Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país dominam o documentário dirigido por Karim Ainouz (“Praia do Futuro” e “A Vida Invisível”) sobre as gigantescas manifestações contra o governo da Argélia em 2019. Porém, a abordagem do cineasta cearense com descendência argelina se deixa levar pela empolgação excessiva com o impacto do momento sem necessariamente dimensionar e fazer uma reflexão mais profunda sobre tudo aquilo. 

Nardjes A.” se passa em 8 de março de 2019, Dia Internacional das Mulheres e data da terceira manifestação organizado pelo movimento popular Hirak (‘movimento’, em tradução literal) contra o governo de Abdelaziz Bouteflika, acusado de sucessivos atos de corrupção e manter uma estrutura de poder incapaz de provocar mudanças reais na Argélia após a independência do país da França, ocorrida em 1962. Ao longo deste dia, Ainouz acompanha a jovem que dá nome ao filme, uma ativista com pouco de mais de 20 anos que participa intensamente dos protestos, enquanto, ao mesmo tempo, faz registros de outras pessoas e situações daquele dia histórico. 

O documentário, de fato, nos dá uma dimensão da energia das manifestações ao ir dos prédios abarrotados de pessoas nas varandas e das ruas tomadas em uníssono com seus gritos e cantos contra o regime do país até pequenas e singelas observações como a reza no meio da rua e protestos específicos de pessoas idosas cientes da necessidade de uma revolução, independente se viverão para conseguirem ver as transformações que tanto pedem. A sequência do túnel e a saída dele são de arrepiar. Tal imersão orgânica de Karim no movimento se deve muito graças à escolha do dispositivo para gravar o filme, no caso, um smartphone, tecnologia utilizada pelos próprios manifestantes para registar aquele momento histórico.  

Ainda chama a atenção a forma como o Hirak atrai uma quantidade expressiva de jovens seja nos cânticos de protestos semelhantes aos da torcida de futebol ou às belas músicas nos mais diversos ritmos e com letras de fácil identificação com aquela geração esperançosa pela possibilidade de mudar os rumos de seu país. Desta forma, acaba sendo natural que Nardjes seja a protagonista para nos conduzir, afinal, ela sintetiza tanto essa resistente juventude argelina como os efeitos danosos do regime do país – o pai dela, por exemplo, integrante do Partido Comunista, só pode conhecê-la aos 3 anos por ter sido exilado da Argélia. 

PALANQUE DO HIRAK

Porém, a forma como “Nardjes A.” trabalha sua protagonista fica aquém dos momentos em que o documentário não está com ela. Apesar de situar o contexto de luta daquela geração a partir de relatos da própria vida e dos seus temores feitas em narração em off, a ativista surge mais como uma espécie de garota-propaganda do Hirak do que necessariamente uma imersão mais profunda na mente daquela geração de jovens.  

A participação dela nos protestos, por exemplo, não tem o mesmo impacto do que outros depoimentos marcantes vistos no decorrer do filme, sendo justamente estes trechos, longe dela, que fazem o documentário ganhar vida e a real dimensão dos acontecimentos. Para piorar, Karim ainda força a mão na reta final com a sequência no restaurante e na boate para mostrá-la como uma garota que só deseja ser feliz e livre ao lado de seus amigos, como se aquilo não tivesse mais do que escancarado ao longo de todo projeto. 

Lançado no Festival de Berlim 2020 e selecionado para o Festival Olhar de Cinema, “Nardjes A” se deixa tomar pela pulsação das ruas, algo natural para a proporção dos empolgantes movimentos de ruas vistos na Argélia. Porém, para um diretor experiente como Karim Ainouz, espera-se um pouco mais do que apenas servir de palanque a qualquer movimento popular por mais justo que seja.  

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...