Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a compreender e aceitar um comportamento não-binário quando acaba se tornando uma espécie de pai adotivo.

No filme, acompanhamos Eddie Palmer (vivido por Justin Timberlake), que acabou de ser libertado da prisão após cumprir pena de 12 anos. Ele retorna à cidadezinha modorrenta onde cresceu para viver com a avó (June Squibb), sua única parente. No trailer vizinho à casa deles, mora Shelly (Juno Temple), uma moça que tem problema com drogas, e seu filho Sam (o estreante Ryder Allen). As circunstâncias acabarão fazendo com que Palmer e Sam passem a viver juntos, e o rapaz acha estranho o fato do menino gostar de brincar com bonecas e de assistir a um desenho animado com fadas e princesas na TV. Ele não é o único, porém: Na escola e pela cidade, Sam começa a ser ridicularizado e a sofrer bullying, e Palmer acaba tendo que defendê-lo e a cuidar dele.

É um drama bem conduzido, até gentil, por assim dizer, e que não foge muito do básico nos seus aspectos visuais. Stevens e seu diretor de fotografia Tobias A. Schliessler filmam grande parte do longa com a câmera na mão, e também enfatizam a frieza e a sobriedade da história com uma paleta de cores discreta e, muitas vezes, deixando as cenas internas sombrias. Sam é o personagem que traz a cor, até nos figurinos às vezes, e sempre que ele está em cena o filme fica um pouco mais quente e iluminado. É uma abordagem apropriada, mas que também não faz o filme se destacar visualmente.

 HONESTIDADE É O BASTANTE

Como em todo filme dirigido por atores, as performances é que acabam tornando-se mais importantes. Apesar das desconfianças naturais que surgem toda vez que um astro ou estrela da música se aventura pelo cinema, Timberlake acabou se revelando um bom ator ao longo dos anos e aqui ele conduz o filme com competência e sobriedade. Talvez sobriedade em demasia: um pouco mais de delineamento do seu personagem e de abertura poderia ter ajudado a história. Afinal, Palmer é o tipo caladão e não é exatamente um protagonista ao qual o público se afeiçoa. Squibb está muito bem, como sempre, e Temple, com visual bem diferente para compor sua personagem, consegue evitar que a sua mãe drogada e promíscua fique muito unidimensional. Mas o garotinho Allen é a revelação do projeto: divertido e luminoso em várias cenas, mas também capaz de grande emoção em momentos-chave da história. É graças a ele, principalmente, que o espectador compra o laço “pai-e-filho” que surge entre os personagens.

Alguns aspectos do roteiro de Palmer, porém, diminuem o filme. A personagem da avó some da história, e um desenvolvimento a respeito dela acaba não tendo nenhuma consequência. E o protagonista começa um romance com a professora da escola, interpretada por Alisha Wainwright, que parece morno e apenas jogado na narrativa. É um bom filme, que de alguma forma nunca vira ótimo, nunca se torna realmente memorável para o espectador.

Apesar desses problemas, Palmer eleva-se um pouco para além das suas boas intenções graças à interação entre Timberlake e Allen. É uma fórmula que não falha nunca no cinema: homem fechado convivendo com criança e, pelo visto, parece que é difícil mesmo estragá-la. O filme também representa bem um conflito moderno, em que os ideais antigos de masculinidade são confrontados por um mundo em mudança e novas formas de se encarar questões de sexualidade e padrões sociais. Palmer não é muito profundo, nem é nada que nunca foi visto antes, mas extrai emoção de uma fonte honesta e, às vezes, honestidade é o bastante.

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...

‘Nomadland’: a jornada é mais importante que o destino

É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand,...

‘Relatos do Mundo’: Tom Hanks busca união em western pós-Trump

Tom Hanks foi o apresentador do show especial no dia da posse de Joe Biden na presidência dos EUA. A escolha não foi por acaso: o astro duas vezes ganhador do Oscar consegue circular muito bem pelos democratas e não ser visto com rejeição pelos republicanos, mesmo...