Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada mais natural para longas de estados ainda em um processo de construção de sua identidade audiovisual e para cineastas realizadas seu primeiro longa-metragem como é o caso aqui de Fernando Segtowick. 

“O Reflexo do Lago” mostra a vida de comunidades ribeirinhas localizadas próximas da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. A obra acompanha a trajetória da equipe marcada por longas distâncias feitas pelos rios da região e por terra, à pé, enquanto conversam com os moradores locais para saber sobre a realidade deles sem energia elétrica sempre observando pequeno detalhes das vidas deles. 

Seria o caminho mais óbvio que Segtowick, experiente produtor paraense com cinco curtas e três séries documentais na carreira, colocasse todo o foco do documentário em registrar o impacto ambiental da hidrelétrica no meio ambiente e na vida daquelas pessoas permeando tudo com depoimentos de pesquisadores, cientistas e sociólogos. Porém, o diretor utiliza “O Reflexo do Lago” para ir além e trabalhar a questão do fazer cinema na Amazônia, um cinema feito por pessoas da região a partir de suas vivências, longe de um olhar doutrinador e exótico.  

Desta forma, a própria equipe surge em cena por diversos momentos se deslocando com os equipamentos no meio da floresta e nos barcos, além aparecer durante a entrevista com os ribeirinhos. A proposta quase metalinguística, porém, soa incompleta, pois, apesar da presença constante de Segtowick, o documentário não abraça totalmente essa vertente sobre filmar a Amazônia, limitando-se mais aos aspectos desafiadores da viagem e das distâncias.  

AMAZÔNIA GIGANTESCA E INTIMISTA

Essa indecisão de não abraçar o debate sobre filmar a Amazônia como foco de “O Reflexo do Lago” deixa o documentário em um caminho incerto. Ora parece ir rumo à vida daqueles ribeirinhos registrando seus cotidianos extraindo a simplicidade singela daquelas pessoas – ouvir relatos como os oito anos de ‘experiência’ de uma senhora antes de casar traz ecos de Guimarães Rosa -, ora adota uma linha política de confronto ao discurso ambientalista do governo federal ao denunciar os crimes ecológicos cometidos para a instalação da hidrelétrica na época da ditatura militar, ora volta ao caráter de metalinguagem. Essas construções quando se mesclam soam, em sua maioria, desconjuntadas com uma tirando a atenção da outra como nas sequências em que Segtowick se intromete em uma conversa de três ribeirinhos para pedir uma entrevista ou na forçada construção da cena em que o jornalista Lúcio Flávio Pinto aparece no documentário.  

Ainda assim, o filme conta com qualidades capazes de deixar qualquer problema em segundo plano, especialmente, nas lentes do diretor de fotografia Thiago Pelaes: poucas vezes, a Amazônia conseguiu nos cinemas ser, ao mesmo tempo, tão gigantesca como intimista. O senso de observação das nuances e dos traços dos rostos dos ribeirinhos ganham contornos solitários, melancólicos e resistentes daquelas pessoas ao abandono sistêmico do Estado e da população brasileira. A montagem de “O Reflexo do Lago” também merece destaque pela forma como respeita o tempo mais dilatado e menos urgente da Amazônia, traduzindo um ritmo contemplativo ainda que não provoque cansaço ao público que assiste ao longa.  

Pelas imagens belíssimas e ser um olhar tão rico, é uma pena que “O Reflexo do Lago” fique no meio do caminho: uma obra com potencialidades claras, mas, sem explorá-las ao máximo. 

CRÍTICA | ‘A Filha do Pescador’: a dura travessia pela reconexão dos afetos

Quanto vale o preço de um perdão, aceitação e redescoberta? Para Edgar De Luque Jácome bastam apenas 80 minutos. Estreando na direção, o colombiano submerge na relação entre pai e filha, preconceitos e destemperança em “A Filha do Pescador”. Totalmente ilhado no seu...

CRÍTICA | ‘Tudo em Família’: é ruim, mas, é bom

Adoro esse ofício de “crítico”, coloco em aspas porque me parece algo muito pomposo, quase elitista e não gosto de estar nesta posição. Encaro como um trabalho prazeroso, apesar das bombas que somos obrigados a ver e tentar elaborar algo que se aproveite. Em alguns...

CRÍTICA | ‘Megalópolis’: no cinema de Coppola, o fim é apenas um detalhe

Se ser artista é contrariar o tempo, quem melhor para falar sobre isso do que Francis Ford Coppola? É tentador não jogar a palavra “megalomaníaco” em um texto sobre "Megalópolis". Sim, é uma aliteração irresistível, mas que não arranha nem a superfície da reflexão de...

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...