Nos últimos anos, o cinema de horror nacional experimenta uma fase promissora, deixando os fãs alegres com a boa safra de filmes lançados no gênero considerado o mais maldito da sétima arte. As produções nacionais têm extraído o que de melhor há para se tirar do gênero, muitas vezes se reinventando, refletindo e propondo novas saídas e soluções para propostas inovadoras.

Se por um lado, partes destas produções têm acertado em discutir temáticas sociais relevantes a partir de questões culturais do país, no intuito de não se preocuparem em imitar os produtos americanos, pelo outro as produções que flertam com temáticas voltadas para o terror sobrenatural tem exagerado na reverencia a esses trabalhos estrangeiros.

Tirando o correto O Caseiro que eu reconheço que tem diversas falhas, ainda que ache charmoso o modo que ele conta a sua história fantasmagórica – a grande maioria de filmes que tentaram o corte entre o psicológico-sobrenatural como são os casos de Isolados, O Rastro e o Diabo Mora Aqui naufragaram feio nas suas propostas. Curiosamente, são trabalhos que esteticamente possuem um grau refinado na elaboração visual do terror por intermédio da composição de imagens, ambientação, som e fotografia, mas que, no geral, acabam por desperdiçar as boas premissas das quais suas histórias partem.

O Juízo de Andrucha Waddington é mais uma produção a se enquadrar neste perfil. Tão no piloto automático em trabalhar os elementos de suspense e terror do seu material que a produção nacional se torna uma redundância de clichês sobrenaturais já vistas em abundância nos filmes americanos de assombrações. No enredo, Augusto Menezes (Felipe Camargo) se muda para uma propriedade isolada no meio do mato herdada do seu falecido pai – uma fazenda no estilo colonial – com a mulher, Tereza (Carol Castro), e o filho, Marinho (Joaquim Torres Waddington). A família tenta fugir da vida urbana e do alcoolismo de Augusto que praticamente gerou um racha emocional na relação familiar. A propriedade – uma velha casa decrépita – carrega uma maldição ligada ao avô de Augusto que traiu o escravo Couraça (o cantor Criolo) e foi responsável pelo seu assassinato e da sua filha Ana (Kênia Bárbara).

A falta de uma identidade narrativa

Nota-se que O Juízo é um produto cinematográfico do filme “feito em família”: Andrucha dirige, o roteiro é de responsabilidade da sua esposa, a atriz Fernanda Torres (sua estreia no cinema como roteirista), o filho do casal é um dos protagonistas e a matriarca da família, uma das maiores autarquias do cinema nacional, Fernanda Montenegro tem uma participação pequena mais importante dentro do longa-metragem.

Este contexto familiar do lado de “fora” do filme com certeza estimulou Andrucha e Fernanda a enveredarem o norte conceitual de O Juízo pelo horror psicológico familiar. Há diversas reminiscências dentro da trama que fazem referência a três obras clássicas que reúnem as principais idéias do trabalho aqui em questão: Da casa assombrada envolta por fantasmas e um mistério em relação ao seu passado são citações veladas aos Os Inocentes e Os Outros; Da pessoa que enlouquece em razão da sua instabilidade emocional e de seus vícios é uma clara referência a O Iluminado – Augusto sofre do mesmo problema de alcoolismo que Jack Torrence tinha na obra de Kubrick, se tornando uma ameaça para a esposa e filho.

O problema principal de O Juízo não é copiar estes clássicos para contar sua história e sim trabalhar todas estas questões de forma simplória e banal. Tudo leva o filme a cair nas armadilhas clichês, direcionando o público para saídas falsas – uma delas presentes na trama vaga e muito mal explorada pelo roteiro que liga Augusto e Couraça em um contexto relacional que transita entre o sobrenatural e o espiritismo – que nada acrescentam a narrativa e sim a engessam.

É uma pena porque a trama do filme propicia desdobramentos interessantes. Temos o comentário social sobre a reparação da culpa frente à escravidão; o horror ambíguo que deixa em dúvida se os mistérios são provenientes da esfera sobrenatural ou da psique humana fragmentada de Augusto, desenvolvida a partir do seu alcoolismo e da sua doença mental herdada (o seu pai é esquizofrênico e morreu em decorrência da doença); o conceito do espiritismo ligado a questão do carma presente em Couraça e na sua busca de justiça pelo o que aconteceu a ele e sua filha em decorrência das ações da família de Augusto.

O resultado é que Andrucha não transforma estes desdobramentos citados acima em algo além do genérico ou que apresente uma densidade maior ao contexto dramático da sua história. O viés de suspense se arrasta pela falta de ritmo do longa-metragem, o horror e seus vários clichês são pouco atrativos na escalada de angústia e tensão que se pede em filmes deste gênero. Em outras palavras, falta uma identidade narrativa própria para O Juízo.

