Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle.

A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos espiões não oficiais do detetive ganharem sua série própria: ‘Os Irregulares de Baker Street’ fala justamente sobre crianças de rua que se tornaram fontes de informação para o detetive nos livros e, apesar de não possuírem nome ou grande importância nas histórias originais, na série criada por Tom Bidwell (‘My Mad Fat Diary’), eles são os verdadeiros protagonistas de casos envolvendo elementos sobrenaturais. Um mote bem interessante o qual a primeira temporada não consegue fazer jus.

Bea (Thaddea Graham), sua irmã Jessie (Darci Shaw) e os amigos Spike (McKell David) e Billy (Jojo Macari) são jovens abandonados pelos pais que sobrevivem nas ruas da cinzenta Londres. Bea é contatada pelo parceiro de Sherlock (Henry Lloyd-Hughes), doutor Watson (Royce Pierreson) para ajudar em pequenos crimes, entretanto, uma presença sobrenatural que ronda a cidade acaba dividindo o grupo e revelando a Bea e Jessie qual foi o verdadeiro destino de sua falecida mãe.

Fora as duas irmãs, o restante do grupo não possui um aprofundamento correto: Bea é claramente a preferida da trama e a atriz consegue muito bem ser a voz protagonista e rosto da série, enquanto Jessie se esforça para conseguir a atenção do público. Spike é o membro mais renegado e basicamente só tapa buracos espalhados pela trama enquanto Billy é o famoso caso de personagem que ganha a atenção do público, mas, não possui conteúdo o suficiente para mantê-la.

Uma difícil adaptação

Se na criação de personagens desconhecidos a série já apresenta falhas, com os famosos Watson e Sherlock chega a ser vergonhoso. Basicamente, ‘Os Irregulares de Baker Street’ é mais uma produção em que a Netflix insiste em descaracterizar os personagens do Conan Doyle, reduzindo o detetiva a um simples viciado e mudando completamente a personalidade de Watson. Apesar disto ser bem incômodo para os leitores dos livros e apreciadores de outras melhores adaptações, o pior de tudo é que mesmo mudados para combinar com a trama, os personagens não são bons.

Watson, por exemplo, é um enorme clichê que pouco acrescenta para a trama além de ser uma ameaça para Bea. Já é de se imaginar todo seu desenvolvimento e motivações, mas até chegar nessas revelações nos últimos episódios o personagem já está totalmente desgastado. Sherlock, mesmo com tanta simplicidade dada pelo roteiro, consegue se destacar bastante, quase roubando a trama dos ditos protagonistas.

E os crimes?

Como é de se esperar, toda história envolvendo um bom detetive também é repleta de investigações e suspenses. Infelizmente, a série também peca – bastante, aliás – nesse aspecto. Apesar da trama principal ser contínua em toda temporada, cada episódio aborda um caso investigativo, sendo um formato que prejudica muito a série. Tanto por ser necessário inventar mais histórias e personagens, quanto porque estes não são abordados propriamente, os mistérios não são desenvolvidos de forma complexa e acabam sendo de fácil solução, se tornando desinteressantes.

O único aspecto positivo dessa escolha é a concepção visual dos crimes e monstros que surgem na tela. No primeiro capítulo tem uma perseguição de corvos a qual resulta numa morte bem gráfica e, ouso dizer, estranhamente bonita, impactante. Da mesma forma, o episódio três é maravilhoso visualmente ao mostrar um assassino que conclui seus planos colocando as vítimas em posições de cartas de tarot. Nestes casos, desde o figurino, efeitos e própria importância das cenas para a série se destacam positivamente.

Assim, a princípio, a série consegue gerar uma certa expectativa sobre futuros casos do grupo e sobre a própria dinâmica entre os personagens. Entretanto, o resultado é bem desapontador e se encaminha para um destaque a Sherlock e Watson quando, na realidade, estes deveriam ser apenas uma referência ao espectador, deixando de lado o protagonismo dos “Os Irregulares de Baker Street” e, por consequência, falhando com sua proposta.

‘Better Call Saul’ 6×13: ‘Saul Gone’

É o fim. Acabou-se. Por seis temporadas, Better Call Saul nunca fez o que o público esperava. Então, não devia ser surpresa quando no episódio final da série, “Saul Gone”, o nosso protagonista é capturado pela polícia logo nos primeiros 10 minutos do episódio. Mas...

‘Irma Vep’: as subtramas dos bastidores na indústria cinematográfica

Você já parou para pensar nas histórias dos bastidores dos seus filmes, séries e livros favoritos? Algumas delas são tão interessantes que rendem novas produções ou, pelo menos, conteúdo para internet. Olivier Assayas (“Wasp Network”) parte do primeiro ponto,...

‘Better Call Saul’ 6×12: ‘Waterworks’

Chegamos ao penúltimo episódio de Better Call Saul. Neste segmento, intitulado “Waterworks” (uma expressão em inglês que pode designar tanto um sistema hidráulico, como pode ser usado como sinônimo de pranto ou choradeira), sente-se o peso do passado e de todos os...

‘Turma da Mônica – A Série’: para agradar novas e antigas gerações

Quando o primeiro longa-metragem live action de “Turma da Mônica” saiu, minha amiga e crítica do Cine SET Rebeca Almeida, escreveu que este era um novo caminho para o cinema infantil nacional. Pulamos para 2022 e com mais produções deste universo, Daniel Rezende,...

‘Better Call Saul’ 6×11: ‘Breaking Bad’

Aviso: SPOILERS no texto abaixo. Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. -- O que há em um bigode? Quando conhecemos Saul Goodman em Breaking Bad, era 2009 e o episódio se chamava “Better Call Saul”. Agora, estamos em 2022 e Jesse Pinkman e Walter White...

‘Better Call Saul’ 6×10: ‘Nippy’

Todas as temporadas de Better Call Saul, exceto esta última, começaram com uma sequência em preto-e-branco mostrando a vida triste de Jimmy McGill pós-Breaking Bad. Oops, Jimmy não: Gene Takavic, um sujeito com o cabelo rareando e um bigode deprimido que trabalha em...

‘Better Call Saul’ 6×09: ‘Fun and Games’

Há uma cena neste nono episódio da temporada final de Better Call Saul na qual Jimmy e Kim retornam ao bom e velho escritório da firma de advocacia HHM, um cenário que víamos desde o começo da série. Nele, Clifford diz ao casal que a empresa em breve vai dispensar...

‘Better Call Saul’ 6×08: Point and Shoot

Personagens inteligentes criam grande drama. Em Better Call Saul, desde o fim da quarta temporada, vemos o quanto Lalo é inteligente. Mesmo assim, ainda ficamos despreparados em relação à sagacidade dele enquanto assistimos a este retorno da série com "Point and...

‘The Boys’ – 3ª Temporada: Capitão Pátria rouba a cena no melhor ano da série

Desde o lançamento de “Deadpool” (2016) e, anos depois, de “Watchmen” (2019), há a tentativa de instaurar nesse sub-gênero um discurso paródico, irônico e autoconsciente que não é nenhuma surpresa após tantas produções de heróis ao longo da última década. “The Boys”...

Emmy 2022: Quem Serão os Indicados nas Principais Categorias?

De "Succession" a "Hacks", Caio Pimenta aponta quais deverão ser os indicados nas categorias de Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Série de Comédia, Drama e Minissérie. MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE INDICADOS Andrew Garfield, por “Under The Banner of Heaven” Colin Firth,...