Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt (“Real – O Plano por Trás da História”) em “Missão Cupido”, comédia nacional que investe na cultura pop e em um elenco conhecido para contar um romance sobrenatural.

A trama acompanha Miguel (Lucas Salles), um jovem que morre e se transforma em um anjo da guarda. Ele é incumbido de cuidar de Rita (Isabella Santoni), mas joga uma praga nela que, entre outras coisas, envolve não se apaixonar. Anos depois, ele precisa reverter a situação, mas para isso terá que duelar com a Morte (Agatha Moreira). Para contar essa história, Bittencourt – que também assina o roteiro –  utiliza referências da cultura pop como citações diretas a filmes, vinhetas aceleradas, cenas de duelos como HQs e outros.

Uma estética de outro mundo

Tanto a paleta de cores utilizada como as piadas politicamente incorretas nos transpõem para um lugar no tempo anterior aos anos 2010, parte disso se deve a cenografia de Suzana Azevedo (“Soundtrack“, “Não Devore Meu Coração“) e a cinematografia de Fabio Burtin (“Ensaio Sobre a Cegueira“).

Há o uso de fumaça, luzes que dão um tom psicodélico e infernal – especialmente as que acompanham a Morte –, reforçando o conceito de sobrenatural adolescente tupiniquim. Durante a trama, ainda é possível observar as diversas citações visuais como a Kombi de “Pequena Miss Sunshine” (2006) e a espada utilizada em “Kill Bill” (2003).

SEM COMPROMISSO DE SER SÉRIO

Essa abordagem dá certo em grande parte pela despretensão do filme. Temos uma trama já popularizada em produções clássicas como “Asas do Desejo” (1987) e seu remake “Cidade dos Anjos” (1998) com um toque do humor brasileiro visto na série da Netflix “Ninguém Tá Olhando” (2019). Não há preocupação em aprofundar os personagens e nem oferecer um olhar diferenciado sob a relação dos anjos com os humanos, mas isso é próprio da narrativa que se deleita em rir de si mesma e colocar seu elenco em situações ridículas. Que o diga a performance exagerada de Agatha Moreira, acostumada a brilhar em papéis dramáticos na televisão.

O roteiro procura introduzir um romance LGBTQI+, no entanto, o desenvolvimento do triângulo amoroso fica a desejar e prejudica principalmente o casal formado pela Morte e Rita. A sensação que passa é de levantar uma bandeira de inclusão sem sair dos moldes heteronormativos, mantendo o tradicional final feliz do amor idealizado. O que é uma pena para a narrativa que artificialmente parece ser progressista, mas aposta em seguir no feijão com arroz sem dar embasamento realmente para nenhuma das duas opções românticas. Nesse quesito, por mais engraçado que alguns momentos soem, “Missão Cupido” não consegue se estabelecer como uma comédia romântica; visto a falta de sincronia e empatia entre os casais formados e a ausência de aprofundamento dos personagens.

“Missão Cupido” é uma produção para assistir sem compromisso. Apesar da falta de profundidade aos personagens, o tom descomprometido que o filme assume nos faz esquecer, pelo menos, durante os 92 minutos de duração, o inferno astral que estacionamos e só por isso já vale a pena.

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...