Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus personagens de modo solene, sem aprofundar muitos nos perfis dos seus retratados. Dirigido por Angela Zoé e selecionado para mostra competitiva de longas-metragens do Festival de Gramado 2020, “O Samba é o Primo do Jazz” se encaixa de forma perfeita nesta descrição.

O foco aqui é Alcione, um dos maiores nomes da história do samba e dona de uma voz única e poderosa. Nos 70 minutos de duração, “O Samba é o Primo do Jazz” acompanhamos o bê-á-bá de um documentário do tipo: a infância e a relação com a família, a descoberta musical, a carreira de sucesso, os amores e pequenas falas sobre as características mais célebres e visíveis. Tudo isso embalado por entrevistas antigas, shows com as principais músicas e viagens por Rio de Janeiro, São Luiz (terra natal da cantora) e Lisboa.

Durante todo o documentário, fica a sensação de que há um acordo tácito dos limites sobre o que seria explorado. Passa-se por diversos assuntos com a profundidade de um pires, soando mais como uma retrospectiva histórica de Alcione do que uma análise mais profunda. Nem mesmo quando há espaços para saber um pouco além da superfície – em certo momento, uma das irmãs da cantora fala sobre como tentavam passá-las para trás na negociação de shows – Angela Zoé aproveita para ir além e saber sobre os desafios enfrentados por uma mulher negra e nordestina para conseguir espaço dentro da música e sociedade brasileira.

Cabe a Alcione, então, salvar “O Samba é o Primo do Jazz”. O tom excessivamente solene conferido pela proposta do documentário encontra um contraponto na irreverência e naturalidade da estrela. Seja comentando sobre um homem bonito durante um passeio pelas ruas de Lisboa ou nas descontraídas conversas com Alexandre Menezes, o diretor musical da banda, a Marrom deixa transparecer seu lado mãezona acolhedora ainda que longe de sentimentalismos barato. A ligação com as raízes de onde veio e de onde foi acolhida, o abraço e o sorriso fácil, a firmeza de quem não aceita qualquer coisa, a religiosidade e a vaidade captadas muito bem no documentário ainda ajudam a entender como Alcione consegue transcender gerações e ser a cara de um povo.

Porém, exceção feita ao pouco lembrado passado no jazz, “O Samba é o Primo do Jazz” apenas salienta tudo aquilo que sabemos da figura pública de Alcione vista ao longo destes anos e anos. A Marrom merecia, sem dúvida, uma homenagem melhor.

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...