Pode soar como uma frase tirada diretamente de um livro de mindfulness (técnica de atenção plena), mas de uma forma ou de outra, a maioria das experiências de uma pessoa é mediada pelo corpo. Conduzido desta forma de maneira poética, “Memories of My Body”, de Garin Nugroho, é uma reflexão sobre uma existência vivida em plenitude – explorando o desejo, procurando o conhecimento e abraçando o intangível em um mundo totalmente material. 

O filme – selecionado como parte da seção Open Doors do Festival de Cinema de Locarno deste ano – é um amadurecimento vagamente baseado na vida do dançarino indonésio Rianto, que aparece no filme como narrador. Suas aparições servem como um dispositivo de enquadramento, marcando quatro contos de descoberta e crescimento ocorridos em diferentes épocas. 

A contraparte cinematográfica de Rianto se chama Juno e “Memories of My Body” o acompanha enquanto ele passa de uma criança de uma comunidade rural a um artista fascinante que atrapalha uma eleição local. Abandonando a tradicional abordagem biográfica, o roteiro – escrito também por Nugroho – está mais preocupado com o aspecto formativo das experiências do menino do que com a obediência a uma cronologia regular, usando elipses e desvios estilísticos conforme achar apropriado. 

‘O DESTINO VIVE NA GRAÇA DO SEU CORPO’ 

A partir do pôster de David Bowie – o padroeiro da transformação da cultura pop – que se vê no início do filme, a jornada do protagonista é um processo de assimilação e mudança, em que tudo o que é vivido se torna um conhecimento transformador. Logo na primeira história, em que descobre quais galinhas devem botar ovos por seus dedos, ele percebe a importância do corpo nesse processo, que o leva ao Lengger – uma antiga dança tradicional indonesiana. 

À medida que a técnica de Lengger de Juno se expande, “Memories of My Body” reforça a ideia de que tudo é dança, no sentido de que é uma forma de movimento vivida pelo corpo. Porque o dançarino vê isso e pode adquirir habilidades facilmente e elas permitem que ele avance. 

Sua visão é capaz de medir as pessoas sem tocá-las. Seu toque o torna um costureiro habilidoso. Sua conexão com os elementos o torna desejável tanto por políticos quanto por feiticeiros. No meio de tudo isso, ele absorve tudo: se apaixona, é abandonado, encontra sua verdadeira vocação, perde sua família, perambula pelo país e faz muito sexo. 

Em algum momento, o narrador diz que “o destino vive na graça do seu corpo” e essa afirmação resume muito bem o filme. Em seu abraço desavergonhado da fisicalidade que conecta a alma humana ao mundo que a rodeia, “Memories of My Body” sugere uma realidade onde a linha que separa esses dois é mais tênue – e nem mesmo mil livros de mindfulness vão tirar essa ideia de sua beleza. 

‘Queen & Slim’: Black Lives Matter em estética arrebatadora

Vencedora de dois Grammys pela direção do clipe “We Found Love”, de Rihanna, e o álbum visual “Formation”, de Beyoncé, Melina Matsoukas constrói um road movie pautado em violência, intolerância e reencontros em sua estreia na direção cinematográfica. “Queen &...

‘Memories of My Body’: ode à existência de um corpo em plenitude

Pode soar como uma frase tirada diretamente de um livro de mindfulness (técnica de atenção plena), mas de uma forma ou de outra, a maioria das experiências de uma pessoa é mediada pelo corpo. Conduzido desta forma de maneira poética, “Memories of My Body”,...

‘Invasão Zumbi 2: Península’: terror caça-níquel made in Coreia

Em nenhum outro gênero do cinema se produzem tantas continuações como o terror. Elas são feitas porque é um bom negócio: filmes de terror geralmente são baratos, e há o reconhecimento da marca. Quando é lançado e causa impressão junto ao público, ele vira uma marca, e...

‘Estou Pensando em Acabar Com Tudo’: estilo de Kaufman ao ponto da exaustão

Tem uma expressão que meu colega crítico Ivanildo Pereira cita em seus textos e encaixa perfeitamente para descrever Charlie Kaufman: “verborrágico”. O premiado roteirista e diretor é um artista repleto de personalidade e que apresenta temas recorrentes em suas obras...

‘Narciso em Férias’: a violência brasileira em resposta à poesia

Os 54 dias das prisões de Caetano Veloso e Gilberto Gil, entre dezembro de 1968 a fevereiro de 1969, não apenas simbolizaram o mais claro sinal do endurecimento contra a classe artística e intelectual promovido pela ditadura militar no Brasil após o Ato Institucional...

‘Mulan’: tentativa de agradar a todos gera live-action sem força

O live-action de ‘Mulan’, sem dúvida, foi uma das estreias mais afetadas pela pandemia da Covid-19: semanas antes de seu lançamento em março, os cinemas ao redor do mundo foram paralisados, incluindo a China, primeiro epicentro da doença. Além do filme tratar...

‘Tenet’: Christopher Nolan vence o público pelo cansaço

Quando anunciado em 2019, "Tenet" era apenas o mais recente (e antecipado) filme de um dos diretores mais aclamados da atualidade. A pandemia do COVID-19 o transformou em um símbolo da sala de cinema enquanto agente comercial e cultural e local de congregação. Seu...

‘The Beach House’: terror de boas ideias em filme irregular

Com a ideia de um terror embasado cientificamente, Jeffrey A. Brown faz sua estreia como diretor apresentando uma boa história sobre mutações infecciosas na natureza. "The Beach House” é baseado em uma realidade possível, apresentando também o benefício de bons...

‘Driveaways’: filme para aquecer o coração durante a pandemia

“Driveways” é um filme simples. O tipo de produção que não encontraria lugar entre os blockbusters para projeção nos cinemas de shopping. Devido a pandemia, no entanto, temos acesso mais fácil a obras como essa. É necessário deixar claro que a simplicidade é onde...

‘Ava’: Jessica Chastain segue em má fase com filme tedioso

Com duas indicações ao Oscar e uma filmografia marcante, Jessica Chastain (‘A Hora Mais Escura’ e ‘A Grande Jogada’) definitivamente pode ser considerada um dos grandes nomes de sua geração. Entretanto, nem só de bons trabalhos são feitos atores importantes e,...