoor com a enorme foto de uma família tradicional. As cenas de confraternização entre os jovens realmente transmitem uma sensação de autenticidade, com a câmera do filme se comportando como uma mosquinha na parede, a espera de um momento de desconforto ou de um conflito fervilhando sob a superfície. Dolan nem mostra o beijo dos personagens no curta-metragem e deixa esse momento-chave da história para a imaginação do espectador.

Embora o cineasta se mostre mais contido, ainda há um floreio ou momento meio exagerado aqui e ali, como uma cena em que Maxime quebra um espelho, mas continuamos vendo seu “reflexo”, ou nas brigas do personagem com a mãe, que no fim das contas não acrescentam muito à narrativa. Mesmo assim, são momentos pontuais numa obra que prima pela singeleza.

Matthias e Maxime é um filme de jovens irrequietos que são surpreendidos e acabam tendo que dar uma parada. De certa forma, o mesmo parece ter ocorrido com o realizador, que entrega aqui sua obra mais madura até agora. É um filme de um jovem maduro, sobre outros jovens, descobrindo algo sobre a vida, e por isso acaba se tornando cativante. É aquele típico filme pequeno que cineastas de vez em quando fazem após alguns grandes projetos, para recarregar as baterias. Pode-se até argumentar, tendo em vista seus primeiros filmes, que para Xavier Dolan, Matthias e Maxime representa um retorno a uma zona de conforto. Mas zonas de conforto não são algo necessariamente ruim, depende de como elas são usadas. Neste filme, Dolan dá um passo para trás, para enxergar mais longe.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...