Uma dançarina à beira do abismo é o foco de “Mirrors in the Dark”, filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual com uma bela fotografia em branco e preto, ainda que derrape no ritmo e teste a paciência do espectador casual.

Marie (Alena Doláková) divide seu tempo entre os ensaios para seu novo espetáculo de dança, as festas ocasionais e o romance com o namorado František (Borek Joura). Ela, no entanto, não é feliz. Com 30 anos, ela constantemente questiona seu talento artístico, a saúde do seu relacionamento com a mãe e o caminho que seu namoro está tomando. “Mirrors in the Dark” acompanha a jovem enfrenta uma crise existencial (nem sempre) silenciosa e busca uma saída para ela.

Estruturalmente, a produção usa um questionário de 36 perguntas, que pode fazer duas pessoas se apaixonarem dependendo das respostas de cada uma. Marie e František resolvem responder e, a partir delas, temos a base a partir da qual as cenas se desdobram.

Essa decisão se prova um problema fatal no ritmo de “Mirrors in the Dark”. Em três longas cenas que sozinhas computam 41 minutos (praticamente metade do tempo de projeção), Holý não consegue avançar a narrativa. O resultado é uma discussão interminável que joga um balde de água fria nas expectativas do público toda vez que ressurge.

PLASTICIDADE ABSORVE ROTEIRO INDECISO

O roteiro, também assinado pelo cineasta, esboça razões para o tédio da sua protagonista, mas, com tanto tempo dedicado às performances de dança e às cenas do questionário, o cerne da tristeza de Marie nunca é abordado. A câmera a acompanha andando pelas ruas à noite, chorando sozinha em seu quarto e contemplando sua situação, mas a trama não abre espaço para discutir o porquê dos eventos mostrados.

Pelo pouco oferecido, Marie parece uma arquetípica jovem contemporânea, cheia de pessimismo, obcecada com sua auto importância e que trata a vida como se fosse um jogo cujas etapas precisa vencer. Em si mesma, ela serve como um comentário preciso de sua geração e teria sido ótimo ver essa faceta sendo mais explorada na produção.

O forte de “Mirrors in the Dark” acaba sendo seu apuro técnico e visual. A belíssima fotografia em preto e branco – cortesia da diretora de fotografia Jana Hojdová – rouba a cena e dá um ar onírico à obra, especialmente durante as coreografias. Pequenos detalhes, como a progressiva aproximação da câmera durante as cenas do questionário, reforçam a confiança que os realizadores têm na sua linguagem cinematográfica.

Inevitavelmente, é a falta de definição do roteiro que se torna um obstáculo nos passos e movimentos de “Mirrors in the Dark”. Por mais que seu look mostre o potencial de Holý e seus colaboradores, a sensação final é que há mais passos em falso do que piruetas no filme.

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...