Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus personagens de modo solene, sem aprofundar muitos nos perfis dos seus retratados. Dirigido por Angela Zoé e selecionado para mostra competitiva de longas-metragens do Festival de Gramado 2020, “O Samba é o Primo do Jazz” se encaixa de forma perfeita nesta descrição.

O foco aqui é Alcione, um dos maiores nomes da história do samba e dona de uma voz única e poderosa. Nos 70 minutos de duração, “O Samba é o Primo do Jazz” acompanhamos o bê-á-bá de um documentário do tipo: a infância e a relação com a família, a descoberta musical, a carreira de sucesso, os amores e pequenas falas sobre as características mais célebres e visíveis. Tudo isso embalado por entrevistas antigas, shows com as principais músicas e viagens por Rio de Janeiro, São Luiz (terra natal da cantora) e Lisboa.

Durante todo o documentário, fica a sensação de que há um acordo tácito dos limites sobre o que seria explorado. Passa-se por diversos assuntos com a profundidade de um pires, soando mais como uma retrospectiva histórica de Alcione do que uma análise mais profunda. Nem mesmo quando há espaços para saber um pouco além da superfície – em certo momento, uma das irmãs da cantora fala sobre como tentavam passá-las para trás na negociação de shows – Angela Zoé aproveita para ir além e saber sobre os desafios enfrentados por uma mulher negra e nordestina para conseguir espaço dentro da música e sociedade brasileira.

Cabe a Alcione, então, salvar “O Samba é o Primo do Jazz”. O tom excessivamente solene conferido pela proposta do documentário encontra um contraponto na irreverência e naturalidade da estrela. Seja comentando sobre um homem bonito durante um passeio pelas ruas de Lisboa ou nas descontraídas conversas com Alexandre Menezes, o diretor musical da banda, a Marrom deixa transparecer seu lado mãezona acolhedora ainda que longe de sentimentalismos barato. A ligação com as raízes de onde veio e de onde foi acolhida, o abraço e o sorriso fácil, a firmeza de quem não aceita qualquer coisa, a religiosidade e a vaidade captadas muito bem no documentário ainda ajudam a entender como Alcione consegue transcender gerações e ser a cara de um povo.

Porém, exceção feita ao pouco lembrado passado no jazz, “O Samba é o Primo do Jazz” apenas salienta tudo aquilo que sabemos da figura pública de Alcione vista ao longo destes anos e anos. A Marrom merecia, sem dúvida, uma homenagem melhor.

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...

‘Mother Schmuckers’: anarquia niilista repleta de deboche

"Mother Schmuckers" é um filme que desafia palavras, que dirá críticas. A produção dos irmãos Harpo e Lenny Guit é uma comédia de erros que envolve drogas, violência e todo o tipo de perversão sexual. Exibido nas mostras de meia-noite de Sundance, onde estreou, e do...

’007 – Sem Tempo para Morrer’: fim da era Craig volta a abalar estruturas da série

A franquia de filmes do agente secreto James Bond, o 007, já quase sessentona, virou uma instituição cinematográfica. E quando algo vira uma instituição não se pode mexer muito nela. Não é possível adentrá-la e começar a mudar as coisas de lugar ou fazer diferente do...