Pode soar como uma frase tirada diretamente de um livro de mindfulness (técnica de atenção plena), mas de uma forma ou de outra, a maioria das experiências de uma pessoa é mediada pelo corpo. Conduzido desta forma de maneira poética, “Memories of My Body”, de Garin Nugroho, é uma reflexão sobre uma existência vivida em plenitude – explorando o desejo, procurando o conhecimento e abraçando o intangível em um mundo totalmente material. 

O filme – selecionado como parte da seção Open Doors do Festival de Cinema de Locarno deste ano – é um amadurecimento vagamente baseado na vida do dançarino indonésio Rianto, que aparece no filme como narrador. Suas aparições servem como um dispositivo de enquadramento, marcando quatro contos de descoberta e crescimento ocorridos em diferentes épocas. 

A contraparte cinematográfica de Rianto se chama Juno e “Memories of My Body” o acompanha enquanto ele passa de uma criança de uma comunidade rural a um artista fascinante que atrapalha uma eleição local. Abandonando a tradicional abordagem biográfica, o roteiro – escrito também por Nugroho – está mais preocupado com o aspecto formativo das experiências do menino do que com a obediência a uma cronologia regular, usando elipses e desvios estilísticos conforme achar apropriado. 

‘O DESTINO VIVE NA GRAÇA DO SEU CORPO’ 

A partir do pôster de David Bowie – o padroeiro da transformação da cultura pop – que se vê no início do filme, a jornada do protagonista é um processo de assimilação e mudança, em que tudo o que é vivido se torna um conhecimento transformador. Logo na primeira história, em que descobre quais galinhas devem botar ovos por seus dedos, ele percebe a importância do corpo nesse processo, que o leva ao Lengger – uma antiga dança tradicional indonesiana. 

À medida que a técnica de Lengger de Juno se expande, “Memories of My Body” reforça a ideia de que tudo é dança, no sentido de que é uma forma de movimento vivida pelo corpo. Porque o dançarino vê isso e pode adquirir habilidades facilmente e elas permitem que ele avance. 

Sua visão é capaz de medir as pessoas sem tocá-las. Seu toque o torna um costureiro habilidoso. Sua conexão com os elementos o torna desejável tanto por políticos quanto por feiticeiros. No meio de tudo isso, ele absorve tudo: se apaixona, é abandonado, encontra sua verdadeira vocação, perde sua família, perambula pelo país e faz muito sexo. 

Em algum momento, o narrador diz que “o destino vive na graça do seu corpo” e essa afirmação resume muito bem o filme. Em seu abraço desavergonhado da fisicalidade que conecta a alma humana ao mundo que a rodeia, “Memories of My Body” sugere uma realidade onde a linha que separa esses dois é mais tênue – e nem mesmo mil livros de mindfulness vão tirar essa ideia de sua beleza. 

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...