Filme de estreia da atriz francesa Élise Otzenberger na direção, “Minha Lua de Mel Polonensa” tinha todos os elementos para ser uma ótima comédia de relacionamentos. Neste longa, há situações convencionais sobre experiências de viagem em terras estrangeiras, a jornada em busca das raízes familiares, da cultura e da história, além de um belo drama que usa as relações interpessoais para tocar em temas como o Holocausto. Com assuntos tão sensíveis, a trama, porém, se perde em suas ambições e entrega uma obra tão simpática quanto superficial.

Minha Lua de Mel Polonesa” (Lune de Miel) conta a história de Anna (Judith Chemla) e Adam (Arthur Igual), um casal de origem judaico polonesa viajando para Polônia com o objetivo de participar do memorial de 75 anos da comunidade dos avós de Adam. Apesar da pouquíssima animação do marido, Anna está empolgada em mergulhar em sua cultura e aproveita a viagem para ir em busca da casa e da história de sua Babusha (avó polonesa), a qual ela pouco conhece devido sua mãe, interpretada por Brigitte Rouan, não comentar o passado da matriarca da família.

Quando se propõe a retratar o relacionamento do casal, expondo a personalidade controladora e neurótica de Anna, ao mesmo tempo em que mostra Adam sendo um sujeito calmo e egoísta, “Minha Lua de Mel Polonesa” entrega bons momentos, graças a química do casal e aos alívios cômicos que funcionam. Ao acompanhar a experiência deles na Polônia, as atitudes de Anna em dizer que é completamente do país, mas a sua total inabilidade em falar uma palavra no idioma, nos remetem a situações pessoais adoráveis e fazem com que tenhamos empatia pela personagem. Apesar do roteiro apresentar a protagonista sempre de uma maneira pouco agradável, entendemos que o único desespero de Anna é querer saber mais sobre seu passado, sua história, suas raízes e poder, no futuro, compartilhar a história com seu filho, Simon. O fato da mulher tocar no nome da mãe de maneira negativa a cada 20 minutos, a culpando de tudo de ruim que acontece, torna isso mais explícito, mas deixa a personagem cada vez mais intragável.

PERDIDO EM CLICHÊS

O problema da trama de Élise Otzenberger é ser formada por retalhos dos gêneros drama e comédia. A diretora recorre a todas as situações e soluções clichês do cinema para resolver os conflitos, sem nunca retratar de maneira mais pessoal assuntos tão delicados e interessantes do filme, como o sentimento das pessoas com relação ao genocídio e de como elas sofrem com o passar dos anos ao ponto de fazer com que escondam o passado de seus familiares.

O ponto problemático de “Minha Lua de Mel Polonesa” inicia na metade do segundo ato, quando a mãe de Anna chega a Polônia para entregar um desfecho já esperado, ou também quando são apresentados personagens completamente aleatórios, que nunca acrescentam a história e fazem com que a protagonista teça comentários completamente preconceituosos, digno de uma pessoa egoísta que pouco se importa com o sentimento alheio. Anna, ao final, só se preocupa com a sua experiência e de como ela necessita que aquela viagem mude a vida dela para sempre. É nítido que a diretora perde o rumo e infla sua narrativa com cenas sem muita razão de ser.

Minha Lua de Mel Polonesa” é um filme que consegue tocar em temas delicados de uma forma descontraída sem ser desrespeitosa, mas infelizmente, não desenvolve bem seus dramas e sua história, se perdendo na boa intenção da diretora e como dizem por aí: de boa intenção, o inferno (ou o cinema) está cheio.

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Blue Bayou’: sobre pertencer e se identificar a um lugar

Antonio Leblanc (Justin Chon) mora em Nova Orleans há 30 anos, é casado, tem uma filha adotiva e a esposa está grávida de mais uma menina. Ainda assim, o sul-coreano corre risco de ser deportado mesmo que tenha sido adotado aos 3 anos de idade por um casal...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Electrical Life of Louis Wain’: cinebiografia típica de encanto singelo

The Electrical Life of Louis Wain é a história de um sujeito peculiar, contada daquele modo excentricamente britânico de cinema. A produção do Amazon Studios é um filme que surpreende, porque inicialmente pode-se até abordá-lo com um pouco de cansaço. Afinal, vários...

‘Finch’: Tom Hanks emociona em sci-fi à la ‘Naúfrago’

Uma road trip no fim do mundo com um cachorro e dois robôs para conversar – é isso que Tom Hanks dispõe para emocionar o público em ‘Finch’. Sabendo que o ator consegue entregar um bom desempenho mesmo ao lado de objetos inanimados, como ocorreu em ‘Náufrago’, o...