“Mother Schmuckers” é um filme que desafia palavras, que dirá críticas. A produção dos irmãos Harpo e Lenny Guit é uma comédia de erros que envolve drogas, violência e todo o tipo de perversão sexual. Exibido nas mostras de meia-noite de Sundance, onde estreou, e do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, ele é hilário, mal-educado e bastante picante.

Maxi Delmelle e Lenny Guit interpretam Isaachar e Zabulon, dois irmãos que levam uma vida de inércia e miséria nos recantos mais dilapidados de Bruxelas, enquanto a mãe, a prostituta Cashmere (Claire Bodson), não lhes dá muita importância, preferindo paparicar o cachorro da família, Jacques Janvier (algo como João Janeiro, em português). Quando eles o perdem, a mãe dá 24 horas aos rebentos para encontrá-lo ou os expulsará de casa.

LA VIDA LOUCA

Essa premissa poderia vir direto da obra de outro par de irmãos baseados na Bélgica cuja obra foca na vida das pessoas à margem – os Dardennes – mas, a última coisa na cabeça dos Guit é fazer um drama realista cheio de função social. O que eles querem é seguir a vida louca de Isaachar e Zabulon enquanto brincam com armas, se infiltram em um clube de zoofilia e tentam gravar um videoclipe über-esquisito com um amigo. Raios, rola coprofagia logo na primeira cena.

As peripécias dos irmãos se desdobram como uma série de vinhetas, cada uma mais demente e escatológica do que a outra. Filmada com bastante câmera na mão, como um filme caseiro, pelo diretor de fotografia Sylvestre Vannoorenberghe e editada freneticamente por Guillaume Lion e Naftule Tarraschuk, “Mother Schmuckers” pisa fundo logo na largada e não desacelera até o fim de seus 70 minutos. Que os cineastas tenham conseguido talentos como Bodson e o grande ator francês Mathieu Almeric (“O Escafandro e a Borboleta”), que aparece em uma ponta, para participar dessa sandice prova que esses artistas também precisam extravasar.

O roteiro constantemente mira no politicamente incorreto e no valor de choque; as risadas aqui dependem da tolerância do público para esse tipo de humor. O resultado parece uma atualização do cinema do diretor americano John Waters (“Pink Flamingos”): doses abundantes de anarquia e escracho, mas numa intensidade e ritmo que fazem sentido para audiências acostumadas a vídeos curtos na internet.

NADA A PERDER


Para além da loucura, há um niilismo inegável em “Mother Schmuckers”: suas personagens, ainda que sôfregas, mostram uma resistência debochada diante sua condição como quem não tem nada a perder. No afã de sobreviverem e se divertirem em meio à selvageria de suas vidas, suas ações deixam entrever a amoralidade daqueles que acreditam viver num mundo sem regras.

O difícil é o espectador conseguir se desvencilhar da ação tempo o suficiente para pensar nesses subtextos. Os irmãos Guit, aqui completamente desprovidos de sutileza, criam uma pérola do cinema podreira que está interessada demais em seu descontrole para permitir grandes reflexões. “Mother Schmuckers” é uma viagem hilária e histérica – a 200 Km/h.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...