Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre baseados em casos reais.

“O Espião Inglês”, a mais recente produção do dramaturgo com longa experiência nos palcos britânicos, Dominic Cooke (“On Chesil Beach”), bebe dessa fonte e, entre acertos e erros, entrega um filme envolvente, ainda que esquecível.

Greville Wynne (Benedict Cumberbacth) é um carismático empresário que não mede esforços para conseguir vender seus serviços. Bem relacionado e sempre viajando em busca de uma venda em potencial, ele é um homem perfeito e acima de qualquer suspeita, para que o MI6 e a diplomata estadunidense Emily Donovan (Rachel Brosnahan, nossa Marvelous Mrs. Maisel), o recrute para se infiltrar no governo da União Soviética. De repente, um homem relativamente simples está trabalhando como espião, no programa nuclear soviético – para quem não compreende um pouco da história recente, esse período ficou marcado como Crise dos Mísseis de Cuba, tempos tenebrosos durante a Guerra Fria.

Em Moscou, Wynne tem como seu aliado o coronel Oleg Penkovsky (Merab Ninidze), um ex–combatente de guerra insatisfeito com os rumos que o país está tomando e temeroso quanto uma nova possibilidade de Guerra Mundial.

Entre idas e vindas, tensões e descobertas alarmantes, nasce uma amizade verdadeira entre Greville e Oleg. Tudo isso narrado pelo próprio Greville Wynne (falecido em 1990) em dois livros de sua autoria que serviram como base para O Espião Inglês: “The Man From Moscow” (1967) e “The Man From Odessa” (1981).

Cumberbacth Acima da Média

Pode-se dizer que o filme é dividido em dois atos: o primeiro que reconstrói a história e toda aflição em estar fazendo algo errado, mas pelo bem geral da nação. Além do sentimento de culpa, do medo, aliado às tarefas que devem ser cumpridas e os conflitos familiares, aqui, representado pela esposa de Greville, Sheila (Jessie Buckley), que desconfia do marido e suas viagens sem mais detalhes. Já o segundo ato é focado na emoção, quando ambos, lógico, são descobertos.

Logo no começo disse que os filmes de espiões são redondos por já virem com certo arquétipo. Cooke não foge à regra. E na representação de um filme que se passa na Guerra Fria, o clima gélido é constante. O grande triunfo dele, em termos técnicos, é a sua trilha sonora contagiante. Soa como uma personalidade de Greville (não nos esqueçamos de que ele era um espião, portanto, representando): alegre e divertido e ao passo que se aprofunda cada vez mais na causa, torna-se densa e melancólica. A trilha, aliada à direção de arte, dão certo charme ao longa.

Todavia, The Courier (seu título em inglês), não teria o mesmo êxito se não fosse o talento de Benedict Cumberbacth que, mais uma vez, entrega um trabalho acima da média. É uma atuação cuidadosa, vívida no primeiro momento para momentos de pura aflição na sequência. Sua transformação soou genuína.

Um trabalho espetacular, assim como seu companheiro em cena, Merab Ninidze. Se o Globo de Ouro ainda fosse relevante, certamente poderiam estar facilmente na seleção de ator e ator coadjuvante. Rachel Brosnahan está bem, mas já começa a mostrar estar presa na persona Miriam Maisel (“The Marvelous Mrs. Maisel“).

Por ser um drama histórico, não haveria como fantasiar, como geralmente acontece, para agradar a plateia. “O Espião Inglês” está longe de ser comparado aos melhores filmes de espiões noir ou até mesmo ao melhor filme de espião dos últimos tempos, O Espião que Sabia Demais (2011), também com o Benedict, mas agrada e pega pela emoção, pois Cooke narra uma história verídica e histórica que tornou os dois personagens centrais heróis.

Contou, principalmente, sobre a amizade entre dois homens totalmente distintos, fieis aos seus princípios e preocupados com os rumos da humanidade naquele momento. Uma pena que ele, entre tantos filmes bons gênero, passe despercebido.

Destaque para Benedict Cumberbacth, soberbo!

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...