Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a compreender e aceitar um comportamento não-binário quando acaba se tornando uma espécie de pai adotivo.

No filme, acompanhamos Eddie Palmer (vivido por Justin Timberlake), que acabou de ser libertado da prisão após cumprir pena de 12 anos. Ele retorna à cidadezinha modorrenta onde cresceu para viver com a avó (June Squibb), sua única parente. No trailer vizinho à casa deles, mora Shelly (Juno Temple), uma moça que tem problema com drogas, e seu filho Sam (o estreante Ryder Allen). As circunstâncias acabarão fazendo com que Palmer e Sam passem a viver juntos, e o rapaz acha estranho o fato do menino gostar de brincar com bonecas e de assistir a um desenho animado com fadas e princesas na TV. Ele não é o único, porém: Na escola e pela cidade, Sam começa a ser ridicularizado e a sofrer bullying, e Palmer acaba tendo que defendê-lo e a cuidar dele.

É um drama bem conduzido, até gentil, por assim dizer, e que não foge muito do básico nos seus aspectos visuais. Stevens e seu diretor de fotografia Tobias A. Schliessler filmam grande parte do longa com a câmera na mão, e também enfatizam a frieza e a sobriedade da história com uma paleta de cores discreta e, muitas vezes, deixando as cenas internas sombrias. Sam é o personagem que traz a cor, até nos figurinos às vezes, e sempre que ele está em cena o filme fica um pouco mais quente e iluminado. É uma abordagem apropriada, mas que também não faz o filme se destacar visualmente.

 HONESTIDADE É O BASTANTE

Como em todo filme dirigido por atores, as performances é que acabam tornando-se mais importantes. Apesar das desconfianças naturais que surgem toda vez que um astro ou estrela da música se aventura pelo cinema, Timberlake acabou se revelando um bom ator ao longo dos anos e aqui ele conduz o filme com competência e sobriedade. Talvez sobriedade em demasia: um pouco mais de delineamento do seu personagem e de abertura poderia ter ajudado a história. Afinal, Palmer é o tipo caladão e não é exatamente um protagonista ao qual o público se afeiçoa. Squibb está muito bem, como sempre, e Temple, com visual bem diferente para compor sua personagem, consegue evitar que a sua mãe drogada e promíscua fique muito unidimensional. Mas o garotinho Allen é a revelação do projeto: divertido e luminoso em várias cenas, mas também capaz de grande emoção em momentos-chave da história. É graças a ele, principalmente, que o espectador compra o laço “pai-e-filho” que surge entre os personagens.

Alguns aspectos do roteiro de Palmer, porém, diminuem o filme. A personagem da avó some da história, e um desenvolvimento a respeito dela acaba não tendo nenhuma consequência. E o protagonista começa um romance com a professora da escola, interpretada por Alisha Wainwright, que parece morno e apenas jogado na narrativa. É um bom filme, que de alguma forma nunca vira ótimo, nunca se torna realmente memorável para o espectador.

Apesar desses problemas, Palmer eleva-se um pouco para além das suas boas intenções graças à interação entre Timberlake e Allen. É uma fórmula que não falha nunca no cinema: homem fechado convivendo com criança e, pelo visto, parece que é difícil mesmo estragá-la. O filme também representa bem um conflito moderno, em que os ideais antigos de masculinidade são confrontados por um mundo em mudança e novas formas de se encarar questões de sexualidade e padrões sociais. Palmer não é muito profundo, nem é nada que nunca foi visto antes, mas extrai emoção de uma fonte honesta e, às vezes, honestidade é o bastante.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...