Uma dançarina à beira do abismo é o foco de “Mirrors in the Dark”, filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual com uma bela fotografia em branco e preto, ainda que derrape no ritmo e teste a paciência do espectador casual.

Marie (Alena Doláková) divide seu tempo entre os ensaios para seu novo espetáculo de dança, as festas ocasionais e o romance com o namorado František (Borek Joura). Ela, no entanto, não é feliz. Com 30 anos, ela constantemente questiona seu talento artístico, a saúde do seu relacionamento com a mãe e o caminho que seu namoro está tomando. “Mirrors in the Dark” acompanha a jovem enfrenta uma crise existencial (nem sempre) silenciosa e busca uma saída para ela.

Estruturalmente, a produção usa um questionário de 36 perguntas, que pode fazer duas pessoas se apaixonarem dependendo das respostas de cada uma. Marie e František resolvem responder e, a partir delas, temos a base a partir da qual as cenas se desdobram.

Essa decisão se prova um problema fatal no ritmo de “Mirrors in the Dark”. Em três longas cenas que sozinhas computam 41 minutos (praticamente metade do tempo de projeção), Holý não consegue avançar a narrativa. O resultado é uma discussão interminável que joga um balde de água fria nas expectativas do público toda vez que ressurge.

PLASTICIDADE ABSORVE ROTEIRO INDECISO

O roteiro, também assinado pelo cineasta, esboça razões para o tédio da sua protagonista, mas, com tanto tempo dedicado às performances de dança e às cenas do questionário, o cerne da tristeza de Marie nunca é abordado. A câmera a acompanha andando pelas ruas à noite, chorando sozinha em seu quarto e contemplando sua situação, mas a trama não abre espaço para discutir o porquê dos eventos mostrados.

Pelo pouco oferecido, Marie parece uma arquetípica jovem contemporânea, cheia de pessimismo, obcecada com sua auto importância e que trata a vida como se fosse um jogo cujas etapas precisa vencer. Em si mesma, ela serve como um comentário preciso de sua geração e teria sido ótimo ver essa faceta sendo mais explorada na produção.

O forte de “Mirrors in the Dark” acaba sendo seu apuro técnico e visual. A belíssima fotografia em preto e branco – cortesia da diretora de fotografia Jana Hojdová – rouba a cena e dá um ar onírico à obra, especialmente durante as coreografias. Pequenos detalhes, como a progressiva aproximação da câmera durante as cenas do questionário, reforçam a confiança que os realizadores têm na sua linguagem cinematográfica.

Inevitavelmente, é a falta de definição do roteiro que se torna um obstáculo nos passos e movimentos de “Mirrors in the Dark”. Por mais que seu look mostre o potencial de Holý e seus colaboradores, a sensação final é que há mais passos em falso do que piruetas no filme.

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...