Houve uma época em que a Warner Bros. podia se gabar – e às vezes até se gabava – de ter sido a que mais dava liberdade a diretores em Hollywood para realizarem suas visões autorais. Mas épocas passam e hoje Hollywood vive na era das franquias, das IPs –as propriedades intelectuais – e das marcas. O cinema voltado a IPs é antagônico, quando não hostil, a uma visão autoral: os fãs de Harry Potter aceitaram de boa os filmes de um diretor sem personalidade como Chris Columbus, mas será que teriam aceitado um dirigido por Terry Gilliam, mesmo com a J. K. Rowling aprovando o nome dele? Em anos recentes vimos como uma visão mais diferenciada e autoral pode ser mal recebida nas grandes franquias – é só nos lembrarmos do ainda polêmico Star Wars: Os Últimos Jedi (2017) dirigido por Rian Johnson, ou, por que não, dos filmes de Zack Snyder com os super-heróis do Universo DC – goste-se ou não do cara, você imediatamente reconhece a assinatura dele.

E então, de repente, James Gunn faz O Esquadrão Suicida com fúria, cinismo e 100% de acordo com a sua visão. A Warner lhe deu US$ 185 milhões para se divertir e ele o fez, com certeza, aproveitando o breve período em que foi demitido pela Disney. E de quebra, diverte o público: O Esquadrão Suicida é, fácil, o melhor filme com super-heróis da DC em muito tempo e um claro exemplo de como a visão de um diretor faz diferença, sim, mesmo no cinema industrial atual. A façanha de Gunn se torna até mais impressionante quando nos lembramos do outro Esquadrão Suicida, o filme de 2016 dirigido por David Ayer que virou um Frankenstein horroroso por causa da interferência do estúdio. A Warner aprendeu com os erros? Vamos ver se o futuro confirma isso…

ODE AOS ESQUISITOS

É curioso notar como os dois filmes se parecem e, ao mesmo tempo, diferem. O ponto de partida é praticamente o mesmo: neste O Esquadrão Suicida, Amanda Waller (vivida por Viola Davis) reúne de novo uma equipe de desajustados com superpoderes para uma missão. A diferença é que, agora, ela envolve um país fictício na América Central que acabou de sofrer um golpe militar e cujos governantes estão mexendo com uma perigosa tecnologia extraterrestre. E lá vão de novo para a ação figuras como a Arlequina (Margot Robbie) e Rick Flag (Joel Kinnaman), acompanhados do Sanguinário (Idris Elba) – que passa praticamente pelo mesmo conflito do personagem do Will Smith no filme anterior – e de uma personagem que comanda ratos, um homem que dispara bolinhas e um tubarão ambulante – dublado por Sylvester Stallone – entre outros. Vários não chegarão vivos ao final do filme, aliás.

A maior diferença é que, no filme de Gunn, o espectador não é tratado como idiota. Como criança, às vezes sim, porque é necessário um espírito meio infantilóide para apreciar algumas das piadas e o filme não tem pudor em apelar para um humor estilo 5ª. série quando preciso. Mas como idiota, não: aprendemos quem são os personagens por meio de suas ações sem ficar alardeando quem são o tempo todo para reforçar o que já tínhamos entendido, e a interação entre eles funciona, sem ser forçada. Quando amizades surgem entre o grupo, o investimento emocional é válido e merecido, e o público também passa a admirar aquelas figuras. O Esquadrão Suicida é praticamente uma ode aos esquisitos, às pessoas que não se encaixam.

Isso é uma noção bem cara a James Gunn, que aqui aproveita a chance de fazer um espetáculo insano e grotesco – um que ele não poderia ter feito na Marvel, por exemplo. Por mais bem sucedidos que tenham sido seus Guardiões da Galáxia, ele jamais poderia explodir cabeças e corpos num filme Disney como faz aqui. Este O Esquadrão Suicida sim, honra sua premissa, e seu senso de humor demente leva a história a algumas direções até inesperadas.

ESPÉCIME RARA EM HOLLYWOOD

Gunn pegou apenas o que deu certo no anterior – basicamente, só Davis, Robbie e Kinnaman, sem o elemento disruptivo de Smith – e fez o seu filme. Sobre os atores, todos demonstram estar se divertindo a valer. Figuras como Robbie e Elba brilham, claro, mas curiosamente os atores que roubam a cena são John Cena como o Pacificador – que de amante da paz não tem nada – e a dupla Daniela Melchior como Caça-Ratos II e David Dastmalchian como Bolinha. Esses dois personagens esquisitos acabam sendo o coração do filme e são responsáveis pelos momentos tocantes dentro da história – Gunn é cínico, mas não tanto. Seu carinho por figuras desajustadas e conexões emocionais incomuns fazem parte da sua obra.

Claro que, por ser um filme com ideias malucas em demasia, algumas coisas não funcionam. O meio da história com um dos ditadores se envolvendo com Arlequina e uma perseguição sem função na narrativa faz o ritmo cair um pouco. Esse trecho apresenta ideias bobas demais até para os padrões do filme… Mas, pouco depois, Gunn e seu elenco inspirado se recuperam, introduzem no ato final um antagonista que deve trazer sorrisos aos conhecedores dos quadrinhos DC, e no decorrer do caos e dos efeitos visuais – consistentemente bons, aliás – até faz a gente se emocionar um pouquinho.

O Esquadrão Suicida abraça os absurdos do universo dos quadrinhos, faz o público rir e, às vezes, sentir vergonha por estar rindo, e acaba resultando numa experiência incomum que só almeja a diversão do espectador. Não é um filme para quem busca meditar sobre o sentido da vida, mas em termos de blockbusters escapistas, ele se sai muito bem.

E consegue essa proeza sem sacrificar a personalidade de seu criador. Chega a ser quase um daqueles casos de “mas como isso foi feito na Hollywood de hoje?”. Talvez esse acabe sendo realmente o diferencial que a Warner/DC pode apresentar nas telas: ao invés de copiar a Marvel de forma apressada e inconsequente, o estúdio bem que poderia retomar suas velhas tradições com mais confiança.

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...