A radicalização é um problema que se arrastou para o século XXI, encontrando na era da informação um período fértil para sua proliferação. Pode até parecer contraditório achar que em uma época onde se pode saber absolutamente tudo, a ignorância ainda capture pessoas e as transforme em máquinas de ódio. Apesar de não seguir esta linha de raciocínio, “O Jovem Ahmed” tenta mostrar quais os efeitos desse processo em um menino que tenta seguir à risca o que sua religião professa, ou, pelo menos, o que seu guia religioso diz.

Dirigido pelos irmãos Luc e Jean-Pierre Dardenne (“O Garoto da Bicicleta” e “Dois Dias, uma Noite”), dupla belga nem um pouco novata ao retratar problemas na infância-adolescência decorrentes de abuso ou maus-tratos, “O Jovem Ahmed” parecia ser mais um capítulo na série de filmes que já fizeram com seus jovens protagonistas. Mas o que antes conseguia traduzir a estética naturalista da dupla em um uso potente para a compreensão da obra, aqui, ela continua presente, mas sem o mesmo impacto.

Acompanhamos a vida de Ahmed (Idir Ben Addi) na escola e com seu imã. Enquanto briga com sua professora por ela querer ensinar árabe na comunidade, ele escuta fielmente as palavras de seu guia religioso, que não evita nem um pouco mencionar as palavras “jihad” e expressões maldosas contra a professora. O protagonista aqui parece querer se encaixar em um ambiente. Seu pai, que não está presente, é considerado por Ahmed como uma pessoa fraca por ter relaxado na forma como entendia o Islã. Já a figura com quem parece ter mais afinidade é seu primo, visto somente em fotografias e em (pelo que parece) ser um site de memórias póstumas. Seu primo é um radical, e para Ahmed, esse é o caminho que ele deve seguir.

NATUREZA NÃO EXPLORADA

Os detalhes revelam os cuidados que o menino tem com a sua religião: lava as mãos excessivamente quando um cachorro as lambe, já que sua saliva é impura; briga com a professora porque não aceita que uma mulher lhe cumprimente; guarda seu Alcorão em uma sacola plástica dentro da bolsa. A partir disso, criamos uma ideia de como está bem construída a noção de “pureza” dentro do personagem.

O ápice para a história andar é quando Ahmed tenta matar sua professora e ele é mandado para uma espécie de reformatório. Desse ponto em diante, o filme começa a apresentar problemas, já que fica tão preso nas ações do protagonista a ponto de não querer chegar em um denominador comum com relação à violência, independente dos seus motivos, e como que um sujeito pode ser capaz de mudar.

A natureza de Ahmed não é explorada de forma a dar corpo para suas ambições. O tempo no reformatório não parece sofrer efeito nele, mas, o filme não busca criar um porquê para isso. Pelo contrário, mergulha-se no seu naturalismo mínimo, mas sem que este realmente explique quem é Ahmed, porque ele fez aquilo e se ele tem realmente intenções de mudar. A história do filme é extremamente direta: Ahmed vai cuidar dos animais na fazenda; Ahmed vai ser confrontado por uma menina para que ele a beije; Ahmed acha que isso não foi certo e, agora, ele é impuro.

Nada disso diz muita coisa se não existe um caminho para ser direcionado. O público é capaz de compreender que a narrativa tem que seguir um fluxo, mas em “O Jovem Ahmed”, o mesmo não adentra em nenhum dos temas complexos que o filme busca discutir.

A questão não é esperar que o filme dos irmãos Dardenne nos entregue um conto de redenção ou um tratado sobre a violência, mas sim que para um tema tão complexo, um longa deste se perde dentro de sua própria proposta estética. O resultado final acaba sendo um material fraco para um tema tão importante nos dias atuais.

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...