Pode soar como uma frase tirada diretamente de um livro de mindfulness (técnica de atenção plena), mas de uma forma ou de outra, a maioria das experiências de uma pessoa é mediada pelo corpo. Conduzido desta forma de maneira poética, “Memories of My Body”, de Garin Nugroho, é uma reflexão sobre uma existência vivida em plenitude – explorando o desejo, procurando o conhecimento e abraçando o intangível em um mundo totalmente material. 

O filme – selecionado como parte da seção Open Doors do Festival de Cinema de Locarno deste ano – é um amadurecimento vagamente baseado na vida do dançarino indonésio Rianto, que aparece no filme como narrador. Suas aparições servem como um dispositivo de enquadramento, marcando quatro contos de descoberta e crescimento ocorridos em diferentes épocas. 

A contraparte cinematográfica de Rianto se chama Juno e “Memories of My Body” o acompanha enquanto ele passa de uma criança de uma comunidade rural a um artista fascinante que atrapalha uma eleição local. Abandonando a tradicional abordagem biográfica, o roteiro – escrito também por Nugroho – está mais preocupado com o aspecto formativo das experiências do menino do que com a obediência a uma cronologia regular, usando elipses e desvios estilísticos conforme achar apropriado. 

‘O DESTINO VIVE NA GRAÇA DO SEU CORPO’ 

A partir do pôster de David Bowie – o padroeiro da transformação da cultura pop – que se vê no início do filme, a jornada do protagonista é um processo de assimilação e mudança, em que tudo o que é vivido se torna um conhecimento transformador. Logo na primeira história, em que descobre quais galinhas devem botar ovos por seus dedos, ele percebe a importância do corpo nesse processo, que o leva ao Lengger – uma antiga dança tradicional indonesiana. 

À medida que a técnica de Lengger de Juno se expande, “Memories of My Body” reforça a ideia de que tudo é dança, no sentido de que é uma forma de movimento vivida pelo corpo. Porque o dançarino vê isso e pode adquirir habilidades facilmente e elas permitem que ele avance. 

Sua visão é capaz de medir as pessoas sem tocá-las. Seu toque o torna um costureiro habilidoso. Sua conexão com os elementos o torna desejável tanto por políticos quanto por feiticeiros. No meio de tudo isso, ele absorve tudo: se apaixona, é abandonado, encontra sua verdadeira vocação, perde sua família, perambula pelo país e faz muito sexo. 

Em algum momento, o narrador diz que “o destino vive na graça do seu corpo” e essa afirmação resume muito bem o filme. Em seu abraço desavergonhado da fisicalidade que conecta a alma humana ao mundo que a rodeia, “Memories of My Body” sugere uma realidade onde a linha que separa esses dois é mais tênue – e nem mesmo mil livros de mindfulness vão tirar essa ideia de sua beleza. 

‘A Colônia’: documentário distante do objeto de seu estudo

“A Colônia” é um filme que mistura documentário e ficção para compor uma narrativa que se debruça sobre o bairro Antônio Justa em Maracanaú, interior do Ceará. O bairro surge a partir de uma antiga colônia criada para manter em isolamento pacientes com hanseníase. O...

‘Seguindo todos os protocolos’: inventivo olhar das redes sociais na pandemia

Há um universo nas redes sociais brasileiras ainda mal explorado na recente produção audiovisual do país. Embora sirva de pano de fundo para várias produções, o que vemos sempre resvala em pequenas sacadas óbvias, humor questionável ou críticas sociais com a...

‘A Pior Pessoa do Mundo’: dramédia romântica fora dos padrões

O que define um sujeito como “pior pessoa do mundo”? No mundo socialmente determinado, temos a clara noção do que é bom e ruim, dentro do que é aceito. Histórias são diversas, múltiplas e instigantes. Pense em uma pessoa ruim, por exemplo, certamente merece esse...

‘892’: John Boyega se agiganta em filme repleto de tensão

Há alguns anos, considero que John Boyega passou do ponto com as reclamações sobre sua participação na última trilogia Star Wars. Seu argumento tinha era bastante válido (a ausência de personagens não-brancos com maior destaque), mas também ecoava certo ataque de...

‘Uma Escola no Marajó’: um dia na vida de uma escola ribeirinha

Selecionado para a Mostra Panorama, “Uma Escola no Marajó” começa com uma viagem de barco pela ilha do título do filme, no interior do Pará. A embarcação é uma condução que leva as crianças que vivem em casas mais isoladas para a escola. O sol ainda não nasceu...

‘Marte Um’: a esperança que se recusa a morrer

Marte Um, de Gabriel Martins, começa literalmente na noite em que Jair Bolsonaro foi eleito presidente em 2018. Um garotinho negro olha para o céu enquanto os fogos de artificio pipocam à distância, em comemoração. É um filme que não tem um enfoque abertamente...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...