O alemão Roland Emmerich é um diretor que fez a carreira em Hollywood dirigindo filmes de ação, ficção cientifica e virou sinônimo de grandes espetáculos visuais de destruição. Isso pode ser observado nos principais sucessos da carreira, entre eles, “Independence Day” ou “2012”. Tudo isso sempre acompanhado de grandes estrelas, entre elas, Mel Gibson (“O Patriota”), Will Smith (“Independence Day”) e Matthew Broderick (“Godzilla”). Paralelo a isso, os longas de Emmerich sempre foram questionados pelo péssimo desenvolvimento dos personagens, forçando o fio condutor de suas narrativas ao carisma do super elenco.

E em “Midway – Batalha em Alto Mar” não é diferente: você pode esperar grandes momentos de batalhas aéreas e um excelente trabalho de som e efeitos visuais, mas o desenvolvimento de personagens fica bem aquém do potencial, principalmente por sua extensa duração.

Baseado em fatos reais, “Midway” se inicia com o repentino ataque dos japoneses à base americana de Pearl Harbor, e se desenvolve a partir da reação americana e aos embates que definiram os rumos do controle do Oceano Pacífico durante a Segunda Guerra. Como praxe em épicos de guerra, acompanhamos diversas subtramas que se desenrolam durante o filme. Desde o drama dos pilotos no porta-aviões Best (Ed Skrein) e McClusky (Luke Evans) passando em terra com Edwin Taylor (Patrick Wilson) e até mesmo o lado japonês com os personagens de Tadanobu Asano e Etsushi Toyokawa.

Mas, mesmo esse lado humanizado dos ‘inimigos’, acaba sendo explorado em prol do lado americano, tanto pelo destaque que é dado em tela para os esforços dos soldados do país, quanto ao reconhecimento dos combatentes japoneses para esses esforços. Não à toa que um comandante japonês aparece, em certo momento, destacando a bravura de um soldado dos EUA.

Tentativa de uma maior diversidade do elenco, as personagens das esposas ficam relegadas a se preocuparem com os maridos na guerra ou resmungando frases feitas. Por falar em frases de efeito, elas não poderiam faltar e não soam mais tolas do que parecem graças ao talento do elenco, que tem nomes que surgem e somem de maneira aleatória, vide Denis Quaid ou Aaron Eckhart. Aliás, se algum personagem morre durante o filme, a sensação que fica é que você não lamenta por ser um personagem interessante, mas por ser um ator conhecido.

Se “Midway” falha em seu desenvolvimento do roteiro, como todo filme de Emmerich, os aspectos técnicos podem ser exaltados. A trilha sonora, composta por Harald Kloser, é correta e cumpre a função nos momentos mais tensos, os efeitos visuais aliados ao design de produção de Kirk M. Petruccelli – que colaborou com Emmerich em outro épico de guerra “O Patriota” – e a fotografia de Robby Baumgartner são de encher os olhos, entretanto não apresentam nenhuma novidade que já não tenha sido vista em qualquer grande produção do gênero.

Mesmo assim, os ótimos efeitos visuais não compensam os inflados 138 minutos, o que deixa ainda mais evidente o irregular desenvolvimento da trama e a carinha de propaganda militar obrigatória. Um épico que não faz valer a alcunha e com certeza será esquecido.   

PS- Durante o filme, é possível ver a presença do diretor John Ford como um dos personagens. Vale lembrar que ele fez filmagens reais da batalha, destaque no documentário “Five Came Back”, da Netflix.

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...