Até que enfim: a série policial mais tagarela e com o clima mais gelado e cerebral da Netflix está de volta. Trata-se da segunda temporada de Mindhunter, que aborda o início dos estudos do FBI sobre a psicologia dos assassinos em série. A série retorna agora com alguns temperos a mais: o da culpa e o do racismo sempre presente na sociedade norte-americana. Depois de lançar uma aclamada primeira temporada em 2017, a espera foi longa para esta segunda. Mas valeu a pena esperar.

O cineasta David Fincher dá o tom, novamente – ele é também produtor-executivo de “Mindhunter” – comandando os três primeiros episódios com seu estilo calculado e cerebral. A temporada começa amarrando algumas pontas soltas da anterior, especificamente o colapso sofrido pelo agente Holden Ford (o ótimo Jonathan Groff). Conversar com serial killers e mergulhar profundamente nas suas psiques afetou o personagem, que busca recuperar seu foco.

Porém, o trabalho na equipe de Ciências Comportamentais do FBI prossegue, com direito a novas entrevistas com psicopatas famosos – nesta temporada dão as caras na série o Assassino BTK, o Filho de Sam e o “astro” Charles Manson, curiosamente interpretado aqui por Damon Harriman, o mesmo ator que o viveu no filme de Quentin Tarantino, Era Uma Vez… Em Hollywood (2019). Mas é Ford quem conduz “Mindhunter” ao seu grande arco de história para esta temporada, o envolvimento da equipe na investigação dos assassinatos de dezenas de crianças afro-americanas em Atlanta, Georgia, no começo dos anos 1980. O caso é real, arrepiante e triste, e você com certeza vai querer pesquisar sobre ele quando acabar a temporada.

REALISMO E IMERSÃO TOTAL

No entanto, enquanto tudo isso ocorre, os roteiristas da série encontram espaço para desenvolver os outros personagens. A controlada doutora Wendy Carr (Anna Torv), que é lésbica, se envolve em um romance que a faz expor suas próprias tendências neuróticas, e Bill Tench (Holt McCallany) de certa forma assume o posto de protagonista da série, uma face mais humana do que a do narcisista e arrogante Ford para carregar “Mindhunter”. A temporada encontra um dilema poderoso para Tench que se encaixa perfeitamente em um dos temas principais da série, o da proximidade do mal.

De perto, ninguém é normal, já diz o ditado, e com contundência, Mindhunter advoga a ideia de que a distância entre os psicopatas cometendo crimes e o mundo “normal” no qual todos vivem, não é tão grande quanto se imagina. Afinal, durante a temporada, mais de uma vez, vemos Tench discutir, em animadas rodas de conversa regadas a bebida, os encontros anteriores deles com assassinos que cometeram crimes terríveis, para interlocutores sempre curiosos…

McCallany e Torv estão excelentes nos seus papeis, e a condução dos episódios também é inteligente. Merecem destaque, entre os momentos criativos de direção na temporada, a decisão de Fincher de manter fora de foco uma das vítimas do BTK, um homem deformado após o ataque, enquanto ele conversa com Tench dentro de um carro – esse detalhe deixa o relato do personagem, e a cena, quase surreal e ainda mais aterradora – e o estilo documental da marcha pelas vítimas de Atlanta no episódio 7, filmada pelo diretor Carl Franklin com granulações, como em um documentário da época.

Além de Fincher e Franklin, o outro diretor da temporada é Andrew Dominik, de “O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford” (2007), e a condução de atores deles também merece reconhecimento. Não há nenhuma atuação dissonante: mesmo figuras que aparecem em uma única cena, ou outros com mais tempo de tela, como os atores Albert Jones ou Christopher Livingston, não deixam escapar uma nota em falso. Em nenhum momento, a sensação de realidade e a atmosfera de imersão em “Mindhunter” são quebradas.

HEROÍSMO RIDICULARIZADO

Porém, apesar de tudo, essa temporada será lembrada pelos assassinatos de Atlanta, e ao abordá-los, Mindhunter demonstra coragem por tocar em temas raciais espinhosos, como o óbvio e eterno descaso das autoridades para com as comunidades negras, e a culpa que alguns brancos sentem, o que os leva a se verem como “salvadores da pátria”. É exatamente este o papel de Ford na temporada: afinal, o que o move a querer tanto capturar o assassino das crianças? É a vontade de fazer justiça, o desejo de estudar a mente de mais um serial killer, ou seu senso de auto importância, de se ver – e ser visto – como herói para a comunidade negra que vem perdendo seus filhos de maneira cada vez mais alarmante? Cenas como a da cruz em um episódio crucial, ou o final da temporada deixam bem claro qual é qual… O “salvador branco” é um clichê que Hollywood ainda não abandonou, e é um alivio vê-lo ser ridicularizado aqui, para variar.

Como um todo, a temporada não é perfeita: a crise no lar de Tench se estende um pouco além do necessário, e o problema psicológico de Ford, mostrado de forma tão forte no começo, é resolvido de maneira meio rápida demais. Além disso, por melhor que seja o desempenho de Anna Torv, é difícil não achar que ela foi pouco utilizada na temporada. Mas são problemas pequenos. Onde a segunda temporada de Mindhunter acerta, acerta em cheio: ao mostrar os seus heróis como pessoas falíveis, ao mostrar como todo um sistema legal falha com uma comunidade, ao mostrar como figuras salvadoras muitas vezes estão mais preocupadas com seus próprios interesses. E ao longo dos episódios, continuamos a ver o assassino BTK em formação, evoluindo… Certas coisas levam tempo mesmo para acontecer, mas na próxima, Mindhunter, por favor, veja se não demora tanto para voltar, ok?

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...