Uma dançarina à beira do abismo é o foco de “Mirrors in the Dark”, filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual com uma bela fotografia em branco e preto, ainda que derrape no ritmo e teste a paciência do espectador casual.

Marie (Alena Doláková) divide seu tempo entre os ensaios para seu novo espetáculo de dança, as festas ocasionais e o romance com o namorado František (Borek Joura). Ela, no entanto, não é feliz. Com 30 anos, ela constantemente questiona seu talento artístico, a saúde do seu relacionamento com a mãe e o caminho que seu namoro está tomando. “Mirrors in the Dark” acompanha a jovem enfrenta uma crise existencial (nem sempre) silenciosa e busca uma saída para ela.

Estruturalmente, a produção usa um questionário de 36 perguntas, que pode fazer duas pessoas se apaixonarem dependendo das respostas de cada uma. Marie e František resolvem responder e, a partir delas, temos a base a partir da qual as cenas se desdobram.

Essa decisão se prova um problema fatal no ritmo de “Mirrors in the Dark”. Em três longas cenas que sozinhas computam 41 minutos (praticamente metade do tempo de projeção), Holý não consegue avançar a narrativa. O resultado é uma discussão interminável que joga um balde de água fria nas expectativas do público toda vez que ressurge.

PLASTICIDADE ABSORVE ROTEIRO INDECISO

O roteiro, também assinado pelo cineasta, esboça razões para o tédio da sua protagonista, mas, com tanto tempo dedicado às performances de dança e às cenas do questionário, o cerne da tristeza de Marie nunca é abordado. A câmera a acompanha andando pelas ruas à noite, chorando sozinha em seu quarto e contemplando sua situação, mas a trama não abre espaço para discutir o porquê dos eventos mostrados.

Pelo pouco oferecido, Marie parece uma arquetípica jovem contemporânea, cheia de pessimismo, obcecada com sua auto importância e que trata a vida como se fosse um jogo cujas etapas precisa vencer. Em si mesma, ela serve como um comentário preciso de sua geração e teria sido ótimo ver essa faceta sendo mais explorada na produção.

O forte de “Mirrors in the Dark” acaba sendo seu apuro técnico e visual. A belíssima fotografia em preto e branco – cortesia da diretora de fotografia Jana Hojdová – rouba a cena e dá um ar onírico à obra, especialmente durante as coreografias. Pequenos detalhes, como a progressiva aproximação da câmera durante as cenas do questionário, reforçam a confiança que os realizadores têm na sua linguagem cinematográfica.

Inevitavelmente, é a falta de definição do roteiro que se torna um obstáculo nos passos e movimentos de “Mirrors in the Dark”. Por mais que seu look mostre o potencial de Holý e seus colaboradores, a sensação final é que há mais passos em falso do que piruetas no filme.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...