O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em “Nö”, nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de Melhor Diretor no evento pelo filme, o cineasta Dietrich Brüggemann examina as crises de relacionamento por um viés teatral e metalinguístico em um longa que deve fazer sucesso no circuito de arte.

O médico Michael (Alexander Khuon) e sua namorada de longa data, a atriz Dina (Anna Brüggemann, irmã do diretor e co-roteirista), têm 30 e poucos anos, já estão juntos há um tempo e são felizes. Porém, o que fazer a seguir? Casar? Ter filhos? Ajustar suas relações familiares? As dúvidas dão vazão a todo tipo de neura, que vêm à tona na forma de delírios ou conversas para lá de francas.

ESTRUTURA BRECHTIANA


Há um formalismo e rigor estrutural em “Nö” que reforça as conexões do longa com o teatro – especialmente o brechtiano, que estimula o efeito alienante do drama. Em conjunto com o diretor de fotografia Alexander Sass e o montador Vincent Assmann, o realizador usa técnicas que normalmente ampliam a sensação de imersão – câmera estática, longas tomadas – mas que aqui geram o efeito reverso: elas criam um distanciamento entre o espectador e a obra.

Os 119 minutos de projeção são divididos em 15 cenas retratando o casal em diferentes pontos do relacionamento e abordam questões distintas. Essas cenas duram entre cinco e dez minutos e seguem sem cortes. Delas, apenas quatro contém movimentos de câmera. No meio dessa estrutura, o casal se vê em situações que alternam entre tragédia e comédia – e muitas vezes as tornam indistinguíveis uma da outra.

O roteiro, assinado pelo cineasta e sua atriz principal, se foca na preocupação – para não dizer paranoia – bastante “millennial” de viver uma vida pré-programada, com etapas já estabelecidas. A ironia, ele argumenta, é que essa preocupação é também uma dessas etapas e não impede os protagonistas de experimentarem as mesmas picuinhas de casal que já existem há geração.

DILEMA NO FINAL FELIZ


O longa, mesmo com alguns momentos que poderiam ter sido enxutos, está cheio de momentos inspirados que dão ampla visualização aos medos de Dina e Michael. A sexta cena, em particular, que começa com uma discussão após o nascimento do bebê do casal, se transforma em uma verdadeira guerra dentro do hospital (com soldados e tudo), escancarando o pavor de uma mãe de primeira viagem temendo pela vida de sua criança.

À sua maneira, “Nö” é uma anticomédia romântica, no sentido em que quer explicar não como a atração entre duas pessoas acontece, mas como ela perdura e se transforma no tempo. Suas personagens correm atrás do seu final feliz sem perceber que ele está escapando entre seus dedos. Com sua câmera implacável, Dietrich Brüggemann busca as coisas que atraem e repelem em um casal – e frequentemente descobre que elas são as mesmas.

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...