É engraçado como alguns filmes nos surpreendem não por fugirem do óbvio, mas por escancará-lo. Em “Agente Duplo”, da diretora Maite Alberdi, disponível na Globoplay e indicado ao Oscar de Melhor Documentário, a simplicidade da proposta de seguir um investigador octogenário colocado em um asilo para investigar supostos maus tratos a uma idosa, por si só, já era intrigante. No entanto, ao partir desse ponto para uma outra investigação, bem mais emocional, o documentário expõe fraturas que a sociedade prefere deixar bem escondidas em um grosso gesso. 

No filme, acompanhamos o octogenário Sergio, que é colocado em um asilo para investigar supostos maus tratos a uma idosa. A princípio, a história poderia ser sobre como um profissional acostumado aos métodos analógicos é confrontado com a tecnologia – afinal, câmeras em celulares e apps de mensagens como o WhatsApp facilitam um trabalho com prazo de entrega, não é? O documentário também poderia seguir a ideia que aparece em sua sinopse e descobrir diversos casos de maus tratos às adoráveis senhoras a que somos apresentados ao longo dos quase 90 minutos de projeção. 

E é com essas ideias na nossa cabeça que acompanhamos o divertido processo de seleção de Sergio e a sua subsequente entrada na casa de repouso San Francisco, em Santiago, no Chile. Mas não é difícil entender que o doc não está interessado em ser um filme-denúncia mais do que está investido em relatar os lutos do nosso “agente duplo” e das moradoras do asilo. 

A IMPERDOÁVEL OBSOLESCÊNCIA 

Colocados ali com a desculpa de estarem produzindo um documentário sobre o local, Maite e sua equipe são os olhos e ouvidos de Sergio e do espectador. Salta a relação das internas com a fé católica. São nas imagens onipresentes de santos que aquelas mulheres encontram o refúgio familiar perdido no dia em que colocaram os pés ali. Os momentos de felicidade genuína são emoldurados pela proximidade entre vida e morte: a poesia que dá boas-vindas é a mesma que diz o adeus.  

A rotina solitária delas é permeada por um conformismo desconcertante. Ao mostrar que a grande negligência é colocar de lado e esquecer os sacrifícios de uma mãe ou avó, e contrastar isso com a saudade que Sergio desperta na família (a cena em que sua filha e a neta aparecem no dia de seu aniversário é de partir o coração), “Agente Duplo” se revela não apenas um filme sobre a fragilidade das relações familiares, mas também sobre como a obsolescência não perdoa. 

“A vida é cruel, no fim das contas”, diz uma das internas. Pois é. 

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...