Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle.

A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos espiões não oficiais do detetive ganharem sua série própria: ‘Os Irregulares de Baker Street’ fala justamente sobre crianças de rua que se tornaram fontes de informação para o detetive nos livros e, apesar de não possuírem nome ou grande importância nas histórias originais, na série criada por Tom Bidwell (‘My Mad Fat Diary’), eles são os verdadeiros protagonistas de casos envolvendo elementos sobrenaturais. Um mote bem interessante o qual a primeira temporada não consegue fazer jus.

Bea (Thaddea Graham), sua irmã Jessie (Darci Shaw) e os amigos Spike (McKell David) e Billy (Jojo Macari) são jovens abandonados pelos pais que sobrevivem nas ruas da cinzenta Londres. Bea é contatada pelo parceiro de Sherlock (Henry Lloyd-Hughes), doutor Watson (Royce Pierreson) para ajudar em pequenos crimes, entretanto, uma presença sobrenatural que ronda a cidade acaba dividindo o grupo e revelando a Bea e Jessie qual foi o verdadeiro destino de sua falecida mãe.

Fora as duas irmãs, o restante do grupo não possui um aprofundamento correto: Bea é claramente a preferida da trama e a atriz consegue muito bem ser a voz protagonista e rosto da série, enquanto Jessie se esforça para conseguir a atenção do público. Spike é o membro mais renegado e basicamente só tapa buracos espalhados pela trama enquanto Billy é o famoso caso de personagem que ganha a atenção do público, mas, não possui conteúdo o suficiente para mantê-la.

Uma difícil adaptação

Se na criação de personagens desconhecidos a série já apresenta falhas, com os famosos Watson e Sherlock chega a ser vergonhoso. Basicamente, ‘Os Irregulares de Baker Street’ é mais uma produção em que a Netflix insiste em descaracterizar os personagens do Conan Doyle, reduzindo o detetiva a um simples viciado e mudando completamente a personalidade de Watson. Apesar disto ser bem incômodo para os leitores dos livros e apreciadores de outras melhores adaptações, o pior de tudo é que mesmo mudados para combinar com a trama, os personagens não são bons.

Watson, por exemplo, é um enorme clichê que pouco acrescenta para a trama além de ser uma ameaça para Bea. Já é de se imaginar todo seu desenvolvimento e motivações, mas até chegar nessas revelações nos últimos episódios o personagem já está totalmente desgastado. Sherlock, mesmo com tanta simplicidade dada pelo roteiro, consegue se destacar bastante, quase roubando a trama dos ditos protagonistas.

E os crimes?

Como é de se esperar, toda história envolvendo um bom detetive também é repleta de investigações e suspenses. Infelizmente, a série também peca – bastante, aliás – nesse aspecto. Apesar da trama principal ser contínua em toda temporada, cada episódio aborda um caso investigativo, sendo um formato que prejudica muito a série. Tanto por ser necessário inventar mais histórias e personagens, quanto porque estes não são abordados propriamente, os mistérios não são desenvolvidos de forma complexa e acabam sendo de fácil solução, se tornando desinteressantes.

O único aspecto positivo dessa escolha é a concepção visual dos crimes e monstros que surgem na tela. No primeiro capítulo tem uma perseguição de corvos a qual resulta numa morte bem gráfica e, ouso dizer, estranhamente bonita, impactante. Da mesma forma, o episódio três é maravilhoso visualmente ao mostrar um assassino que conclui seus planos colocando as vítimas em posições de cartas de tarot. Nestes casos, desde o figurino, efeitos e própria importância das cenas para a série se destacam positivamente.

Assim, a princípio, a série consegue gerar uma certa expectativa sobre futuros casos do grupo e sobre a própria dinâmica entre os personagens. Entretanto, o resultado é bem desapontador e se encaminha para um destaque a Sherlock e Watson quando, na realidade, estes deveriam ser apenas uma referência ao espectador, deixando de lado o protagonismo dos “Os Irregulares de Baker Street” e, por consequência, falhando com sua proposta.

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...