Makoto Shinkai tem um jeito único de contar histórias: ele se baseia na concepção de tempo oriental para falar de amadurecimento. Por meio de narrativas simples, suas produções mostram como o tempo – mais do que a distância – é um catalisador para os relacionamentos. Em “O Tempo Com Você”, o diretor utiliza a questão climática para abordar a conexão entre Hodaka e Hina.

Embora eu goste de sua filmografia e o considere um dos melhores diretores de anime em atividade, “O Tempo com Você” soa como um primo distante e menos avantajado de “Your Name”. Shinkai acaba repetindo as mesmas discussões que já foram introduzidas em sua produção anterior como a mitologia nipônica, a dicotomia entre a cidade e a zona rural, além do romance adolescente que ultrapassa barreiras.

Acompanhamos Hodaka, um adolescente de 16 anos que foge de casa, no interior, para morar em Tóquio. O personagem idealiza a cidade e, quando a conhece de verdade, percebe o quão assustadora a metrópole pode ser. Carente emocionalmente, tudo que ele almeja é alguém em que pode confiar, o que encontra em Hina, a garota sol. Juntos precisam salvar Tóquio das constantes chuvas que caem sobre a cidade, ameaçando inundá-la.

Cidade versus o campo

Na primeira vez que contempla Tóquio, Hodaka afirma que a cidade é assustadora. Vemos uma metrópole acinzentada, dominada pela chuva constante, pela poluição visual e por pessoas frias e distantes. Há uma imersão de símbolos não orientais como a lanchonete em que os dois se encontram e a arquitetura do prédio em que fica o portal para outra dimensão. Tal escolha do roteirista aponta como a presença ocidental vem influenciando na transformação social de Tóquio.

É possível acompanhar essas mudanças por meio do paralelismo entre as tradições orientais e a modernização. Enquanto nenhuma ação tecnológica consegue diminuir as chuvas, a salvação da cidade se encontra em mitos e na crença de pessoas idosas descredibilizadas pelos mais novos. Esse é um dos motivos, por exemplo, que “O Tempo com Você” se debruça em acompanhar dois adolescentes e centralizar as ações neles, para evidenciar a importância da continuidade aos mitos e crenças. Shinkai se preocupa mais em construir essa atmosfera do que no romance propriamente dito, tanto que eles se apaixonam apenas uma hora depois de iniciada a projeção.

Outro ponto que endossa a problemática da modernização é a presença policial na trama:  em vez de apurar os fatos, a polícia opta por defender o que lhe pode conferir mais poderes e funciona como uma peça de separação familiar, um elemento importante na tradição nipônica. No entanto, esse fator soa como o lado mais fraco de “O Tempo com Você”, já que ele apenas cumpre seu papel, sem expandir a discussão para novas perspectivas.

Rimas Visuais e Referências

Shinkai consegue inserir o público em Tóquio ao ponto de ser possível sentir as gotas de chuva caírem sobre si. Seu desenho passa uma sensação palpável e realista da cidade. Ele se debruça em captar detalhes da chuva encontrando o solo e dos raros raios de sol. O que contribui para isso também é a trilha sonora. Tanto as músicas que soam como um complemento aos diálogos e emoções dos personagens quanto ao som sintetizado que emula as batidas do coração, por exemplo.

É possível perceber nessa construção, no entanto, referencias as produções anteriores. Como a cena em 180® no alto do prédio que faz uma rima visual com “Your Name” e “Um Lugar Prometido em Nossa Juventude”. E até mesmo na própria trama que utiliza o clima como junção aos dois amantes assim como em “O Jardim das Palavras”.

“O Tempo com Você” é um filme bem mais simples que as outras produções de Shinkai. Embora aborde a importância do resgate as tradições, o filme não evolui para um contexto maior como suas outras produções apontavam. Infelizmente, ele soa como mais uma repetição de tudo que já fora visto na filmografia do mangaká. Talvez seja o momento de ser mais ousado e visceral. Resta-nos acompanhar o que vem por aí.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...