Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic (2000) e já fez uma grande quantidade de filmes, de diversos gêneros diferentes. Alguns deles foram bons, outros foram ruins. Alguns de seus filmes são envolventes e divertidos, outros são muito chatos. Ele até se aposentou do cinema e ficou inativo por alguns anos, mas voltou – é uma criatura que gosta de filmar, tanto que é o diretor de fotografia dos próprios filmes, sob o pseudônimo Peter Andrews.

E ao longo de sua trajetória, ele se adaptou às mudanças da indústria como um camaleão. Começou filmando em película, depois abraçou o digital. Dirigiu episódios de série de TV. E trocou as salas de cinema, sem pestanejar, pelos streamings: já lançou produções na Netflix e, mais recentemente, na HBO Max. É, aliás, nela que chega seu novo filme, Nem Um Passo em Falso. Bem, neste caso, estamos diante de um dos Soderberghs que resultou numa grande chatice pretensiosa.

PROFUSÃO DE ATORES EM EXCESSO

Ambientado em Detroit em 1954, Nem Um Passo em Falso roteirizado por Ed Solomon é uma história de crime e traição, com estilo e umas pitadas de comentário social. Devia funcionar, mas não ocorre em grande parte pela condução do diretor – afinal, alguns dos seus ótimos filmes anteriores foram sobre crime como Irresistível Paixão (1998) e Onze Homens e um Segredo (2001).

Na trama, Don Cheadle e Benicio Del Toro são dois criminosos pé-rapados contratados para um serviço aparentemente simples: recuperar um documento. A missão deles é invadir a casa de um sujeito, interpretado por David Harbour, e fazer a família dele refém enquanto vão em busca do tal documento. Mas claro, nesse tipo de filme os planos não dão certo, e logo tem início uma rede de traições entre os personagens, forçando os anti-heróis a se aliarem temporariamente para sobreviver.

Ou seja, o que começa como um Horas de Desespero (1955), o clássico noir com Humphrey Bogart, confinado e tenso, logo se transforma num filme cheio de coadjuvantes e subtramas não aprofundadas, causando confusão e até inchando o filme. Soderbergh é muito querido por atores e atrizes, então ele consegue nomes tarimbados para compor o elenco de Nem Um Passo em Falso: temos Ray Liotta, Bill Duke, Jon Hamm, Julia Fox, Amy Seimetz e Brendan Fraser, obeso a ponto de ficar parecido com Orson Welles, o que provavelmente foi proposital da parte do diretor. E há também a participação surpresa de um grande astro, veterano de colaborações com Soderbergh, perto do fim.

Todos os atores estão bem, mas suas presenças curiosamente não coalescem, não funcionam juntos. O espectador não fica interessado em acompanhar nenhum daqueles personagens nem se interessa por quem vive ou morre. As mortes, aliás, muitas vezes vem como surpresas, mas às quais só se reage com irritação. Não nos importamos nem com os protagonistas, e quando o roteiro tenta incluir um comentário social sobre desigualdades raciais e econômicas ao Cheadle e Del Toro confrontarem o arquiteto de toda a conspiração, Nem Um Passo em Falso já está perto do fim e o resultado é nulo.

 EXCESSOS DE SODERBERGH

Mas se o roteiro tem lá seus problemas, o filme acaba morrendo mesmo na encenação de Soderbergh. É um cineasta cinéfilo, claro – não é à toa que a trilha sonora de David Holmes, outro habitual colaborador, emule em alguns momentos a de Chinatown (1974). O problema é que o toque do diretor passa do ponto e torne tudo uma brincadeira cinematográfica, sem peso, só estilo sem substância. Ele já fez filmes assim antes e aqui incorre nisso de novo.

Por algum motivo insondável, Soderbergh também resolveu filmar quase todo o filme com uma lente grande angular que deforma os ambientes e as pessoas, criando uma distorção quando a câmera se movimenta. É como se o diretor tivesse visto a esquisitice com a lente olho de peixe constante em A Favorita (2018) e dito, rindo: “vou superar isso daí”. Difícil entender essa decisão estilística, afastando o espectador ainda mais e cria na obra um ar de pretensão vazia.

Bem, no fim das contas, as próprias naturezas da carreira e da obra de Steven Soderbergh colocam Nem Um Passo em Falso em perspectiva. É um filme que desperta o tédio, com muito pouco a se aproveitar da experiência. Mas não é o primeiro do tipo que o diretor já realizou. Quem sabe o próximo seja melhor. Talvez isso seja algo bom, alguns artistas precisem de condições de imprevisibilidade e variedade para produzir. E não tarda muito, chega um novo filme de Soderbergh por aí. O homem não para.

Para encerrar com uma citação cinéfila, daquelas que Soderbergh adora, é apropriado relembrar Forrest Gump (1994): assistir a um filme dele é igual a uma caixa de chocolates, você nunca sabe o que vai pegar.

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...