Belos planos atmosféricos para compensar a falta de densidade do roteiro 

Pelo menos no campo visual não faltam elogios ao projeto. Andrucha compõe belos planos atmosféricos que se apóiam em tomadas aéreas para deixar a fazenda isolada no meio de florestas e cachoeiras, criando um cenário remoto que mistura desolação, medo e incômodo, deixando o espectador sentir, que não há qualquer tipo de possibilidade de ajuda próxima, para a família de Augusto. Ele também utiliza a fotografia acinzentada, suja e pesada de Azul Serra para deixar a ambientação noturna da casa sombria, iluminada apenas por velas, cenário ideal para servir de lar para fantasmas como os clássicos filmes ingleses da década de 50 e 60 souberam tão bem administrar.

As interpretações contidas do elenco são também outra virtude do longa-metragem principalmente as participações inspiradas de Lima Duarte e Fernanda Montenegro, que fazem um casal de irmãos mediúnico e dão dignidade para uma das subtramas mais rasteiras do filme. Mesmo com uma personagem muito mal tratada pelo roteiro, Carol Castro se impõe em cena e faz um contraponto interessante da racionalidade e sensatez feminina frente à insanidade do marido vivido por Felipe Camargo.

A verdade é que ao transitar entre o filme sobre fantasmas, o suspense psicológico sobrenatural e o drama familiar que versa sobre vingança e o legado colonial, O Juízo se vê prejudicado pela sua falta de foco. Suas resoluções anticlimáticas e a preguiça como o seu roteiro abordam o suspense e as tensões, deixam o público sempre à deriva. Ainda que exista uma força visual que ajude a minimizar as graves imperfeições do filme, O Juízo sofre pela superficialidade em como lida com suas temáticas. Falha naquilo que um filme de suspense e terror sempre deve priorizar: a criatividade. Aqui a imitação simplesmente barata é que dita as regras, infelizmente.

‘Faz de Conta que NY é uma Cidade’: um pequeno tesouro na Netflix

Muitos cineastas mais antigos, formados pela tela grande das salas de cinema, veem com maus olhos a ascensão da Netflix. Para esses nomes, que incluem até Steven Spielberg, defensor eloquente da tecnologia como forma de ampliar a experiência cinematográfica (e,...

‘A Voz Suprema do Blues’ e o legado do racismo na indústria musical

Um dos indicados ao Oscar 2021, A Voz Suprema do Blues, pode não estar entre os mais prestigiados da premiação (são só duas indicações nas categorias principais – Melhor Ator para Chadwick Boseman, em sua última e sublime aparição nas telas, e Atriz para Viola Davis,...

Oscar 2021: A Harmonia da Desigualdade em ‘Opera’

Intrigados. É assim que podemos descrever nosso sentimento ao terminar os oito minutos e meio do curta de animação Opera, indicado ao Oscar deste ano nessa categoria. Apostamos fortemente que este é superior aos seus concorrentes e com um alto índice de levar a...

Cine Set no Festival de Berlim 2021: a história do cinema brasileiro no evento

Ver essa foto no Instagram   Uma publicação compartilhada por Cine Set (@cineset) Se tem um evento que gosta do cinema brasileiro, este é a Berlinale. A primeira vez que o Brasil participou da Berlinale em 1953 com dois filmes na mostra competitiva de...

Cine Set no Festival de Berlim 2021: conheça os detalhes do evento alemão

Direto do sofá da minha casa, eu, Lucas Pistilli, correspondente internacional do Cine Set aqui na Europa, irei cobrir o Festival de Berlim 2021. A Berlinale é um dos maiores eventos cinematográficos do mundo e o primeiro da grande tríade - composta por ele, Cannes e...

Quando o mau jornalismo presta desserviço aos artistas e à cultura do Amazonas

Faz duas semanas da morte precoce de Zezinho Corrêa, uma das 10 mil vítimas fatais na capital mundial da COVID-19. Naquele momento, a grandeza de um dos maiores artistas surgidos por estas bandas uniu todos os amazonenses em um luto coletivo e cessou por breves...

Asfixiada, a distópica Manaus sucumbiu; qual realidade será construída agora?

Para retornar a falar de cinema aqui no Cine Set, antes preciso falar de Manaus. O Cine Set sempre teve orgulho de ser um site de cinema independente produzido aqui na capital amazonense e, diante da maior tragédia da história da cidade, não dá para seguir adiante sem...

Os 10 Maiores Ataques do Governo Bolsonaro contra o Cinema do Brasil em 2020

Segundo ano de Jair Bolsonaro na presidência da República e segundo ano da lista dos maiores erros cometidos pela gestão dele em relação ao audiovisual brasileiro aqui no Cine Set (leia a lista de 2019).   Em um 2020 marcado pela tragédia da morte de mais de 190 mil...

Sean Connery, o astro mais perigoso do cinema

O cinema perdeu Sean Connery. No último 31 de outubro de 2020, foi anunciada pela família a morte do ator, que se foi tranquilamente durante o sono. Até o momento de escrita deste texto, a causa da morte não foi informada. Micheline Roquebrune, a viúva do astro,...

Olhar de Cinema e o ano que vivemos em quarentena

No Brasil de 2020, a leitura de mundo e a leitura de obras audiovisuais por parte de quem as consome encontra uma forte tensão: o país descobriu, não tão de repente, que a realidade objetiva só é palpável na medida em que é mensurada por nossos sentidos, sejam os...