Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre baseados em casos reais.

“O Espião Inglês”, a mais recente produção do dramaturgo com longa experiência nos palcos britânicos, Dominic Cooke (“On Chesil Beach”), bebe dessa fonte e, entre acertos e erros, entrega um filme envolvente, ainda que esquecível.

Greville Wynne (Benedict Cumberbacth) é um carismático empresário que não mede esforços para conseguir vender seus serviços. Bem relacionado e sempre viajando em busca de uma venda em potencial, ele é um homem perfeito e acima de qualquer suspeita, para que o MI6 e a diplomata estadunidense Emily Donovan (Rachel Brosnahan, nossa Marvelous Mrs. Maisel), o recrute para se infiltrar no governo da União Soviética. De repente, um homem relativamente simples está trabalhando como espião, no programa nuclear soviético – para quem não compreende um pouco da história recente, esse período ficou marcado como Crise dos Mísseis de Cuba, tempos tenebrosos durante a Guerra Fria.

Em Moscou, Wynne tem como seu aliado o coronel Oleg Penkovsky (Merab Ninidze), um ex–combatente de guerra insatisfeito com os rumos que o país está tomando e temeroso quanto uma nova possibilidade de Guerra Mundial.

Entre idas e vindas, tensões e descobertas alarmantes, nasce uma amizade verdadeira entre Greville e Oleg. Tudo isso narrado pelo próprio Greville Wynne (falecido em 1990) em dois livros de sua autoria que serviram como base para O Espião Inglês: “The Man From Moscow” (1967) e “The Man From Odessa” (1981).

Cumberbacth Acima da Média

Pode-se dizer que o filme é dividido em dois atos: o primeiro que reconstrói a história e toda aflição em estar fazendo algo errado, mas pelo bem geral da nação. Além do sentimento de culpa, do medo, aliado às tarefas que devem ser cumpridas e os conflitos familiares, aqui, representado pela esposa de Greville, Sheila (Jessie Buckley), que desconfia do marido e suas viagens sem mais detalhes. Já o segundo ato é focado na emoção, quando ambos, lógico, são descobertos.

Logo no começo disse que os filmes de espiões são redondos por já virem com certo arquétipo. Cooke não foge à regra. E na representação de um filme que se passa na Guerra Fria, o clima gélido é constante. O grande triunfo dele, em termos técnicos, é a sua trilha sonora contagiante. Soa como uma personalidade de Greville (não nos esqueçamos de que ele era um espião, portanto, representando): alegre e divertido e ao passo que se aprofunda cada vez mais na causa, torna-se densa e melancólica. A trilha, aliada à direção de arte, dão certo charme ao longa.

Todavia, The Courier (seu título em inglês), não teria o mesmo êxito se não fosse o talento de Benedict Cumberbacth que, mais uma vez, entrega um trabalho acima da média. É uma atuação cuidadosa, vívida no primeiro momento para momentos de pura aflição na sequência. Sua transformação soou genuína.

Um trabalho espetacular, assim como seu companheiro em cena, Merab Ninidze. Se o Globo de Ouro ainda fosse relevante, certamente poderiam estar facilmente na seleção de ator e ator coadjuvante. Rachel Brosnahan está bem, mas já começa a mostrar estar presa na persona Miriam Maisel (“The Marvelous Mrs. Maisel“).

Por ser um drama histórico, não haveria como fantasiar, como geralmente acontece, para agradar a plateia. “O Espião Inglês” está longe de ser comparado aos melhores filmes de espiões noir ou até mesmo ao melhor filme de espião dos últimos tempos, O Espião que Sabia Demais (2011), também com o Benedict, mas agrada e pega pela emoção, pois Cooke narra uma história verídica e histórica que tornou os dois personagens centrais heróis.

Contou, principalmente, sobre a amizade entre dois homens totalmente distintos, fieis aos seus princípios e preocupados com os rumos da humanidade naquele momento. Uma pena que ele, entre tantos filmes bons gênero, passe despercebido.

Destaque para Benedict Cumberbacth, soberbo!

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...