“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao curta-metragem de estreia de Gabriel Bravo de Lima na direção, realizado ao lado de colegas de classe e amigos do quinto período de jornalismo da Universidade Federal do Amazonas e com os próprios pais do diretor de protagonistas, sabe não se tratar de exagero. 

O curta de quase nove minutos de duração traz um título autoexplicativo, baseado na frase de abertura de “As Intermitências da Morte”, clássico de José Saramago. Tecendo uma teia envolvente, “No Dia Seguinte Ninguém Morreu” remete a “Ilha das Flores” com colagens de uma série de fotografias para compor a narrativa, ainda que seja capaz de quebrar isso, de forma orgânica, com a inserção de um mockumentary nonsense. Toda esta estrutura a serviço de um roteiro calcado em pitadas de realismo mágico latino, um pouquinho de ficção científica e críticas sociais, refletindo a melancolia nada esperançosa dos dias atuais.  

As observações do narrador/protagonista como pitadas de uma leveza irônica de quem ri da própria desgraça e do buraco onde o mundo se meteu sem ter a possibilidade de fuga completam este panorama não muito animador. Ainda que já vistas de formas mais aprofundadas em obras de mestres como o próprio Saramago, García Marquez, Julio Cortázar e Jorge Luis Borges, “No Dia Seguinte Ninguém Morreu” consegue ainda trazer curiosas reflexões sobre a maneira como encaramos a morte e o papel dela na sociedade.  

A escolha da icônica “Vapor Barato”, canção feita no auge da repressão da ditadura militar pela dupla Jards Macalé e Waly Salomão na versão imortalizada por Gal Costa, sintetiza uma produção simbólica que, apesar da realidade oposta ao mundo pandêmico repleto de mortes diárias, reflete o mesmo estado de espírito de desalento e vazio absoluto de perspectivas dos dias atuais. Por outro lado, expectativas sobram para os próximos trabalhos de Gabriel Bravo de Lima e equipe, afinal, é raro aparecer um projeto tão bem definido, de referências tão consistentes e transposição criativa como ocorre em “No Dia Seguinte Ninguém Morreu”. Isso logo no primeiro filme. 

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...