Na sua carreira até agora, o diretor Robert Eggers tem se mostrado um grande explorador do poder de isolamento. Se seu filme anterior, “A Bruxa”, almejava observar como o puritanismo religioso atuava na mente de pessoas longe da civilização, em “O Farol”, seu novo projeto, a agente provocadora é a solidão e a não-conformidade da vida em sociedade. 
 
Os únicos personagens reais são Winslow (Robert Pattinson) e Tom (Willem Dafoe), encarregados de vigiar e manter um farol por quatro semanas. Sozinhos, a relação deles é mediada por abuso e dependência, com o mar impiedoso os lembrando de sua pequenez diante do mundo que o cerca. Aos poucos, Winslow começa a ter visões de uma perigosa sereia, as gaivotas do lugar parecem cada vez mais hostis e a realidade passa a ser muito, muito dúbia. 

Monstros da própria mente 

Ainda que a premissa carregue certos pontos de semelhança com “A Bruxa”, Eggers claramente mudou sua abordagem: se seu predecessor mostrava uma história de tempos passados com uma pegada moderna, o novo longa é revisionista tanto em forma quanto em conteúdo. 
 
Filmado em preto e branco, num formato próximo ao de um quadrado (1:1.19), a produção aparenta ser a sua versão dos filmes de monstro dos anos 1930. Até o fato de que a Universal – estúdio que obteve fama com obras do estilo – estar encarregada do projeto reforça essa conexão. 
 
Por conta do formato, a câmera está sempre perto do campo de ação, mantendo a plateia sufocantemente perto de Winslow e sua degradação mental. A exaustão física e o eventual abuso de álcool acelera um processo que tem um começo indefinido: com flashbacks sugerem que um episódio da vida do personagem teria sido determinante para o início de seus problemas mentais. 

Acolhimento e tirania 

Sua relação com Tom se torna explosiva, uma vez que as demandas emocionais de cada um se tornam parasitárias. Winslow almeja um senso de acolhimento e pertencimento que nunca teve em lugar nenhum; Tom, por outro lado, é um impotente que deseja ser validado exercendo um poder quase tirânico sobre qualquer um que se aproxime. 
 
Em suas brigas, seus estados de espírito se convulsionam e a natureza de sua interação muda minuto a minuto – em certo momento, eles chegam até a parecer amantes. No entanto, a única linguagem que entendem é a da brutalidade, e a ela que recorrem quando as circunstâncias ao redor do farol fazem com que seu círculo de confiança seja quebrado. 
 
“O Farol” leva seu tempo em estabelecer essa dinâmica e isso pode impedir o longa de fisgar a plateia fiel aos filmes de horror. Apesar disso, quando os níveis de insanidade disparam, Eggers choca os espectadores com a verdade mais simples de todas: o lado mais obscuro dos seres humanos é o de dentro. 

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

Festival de Londres 2020 – Mads Mikkelsen brilhante e ‘Ammonite’ decepciona

O correspondente internacional do Cine Set, Lucas Pistilli, conversa com Caio Pimenta sobre os destaques do Festival de Londres 2020. https://www.youtube.com/watch?v=XhaVGD7TQF8

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...

‘Ema’: Pablo Larraín mexe com a cabeça do público em filme indomável

"Ema", novo filme de Pablo Larraín ("Jackie") exibido no Festival de Londres, começa em chamas - uma metáfora apropriada para a vida de personagens que parecem entrar em combustão no calor de suas paixões. Longe do seu ambiente costumeiro - o drama histórico -, o...

‘Dois Papas’: Anthony Hopkins e Jonathan Pryce em atuações abençoadas

Um retrato bem-humorado de duas personalidades mundialmente conhecidas, "Dois Papas" é um show de atuação à moda antiga que se tornou um inesperado sucesso de público nos festivais de Telluride, onde estreou, e Toronto. O longa, também exibido no Festival de Londres,...

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...