É engraçado como alguns filmes nos surpreendem não por fugirem do óbvio, mas por escancará-lo. Em “Agente Duplo”, da diretora Maite Alberdi, disponível na Globoplay e indicado ao Oscar de Melhor Documentário, a simplicidade da proposta de seguir um investigador octogenário colocado em um asilo para investigar supostos maus tratos a uma idosa, por si só, já era intrigante. No entanto, ao partir desse ponto para uma outra investigação, bem mais emocional, o documentário expõe fraturas que a sociedade prefere deixar bem escondidas em um grosso gesso. 

No filme, acompanhamos o octogenário Sergio, que é colocado em um asilo para investigar supostos maus tratos a uma idosa. A princípio, a história poderia ser sobre como um profissional acostumado aos métodos analógicos é confrontado com a tecnologia – afinal, câmeras em celulares e apps de mensagens como o WhatsApp facilitam um trabalho com prazo de entrega, não é? O documentário também poderia seguir a ideia que aparece em sua sinopse e descobrir diversos casos de maus tratos às adoráveis senhoras a que somos apresentados ao longo dos quase 90 minutos de projeção. 

E é com essas ideias na nossa cabeça que acompanhamos o divertido processo de seleção de Sergio e a sua subsequente entrada na casa de repouso San Francisco, em Santiago, no Chile. Mas não é difícil entender que o doc não está interessado em ser um filme-denúncia mais do que está investido em relatar os lutos do nosso “agente duplo” e das moradoras do asilo. 

A IMPERDOÁVEL OBSOLESCÊNCIA 

Colocados ali com a desculpa de estarem produzindo um documentário sobre o local, Maite e sua equipe são os olhos e ouvidos de Sergio e do espectador. Salta a relação das internas com a fé católica. São nas imagens onipresentes de santos que aquelas mulheres encontram o refúgio familiar perdido no dia em que colocaram os pés ali. Os momentos de felicidade genuína são emoldurados pela proximidade entre vida e morte: a poesia que dá boas-vindas é a mesma que diz o adeus.  

A rotina solitária delas é permeada por um conformismo desconcertante. Ao mostrar que a grande negligência é colocar de lado e esquecer os sacrifícios de uma mãe ou avó, e contrastar isso com a saudade que Sergio desperta na família (a cena em que sua filha e a neta aparecem no dia de seu aniversário é de partir o coração), “Agente Duplo” se revela não apenas um filme sobre a fragilidade das relações familiares, mas também sobre como a obsolescência não perdoa. 

“A vida é cruel, no fim das contas”, diz uma das internas. Pois é. 

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...