Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt (“Real – O Plano por Trás da História”) em “Missão Cupido”, comédia nacional que investe na cultura pop e em um elenco conhecido para contar um romance sobrenatural.

A trama acompanha Miguel (Lucas Salles), um jovem que morre e se transforma em um anjo da guarda. Ele é incumbido de cuidar de Rita (Isabella Santoni), mas joga uma praga nela que, entre outras coisas, envolve não se apaixonar. Anos depois, ele precisa reverter a situação, mas para isso terá que duelar com a Morte (Agatha Moreira). Para contar essa história, Bittencourt – que também assina o roteiro –  utiliza referências da cultura pop como citações diretas a filmes, vinhetas aceleradas, cenas de duelos como HQs e outros.

Uma estética de outro mundo

Tanto a paleta de cores utilizada como as piadas politicamente incorretas nos transpõem para um lugar no tempo anterior aos anos 2010, parte disso se deve a cenografia de Suzana Azevedo (“Soundtrack“, “Não Devore Meu Coração“) e a cinematografia de Fabio Burtin (“Ensaio Sobre a Cegueira“).

Há o uso de fumaça, luzes que dão um tom psicodélico e infernal – especialmente as que acompanham a Morte –, reforçando o conceito de sobrenatural adolescente tupiniquim. Durante a trama, ainda é possível observar as diversas citações visuais como a Kombi de “Pequena Miss Sunshine” (2006) e a espada utilizada em “Kill Bill” (2003).

SEM COMPROMISSO DE SER SÉRIO

Essa abordagem dá certo em grande parte pela despretensão do filme. Temos uma trama já popularizada em produções clássicas como “Asas do Desejo” (1987) e seu remake “Cidade dos Anjos” (1998) com um toque do humor brasileiro visto na série da Netflix “Ninguém Tá Olhando” (2019). Não há preocupação em aprofundar os personagens e nem oferecer um olhar diferenciado sob a relação dos anjos com os humanos, mas isso é próprio da narrativa que se deleita em rir de si mesma e colocar seu elenco em situações ridículas. Que o diga a performance exagerada de Agatha Moreira, acostumada a brilhar em papéis dramáticos na televisão.

O roteiro procura introduzir um romance LGBTQI+, no entanto, o desenvolvimento do triângulo amoroso fica a desejar e prejudica principalmente o casal formado pela Morte e Rita. A sensação que passa é de levantar uma bandeira de inclusão sem sair dos moldes heteronormativos, mantendo o tradicional final feliz do amor idealizado. O que é uma pena para a narrativa que artificialmente parece ser progressista, mas aposta em seguir no feijão com arroz sem dar embasamento realmente para nenhuma das duas opções românticas. Nesse quesito, por mais engraçado que alguns momentos soem, “Missão Cupido” não consegue se estabelecer como uma comédia romântica; visto a falta de sincronia e empatia entre os casais formados e a ausência de aprofundamento dos personagens.

“Missão Cupido” é uma produção para assistir sem compromisso. Apesar da falta de profundidade aos personagens, o tom descomprometido que o filme assume nos faz esquecer, pelo menos, durante os 92 minutos de duração, o inferno astral que estacionamos e só por isso já vale a pena.

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...