O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em “Nö”, nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de Melhor Diretor no evento pelo filme, o cineasta Dietrich Brüggemann examina as crises de relacionamento por um viés teatral e metalinguístico em um longa que deve fazer sucesso no circuito de arte.

O médico Michael (Alexander Khuon) e sua namorada de longa data, a atriz Dina (Anna Brüggemann, irmã do diretor e co-roteirista), têm 30 e poucos anos, já estão juntos há um tempo e são felizes. Porém, o que fazer a seguir? Casar? Ter filhos? Ajustar suas relações familiares? As dúvidas dão vazão a todo tipo de neura, que vêm à tona na forma de delírios ou conversas para lá de francas.

ESTRUTURA BRECHTIANA


Há um formalismo e rigor estrutural em “Nö” que reforça as conexões do longa com o teatro – especialmente o brechtiano, que estimula o efeito alienante do drama. Em conjunto com o diretor de fotografia Alexander Sass e o montador Vincent Assmann, o realizador usa técnicas que normalmente ampliam a sensação de imersão – câmera estática, longas tomadas – mas que aqui geram o efeito reverso: elas criam um distanciamento entre o espectador e a obra.

Os 119 minutos de projeção são divididos em 15 cenas retratando o casal em diferentes pontos do relacionamento e abordam questões distintas. Essas cenas duram entre cinco e dez minutos e seguem sem cortes. Delas, apenas quatro contém movimentos de câmera. No meio dessa estrutura, o casal se vê em situações que alternam entre tragédia e comédia – e muitas vezes as tornam indistinguíveis uma da outra.

O roteiro, assinado pelo cineasta e sua atriz principal, se foca na preocupação – para não dizer paranoia – bastante “millennial” de viver uma vida pré-programada, com etapas já estabelecidas. A ironia, ele argumenta, é que essa preocupação é também uma dessas etapas e não impede os protagonistas de experimentarem as mesmas picuinhas de casal que já existem há geração.

DILEMA NO FINAL FELIZ


O longa, mesmo com alguns momentos que poderiam ter sido enxutos, está cheio de momentos inspirados que dão ampla visualização aos medos de Dina e Michael. A sexta cena, em particular, que começa com uma discussão após o nascimento do bebê do casal, se transforma em uma verdadeira guerra dentro do hospital (com soldados e tudo), escancarando o pavor de uma mãe de primeira viagem temendo pela vida de sua criança.

À sua maneira, “Nö” é uma anticomédia romântica, no sentido em que quer explicar não como a atração entre duas pessoas acontece, mas como ela perdura e se transforma no tempo. Suas personagens correm atrás do seu final feliz sem perceber que ele está escapando entre seus dedos. Com sua câmera implacável, Dietrich Brüggemann busca as coisas que atraem e repelem em um casal – e frequentemente descobre que elas são as mesmas.

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...