Não há como não lembrar dos movimentos de rua daquele Brasil de junho de 2013 ao assistir “Nardjes A.”. Afinal, as imagens de ruas tomadas de manifestantes jovens com gritos de indignação e a sensação de esperança de que estavam lutando pelo futuro melhor de seu país dominam o documentário dirigido por Karim Ainouz (“Praia do Futuro” e “A Vida Invisível”) sobre as gigantescas manifestações contra o governo da Argélia em 2019. Porém, a abordagem do cineasta cearense com descendência argelina se deixa levar pela empolgação excessiva com o impacto do momento sem necessariamente dimensionar e fazer uma reflexão mais profunda sobre tudo aquilo. 

Nardjes A.” se passa em 8 de março de 2019, Dia Internacional das Mulheres e data da terceira manifestação organizado pelo movimento popular Hirak (‘movimento’, em tradução literal) contra o governo de Abdelaziz Bouteflika, acusado de sucessivos atos de corrupção e manter uma estrutura de poder incapaz de provocar mudanças reais na Argélia após a independência do país da França, ocorrida em 1962. Ao longo deste dia, Ainouz acompanha a jovem que dá nome ao filme, uma ativista com pouco de mais de 20 anos que participa intensamente dos protestos, enquanto, ao mesmo tempo, faz registros de outras pessoas e situações daquele dia histórico. 

O documentário, de fato, nos dá uma dimensão da energia das manifestações ao ir dos prédios abarrotados de pessoas nas varandas e das ruas tomadas em uníssono com seus gritos e cantos contra o regime do país até pequenas e singelas observações como a reza no meio da rua e protestos específicos de pessoas idosas cientes da necessidade de uma revolução, independente se viverão para conseguirem ver as transformações que tanto pedem. A sequência do túnel e a saída dele são de arrepiar. Tal imersão orgânica de Karim no movimento se deve muito graças à escolha do dispositivo para gravar o filme, no caso, um smartphone, tecnologia utilizada pelos próprios manifestantes para registar aquele momento histórico.  

Ainda chama a atenção a forma como o Hirak atrai uma quantidade expressiva de jovens seja nos cânticos de protestos semelhantes aos da torcida de futebol ou às belas músicas nos mais diversos ritmos e com letras de fácil identificação com aquela geração esperançosa pela possibilidade de mudar os rumos de seu país. Desta forma, acaba sendo natural que Nardjes seja a protagonista para nos conduzir, afinal, ela sintetiza tanto essa resistente juventude argelina como os efeitos danosos do regime do país – o pai dela, por exemplo, integrante do Partido Comunista, só pode conhecê-la aos 3 anos por ter sido exilado da Argélia. 

PALANQUE DO HIRAK

Porém, a forma como “Nardjes A.” trabalha sua protagonista fica aquém dos momentos em que o documentário não está com ela. Apesar de situar o contexto de luta daquela geração a partir de relatos da própria vida e dos seus temores feitas em narração em off, a ativista surge mais como uma espécie de garota-propaganda do Hirak do que necessariamente uma imersão mais profunda na mente daquela geração de jovens.  

A participação dela nos protestos, por exemplo, não tem o mesmo impacto do que outros depoimentos marcantes vistos no decorrer do filme, sendo justamente estes trechos, longe dela, que fazem o documentário ganhar vida e a real dimensão dos acontecimentos. Para piorar, Karim ainda força a mão na reta final com a sequência no restaurante e na boate para mostrá-la como uma garota que só deseja ser feliz e livre ao lado de seus amigos, como se aquilo não tivesse mais do que escancarado ao longo de todo projeto. 

Lançado no Festival de Berlim 2020 e selecionado para o Festival Olhar de Cinema, “Nardjes A” se deixa tomar pela pulsação das ruas, algo natural para a proporção dos empolgantes movimentos de ruas vistos na Argélia. Porém, para um diretor experiente como Karim Ainouz, espera-se um pouco mais do que apenas servir de palanque a qualquer movimento popular por mais justo que seja.  

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...