Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre baseados em casos reais.

“O Espião Inglês”, a mais recente produção do dramaturgo com longa experiência nos palcos britânicos, Dominic Cooke (“On Chesil Beach”), bebe dessa fonte e, entre acertos e erros, entrega um filme envolvente, ainda que esquecível.

Greville Wynne (Benedict Cumberbacth) é um carismático empresário que não mede esforços para conseguir vender seus serviços. Bem relacionado e sempre viajando em busca de uma venda em potencial, ele é um homem perfeito e acima de qualquer suspeita, para que o MI6 e a diplomata estadunidense Emily Donovan (Rachel Brosnahan, nossa Marvelous Mrs. Maisel), o recrute para se infiltrar no governo da União Soviética. De repente, um homem relativamente simples está trabalhando como espião, no programa nuclear soviético – para quem não compreende um pouco da história recente, esse período ficou marcado como Crise dos Mísseis de Cuba, tempos tenebrosos durante a Guerra Fria.

Em Moscou, Wynne tem como seu aliado o coronel Oleg Penkovsky (Merab Ninidze), um ex–combatente de guerra insatisfeito com os rumos que o país está tomando e temeroso quanto uma nova possibilidade de Guerra Mundial.

Entre idas e vindas, tensões e descobertas alarmantes, nasce uma amizade verdadeira entre Greville e Oleg. Tudo isso narrado pelo próprio Greville Wynne (falecido em 1990) em dois livros de sua autoria que serviram como base para O Espião Inglês: “The Man From Moscow” (1967) e “The Man From Odessa” (1981).

Cumberbacth Acima da Média

Pode-se dizer que o filme é dividido em dois atos: o primeiro que reconstrói a história e toda aflição em estar fazendo algo errado, mas pelo bem geral da nação. Além do sentimento de culpa, do medo, aliado às tarefas que devem ser cumpridas e os conflitos familiares, aqui, representado pela esposa de Greville, Sheila (Jessie Buckley), que desconfia do marido e suas viagens sem mais detalhes. Já o segundo ato é focado na emoção, quando ambos, lógico, são descobertos.

Logo no começo disse que os filmes de espiões são redondos por já virem com certo arquétipo. Cooke não foge à regra. E na representação de um filme que se passa na Guerra Fria, o clima gélido é constante. O grande triunfo dele, em termos técnicos, é a sua trilha sonora contagiante. Soa como uma personalidade de Greville (não nos esqueçamos de que ele era um espião, portanto, representando): alegre e divertido e ao passo que se aprofunda cada vez mais na causa, torna-se densa e melancólica. A trilha, aliada à direção de arte, dão certo charme ao longa.

Todavia, The Courier (seu título em inglês), não teria o mesmo êxito se não fosse o talento de Benedict Cumberbacth que, mais uma vez, entrega um trabalho acima da média. É uma atuação cuidadosa, vívida no primeiro momento para momentos de pura aflição na sequência. Sua transformação soou genuína.

Um trabalho espetacular, assim como seu companheiro em cena, Merab Ninidze. Se o Globo de Ouro ainda fosse relevante, certamente poderiam estar facilmente na seleção de ator e ator coadjuvante. Rachel Brosnahan está bem, mas já começa a mostrar estar presa na persona Miriam Maisel (“The Marvelous Mrs. Maisel“).

Por ser um drama histórico, não haveria como fantasiar, como geralmente acontece, para agradar a plateia. “O Espião Inglês” está longe de ser comparado aos melhores filmes de espiões noir ou até mesmo ao melhor filme de espião dos últimos tempos, O Espião que Sabia Demais (2011), também com o Benedict, mas agrada e pega pela emoção, pois Cooke narra uma história verídica e histórica que tornou os dois personagens centrais heróis.

Contou, principalmente, sobre a amizade entre dois homens totalmente distintos, fieis aos seus princípios e preocupados com os rumos da humanidade naquele momento. Uma pena que ele, entre tantos filmes bons gênero, passe despercebido.

Destaque para Benedict Cumberbacth, soberbo!

‘Nome Sujo’: crônicas de uma resistência

Em 2017, Marcelo Caetano lançava “Corpo Elétrico”, filme sobre um grupo de jovens trabalhadores da região do Brás, em São Paulo, encontrando alívio no sexo e no companheirismo entre eles um alívio para a pesada jornada em uma fábrica de roupas e a pouco grana. A...

‘Ãgawaraitá: Nancy’: a simplicidade como forma de perpetuar a ancestralidade

Um trecho do livro “História da Bruxaria”, de Jeffrey B. Russell e Brooks Alexander, chamou-me a atenção há algum tempo durante a leitura. Coincidência ou não, é justamente um ponto que considero o mais forte na narrativa trazida por “Ãgawaraitá: Nancy”, curta da...

‘When You Finish Saving the World’: a cativante estreia de Jesse Eisenberg na direção

O ator Jesse Eisenberg (“A Rede Social” e “Café Society”) ficou famoso por seus personagens ligeiramente – ou bastante – neuróticos, e muitos deles pareciam viver no seu próprio mundinho. E na estreia dele como diretor, é justamente isso que Eisenberg explora na...

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...